Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Parto induzido: o que é, quando é indicado e quando evitar

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
outubro 2022

O parto induzido é um procedimento médico para estimular as contrações uterinas ou preparar o colo do útero no final da gravidez. É indicado pelo obstetra quando o trabalho de parto não começa naturalmente ou quando existem situações que podem colocar em risco a vida da mulher ou do bebê, como diabetes gestacional, pré-eclâmpsia ou restrição do crescimento fetal.

A indução médica do parto normalmente é realizada a partir das 37 semanas de gestação, mas existem métodos caseiros que podem facilitar o processo de início do trabalho de parto no final da gestação, como ter relações sexuais, se a mulher se sentir confortável para isso, ou estimular os mamilos, por exemplo.

Apesar de existirem diversas indicações para a indução do parto, todas elas devem ser bem avaliadas pelo médico, porque por vezes, pode ser mais seguro optar por uma cesárea ao invés de tentar estimular o início do trabalho de parto. Veja como é feita a cesaria e quando é indicada.

Imagem ilustrativa número 1

Quando é indicado induzir o parto

A indução do parto, deve ser sempre indicada pelo obstetra, o que geralmente acontece nas seguintes situações:

  • Gravidez que passa das 41 semanas sem início das contrações de forma espontânea;
  • Ruptura da bolsa de líquido amniótico sem início das contrações em 24 horas;
  • Infecção no útero, chamada de corioamnionite;
  • Diabetes gestacional;
  • Pré-eclâmpsia, que é o agravamento da pressão alta durante a gestação;
  • Pressão alta antes da gravidez ou que se desenvolveu antes das 20 semanas de gestação;
  • Hipertensão gestacional, que se desenvolve após as 20 semanas da gravidez;
  • Problemas de saúde como doença renal ou pulmonar;
  • Incompatibilidade do fator Rh;
  • Trombofilias;
  • Restrição de crescimento fetal, em que o bebê para de crescer no ritmo esperado, por ter um peso menor do que o esperado para a idade gestacional;
  • Diminuição da quantidade de líquido amniótico, mesmo após tentativa de hidratação.

Além disso, a indução do parto também pode ser feita em alguns casos por fatores de logística, como o hospital ser muito longe da área de residência ou não ter acompanhante caso o trabalho de parto comece de forma espontânea.

Como é feita a indução do parto no hospital

A indução do parto é realizada pelo obstetra no hospital, que pode utilizar uma ou mais técnicas em conjunto, de acordo com o amadurecimento do colo do útero ou da fase do trabalho de parto.

As principais técnicas de indução do parto feita no hospital são:

  • Uso de ocitocina aplicada diretamente na veia: é o hormônio que estimula as contrações do útero. Essa forma de indução do parto é mais eficaz para acelerar o trabalho de parto que já começou;
  • Ruptura da bolsa amniótica: é feita quando o colo do útero está parcialmente dilatado;
  • Colocação de uma sonda ou cateter especial no colo do útero: contém um balão inflável preenchido com solução salina para estimular o amadurecimento do colo do útero;
  • Uso de prostaglandinas sintéticas: são colocadas dentro da vagina para afinar ou amaciar o colo do útero. Não podem ser usadas em gestantes que passaram por algum tipo de cirurgia ao útero, incluindo cesárea;
  • Descolamento de membranas: é feito durante o toque vaginal, quando o colo está minimamente dilatado.

Estas quatro formas são eficazes e só devem ser realizadas no hospital, onde a mulher e o bebê podem ser bem acompanhados por uma equipe de médicos e equipamentos, que podem ser necessários caso exista a necessidade da interrupção da indução ou de algum procedimento de emergência.

Quanto tempo demora a indução?

Após o início do processo de indução do parto, o tempo para o parto começar vai depender do quanto o colo do útero estava maduro antes da indução, da técnica utilizada pelo médico, e de como o corpo da mulher vai respondendo à técnica de indução escolhida.

O parto induzido é mais doloroso?

Normalmente o parto induzido dói mais que o parto que inicia espontaneamente, especialmente quando se usa ocitocina sintética, mas isso pode ser solucionado com a anestesia epidural.

Quem deseja um parto com menos intervenções e sem anestesia epidural, pode controlar a dor através da respiração correta e das posições verticais, como a de cócoras, por exemplo. Saiba como aliviar a dor do trabalho de parto.

O que fazer para iniciar o trabalho de parto naturalmente

Outras formas de facilitar o início do trabalho de parto de forma natural e que podem ser realizadas com o conhecimento e orientação do obstetra, são:

  • Prática de exercícios físicos, como uma longa caminhada
  • Estimulação dos mamilos, pois ajuda a promover a produção de ocitocina fazendo com que o útero se contraia, induzindo ou aumentando a qualidade das contrações;
  • Relações sexuais, sem preservativo, para facilitar o amolecimento do colo do útero;
  • Masturbação, pois na fase final da gravidez ajuda na liberação de ocitocina, favorecendo as contrações e o trabalho de parto;
  • Ativação de memórias afetivas, como ir para um lugar que se gosta muito, comer a comida preferida ou usar um perfume que traga boas recordações;
  • Sessões de acupuntura.

Além disso, tomar o chá de framboesa também pode ajudar a preparar o útero para o parto, ajudando a que o trabalho de parto progrida a um bom ritmo e não seja tão doloroso. Veja como preparar o chá de framboesa para induzir o parto.

Quando pode ser perigoso induzir o parto

A indução do parto não é indicada e por isso não deve ser realizada quando:

  • Sofrimento fetal;
  • Mais de 2 cesarianas anteriores, devido a presença de cicatrizes no útero;
  • Gravidez de gêmeos ou mais bebês;
  • Bebê encontra-se na posição sentada ou não virou de cabeça para baixo;
  • Herpes genital ativa na mulher;
  • Placenta prévia completa ou parcial. Entenda o que é a placenta prévia;
  • Vasa prévia, que consiste na proximidade dos vasos sanguíneos do cordão umbilical ao orifício interno do colo uterino;
  • Batimentos cardíacos do bebê diminuídos;
  • Bebê é muito grande, pesando mais de 4,200kg;
  • Sorologia positiva para o HIV na mulher.

No entanto, a decisão de indução do parto deve ser sempre discutida com o médico, levando em consideração vários fatores que avaliam o risco e o benefício da indução.

Possíveis complicações

Algumas complicações podem ocorrer durante a indução do parto como falha no processo de indução, podendo ser necessária uma cesárea, aumento do risco de infecções quando utilizada a técnica de ruptura da bolsa amniótica, ou diminuição dos batimentos cardíacos do bebê devido ao uso dos remédios para induzir o parto, que podem causar contrações excessivas, e como consequência diminuir a quantidade de oxigênio para o bebê.

Embora seja raro, a indução do parto também pode causar ruptura uterina, que consiste no útero se romper na cicatriz de uma cesárea anterior ou de uma cirurgia uterina, mas também pode ocorrer em mulheres que nunca tiveram cirurgia no útero anteriormente.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em outubro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • DE SOUZA, Guilherme Negrão; et al. Métodos de indução do trabalho de parto. Femina. 41. 1; 47-54, 2013
  • BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS. DEPARTAMENTO DE GESTÃO E INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] . 2017. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf>. Acesso em 07 out 2021
Mostrar bibliografia completa
  • LEVINE, L. D.; et al. Mechanical and Pharmacologic Methods of Labor Induction: A Randomized Controlled Trial. Obstet Gynecol. 128. 6; 1357-1364, 2016
  • OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Recomendações para o aumento do trabalho de parto. 2015. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/174001/WHO_RHR_15.05_por.pdf?sequence=5>. Acesso em 07 out 2021
  • SIMPSON, M. et al. Raspberry leaf in pregnancy: its safety and efficacy in labor. Journal of Midwifery & Women's Health. Vol.46. 51-59, 2001
  • MIDDLETON, P.; et al. Induction of labour at or beyond 37 weeks' gestation. Cochrane Database of Systematic Reviews. 7. CD004945, 2020
  • ANDERSEN, B. B.; et al. Acupuncture and/or sweeping of the fetal membranes before induction of labor: a prospective, randomized, controlled trial. J Perinat Med. 41. 5; 555-60, 2013
  • DE MORAES FILHO, O. B; CECATTI, J. G.; FEITOSA, F. E. L. Métodos para indução do parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 27. 8; 493-500, 2005
  • DEMIREL, G.; GULER, H. The Effect of Uterine and Nipple Stimulation on Induction With Oxytocin and the Labor Process. Worldviews Evid Based Nurs. 12. 5; 273-80, 2015
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.