Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Antiperoxidase Tireoidiana: o que é e o que significa quando está alta

A antiperoxidase tireoidiana (anti-TPO) é um anticorpo produzido pelo sistema imune e que ataca a glândula tireoide, resultando em alteração nos níveis de hormônios produzidos pela tireoide. Os valores de anti-TPO variam de laboratório para laboratório, sendo os valores aumentados normalmente indicativos de doenças autoimunes.

No entanto, a quantidade desse autoanticorpo tireoidiano pode aumentar em várias situações, por isso é importante que o diagnóstico seja feito levando em consideração o resultado de outros exames relacionados à tireoide, como outros autoanticorpos tireoidianos e dosagem de TSH, T3 e T4. Conheça os exames que são indicados para avaliar a tireoide.

Antiperoxidase Tireoidiana: o que é e o que significa quando está alta

Antiperoxidase Tireoidiana alta

Valores aumentados de antiperoxidase tireoidiana (anti-TPO) normalmente são indicativos de doenças autoimunes da tireoide, como Tireoidite de Hashimoto e Doença de Graves, por exemplo, no entanto pode estar aumentado em outras situações, como na gravidez e no hipotireoidismo. As principais causas de aumento da antiperoxidase tireoidiana são:

1. Tireoidite de Hashimoto

A tireoidite de Hashimoto é uma doença autoimune em que o sistema imunológico ataca a tireoide, desregulando a produção de hormônios tireoidianos e resultando em sintomas de hipotireoidismo, como cansaço excessivo, aumento de peso, dores musculares e enfraquecimento de cabelos e unhas.

A tireoidite de Hashimoto é uma das principais causas de aumento da antiperoxidase tireoidiana, no entanto é necessária a realização de mais exames para que seja concluído o diagnóstico. Entenda o que é a tireoidite de Hashimoto, sintomas e como tratar.

2. Doença de Graves

A doença de Graves é uma das principais situações em que a antiperoxidase tireoidiana está alta e acontece porque esse autoanticorpo atua diretamente na tireoide e estimula a produção de hormônios, resultando em sintomas característicos da doença, como dor de cabeça, olhos arregalados, perda de peso, suor, fraqueza muscular e inchaço na garganta, por exemplo.

É importante que a doença de Graves seja identificada e tratada corretamente para aliviar os sintomas, sendo o tratamento indicado pelo médico conforme a gravidade da doença, podendo ser recomendado o uso de remédios, terapia com iodo ou cirurgia da tireoide. Saiba mais sobre a doença de Graves e como é o tratamento.

3. Gravidez

Devido à alterações hormonais comuns na gravidez, é possível que também existam alterações relacionadas com a glândula tireoide, podendo ser identificada, inclusive, o aumento dos níveis de antiperoxidase tireoidiana no sangue.

Apesar disso, a gestante não necessariamente possui alterações na tireoide. Por isso, é importante que seja feita a dosagem de anti-TPO no início da gestação para que o médico possa acompanhar os níveis durante a gravidez e verificar o risco de desenvolvimento de tireoidite após o parto, por exemplo.

4. Hipotireoidismo subclínico

O hipotireoidismo subclínico é caracterizado pela diminuição da atividade da glândula tireoide que não gera sintoma e que só é percebida por meio de exames de sangue, em que é verificado níveis normais de T4 e aumento de TSH.

Apesar da dosagem de anti-TPO não ser normalmente indicada para diagnóstico de hipotireoidismo subclínico, o médico pode solicitar esse exame para avaliar a progressão do hipotireoidismo e verificar se a pessoa está respondendo bem ao tratamento. Isso é possível pelo fato desse anticorpo atuar diretamente na enzima que regula a produção dos hormônios tireoidianos. Dessa forma, ao realizar a dosagem da antiperoxidase tireoidiana no hipotireoidismo subclínico, é possível verificar se a diminuição da quantidade de anti-TPO acompanha a regularização dos níveis de TSH no sangue.

Saiba como reconhecer e tratar o hipotireoidismo.

5. Histórico familiar

Pessoas que possuem parentes com doenças autoimunes da tireoide podem apresentar valores alterados de anticorpo antiperoxidase tireoidiana, não sendo indicativo de que também possuem doença. Por isso, é importante que o valor do anti-TPO seja avaliado juntamente com os outros exames solicitados pelo médico.


Bibliografia

  • WILLIAMSON, Mary A.; SNYDER, Michael. Interpretação de exames laboratoriais. 9ª edição. Guanabara Koogan, 2013.
  • CARVALHO, Gisah A.; PEREZ, Camila L. S.; WARD, Laura S. Utilização dos testes de função tireoidiana na prática clínica. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol 57. 3 ed; 193-204, 2013
  • José Gilberto H. Vieira Teresa S. Kasamatsu Omar M. Hauache Rui M.B. Maciel VIEIRA, José Gilberto H.; KASAMATSU, Teresa S.; HAUACHE, Omar M.; MACIEL, Rui M. B. Anticorpos Anti-Tiróide: Aspectos Metodológicos e Importância Diagnóstica. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol 47. 5 ed; 612-621, 2003
Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem