Doença de Graves: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
fevereiro 2022

A doença de Graves é uma doença autoimune da tireoide caracterizada pela produção excessiva de hormônios por essa glândula, causando hipertireoidismo, que leva ao surgimento de sintomas como nervosismo, perda de peso mesmo com o apetite aumentado, olhos salientes ou palpitações cardíacas, por exemplo.

Esta doença é a principal causa de hipertireoidismo, e atinge mais mulheres do que homens, principalmente entre os 20 e os 50 anos, apesar de poder surgir em qualquer idade.

O tratamento da doença de Graves é feito pelo endocrinologista que pode indicar o uso de remédios, terapias com iodo radioativo ou com a cirurgia de tireoide, por exemplo, para controlar a doença, evitando complicações como insuficiência cardíaca congestiva ou osteoporose.

Principais sintomas

Os sintomas apresentados na doença de Graves dependem da gravidade e duração da doença, e da idade e sensibilidade do paciente ao excesso de hormônios, costumando surgir:

  • Hiperatividade, nervosismo e irritabilidade;
  • Excesso de calor e suor;
  • Palpitações cardíacas;
  • Perda de peso, mesmo com o apetite aumentado;
  • Diarreia;
  • Excesso de urina;
  • Menstruação irregular e perda da libido;
  • Tremor, com pele úmida e quente;
  • Bócio, que é o aumento da tireoide, provocando inchaço na parte inferior da garganta;
  • Fraqueza muscular;
  • Ginecomastia, que é o crescimento dos seios nos homens;
  • Alterações nos olhos, como olhos salientes, coceira, lacrimejo e visão dupla;
  • Lesões na pele tipo placas rosadas localizadas em regiões do corpo, também conhecidas como dermopatia de Graves ou mixedema pré-tibial.

Nos idosos, os sinais e sintomas podem ser mais sutis, podendo se manifestar com cansaço excessivo e perda de peso, o que pode confundir com outras doenças.

Apesar da doença de Graves ser a principal causa de hipertireoidismo, é importante estar atento porque o excesso de produção dos hormônios da tireoide podem ser causados por outros problemas, por isso veja como identificar os sintomas do hipertireoidismo e as principais causas.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da doença de Graves é feito através da avaliação dos sintomas apresentados, de exames de sangue para medir a quantidade de hormônios da tireoide, como TSH e T4, e de exames de imunologia, para ver se existem anticorpos no sangue contra a tireoide.

Além disso, o médico pode pedir exames como cintilografia da tireoide, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, inclusive para avaliar o funcionamento de outros órgãos, como olhos e coração. Veja como se preparar para a cintilografia da tireoide.

Possíveis causas

A doença de Graves é uma doença autoimune causada por em que o sistema imunológico reage contra as células da glândula tireóide, atacando estas células como se fossem estranhas ao organismo, alterando o seu funcionamento e fazendo com que a tireóide fique mais ativa, o que leva ao surgimento dos sintomas.

No entanto, ainda não se sabe exatamente porque isso acontece, mas alguns fatores parecem contribuir para seu desenvolvimento como:

  • Sexo e idade, sendo mais comum em mulheres acima dos 40 anos;
  • História familiar da doença de Graves;
  • Estresse físico e emocional;
  • Tabagismo;
  • Gravidez ou parto recente, em mulheres que têm genes que aumentam o risco para essa doença.

Além disso, o histórico de outras doenças autoimunes, como diabetes tipo 1 ou artrite reumatóide, por exemplo, também podem aumentar o risco de desenvolvimento da doença de Graves.

Como é feito o tratamento

O tratamento da doença de Graves é indicado pelo endocrinologista, orientado de acordo com o quadro clínico de cada pessoa. Ele pode ser feito de 3 maneiras:

  1. Uso de medicamentos antitireoidianos, como Metimazol ou Propiltiouracil, que irão diminuir a produção de hormônios da tireoide e de anticorpos que atacam essa glândula;
  2. Uso de iodo radioativo, que causa destruição das células da tireoide, o que acaba diminuindo a sua produção de hormônios;
  3. Cirurgia, que remove parte da tireoide para diminuir a sua produção de hormônios, sendo feita apenas em pacientes com a doença resistente ao tratamento com remédios, grávidas, suspeita de câncer e quando a tireoide está muito volumosa e apresenta sintomas como dificuldades para comer e falar, por exemplo.

Medicamentos que controlam os batimentos cardíacos, como propranolol ou atenolol podem ser úteis para controlar a as palpitações, tremores e taquicardia. 

Além disso, pacientes com sintomas graves nos olhos podem precisar usar colírios e pomadas para aliviar o desconforto e hidratar os olhos, sendo necessário também parar de fumar e usar óculos escuros com proteção lateral.

Veja como a alimentação pode ajudar no vídeo a seguir:

Não se costuma falar em cura da doença de Graves, mas pode ocorrer remissão espontânea da doença em algumas pessoas ou após alguns meses ou anos de tratamento, mas sempre há chances de a doença voltar.

Tratamento na Gravidez

Durante a gravidez, esta doença deve ser tratada com as doses mínimas de medicamentos e, se possível, interromper o uso de remédios no último trimestre, uma vez que os níveis de anticorpos tendem a melhorar no final da gestação.

No entanto, é preciso especial atenção à doença durante essa fase da vida porque, quando em altos níveis, os hormônios da tireoide e medicamentos conseguem atravessar a placenta e causar toxicidade para o feto.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em fevereiro de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em abril de 2020.

Bibliografia

  • POKHREL, B.; BHUSAL, K. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Graves Disease. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK448195/>. Acesso em 07 fev 2022
  • REGULA SUS / TELESSAUDERS UFRGS. Hipertireoidismo. 2016. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/protocolos_resumos/endocrino_resumo_hipertireoidismo_TSRS_20160324.pdf>. Acesso em 22 abr 2020
Mostrar bibliografia completa
  • HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFSC. PROTOCOLO DE HIPERTIREOIDISMO/TIREOTOXICOSE (NO ADULTO). 2015. Disponível em: <http://www.hu.ufsc.br/setores/endocrinologia/wp-content/uploads/sites/23/2015/01/PROTOCOLO-DE-HIPERTIREOIDISMO-NO-ADULTO-OK-06-de-agosto.pdf>. Acesso em 22 abr 2020
  • Luís André Caio Elvas. Doença de Graves – Etiopatogenia, Diagnóstico e Tratamento. Tese ao Mestrado Integrado em Medicina, 2010. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Disponível em: https://eg.uc.pt/bitstream/10316/79714/1/Tese%20final.pdf.
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.

Tuasaude no Youtube

  • Alimentação para Problemas na Tireoide

    04:47 | 830972 visualizações