Vitamina A: o que é, para que serve e alimentos ricos

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
fevereiro 2022
  1. Para que serve
  2. Alimentos
  3. Quantidade recomendada

A vitamina A, encontrada em alimentos de origem vegetal, como abóbora, tomate, agrião e espinafre, e de origem animal, como fígado, gema de ovo e óleo de peixe, é responsável por manter a saúde da visão e promover o crescimento e renovação das células do corpo.

Além disso, a vitamina A também possui ação antioxidante, combatendo os radicais livres, ajudando, assim, na prevenção de situações, como envelhecimento precoce, doenças cardiovasculares, gripes, alergias e resfriados, por exemplo.

A vitamina A também pode ser encontrada na forma de suplementos, que são comercializados em farmácias ou lojas de produtos naturais. No entanto, a suplementação da vitamina A só deve ser feita com a indicação de um médico, ou nutricionista, porque a ingestão excessiva dessa vitamina pode causar sintomas, como náuseas e vômitos.

Para que serve a vitamina A

A vitamina A é fundamental para o crescimento das células do corpo, além de possuir propriedades antioxidantes e imunomoduladoras. Por isso, os principais benefícios da vitamina A para a saúde são:

1. Manter a saúde da visão

A vitamina A mantém a saúde da visão, porque evita o surgimento de xeroftalmia, que é uma doença causada pela deficiência dessa vitamina e que pode provocar secura, pequenas manchas brancas nos olhos, dificuldade de enxergar em ambientes escuros e cegueira. Entenda melhor os sintomas da xeroftalmia.

Além disso, a vitamina A, na forma dos carotenoides luteína e zeaxantina, estão presentes em grandes quantidades nos olhos e ajudam a combater os radicais livres e proteger a retina, prevenindo a degeneração macular e catarata associados à idade.

2. Fortalecer o sistema imunológico

Por possuir propriedades imunomoduladoras, a vitamina A participa do crescimento, renovação e fortalecimento das células de defesa do organismo, ajudando a combater vírus, bactérias e fungos, e evitando, assim, o surgimento de situações, como gripes, alergia, resfriado e candidíase.

3. Manter a saúde da mãe e do bebê

A ingestão de quantidades adequadas de vitamina A ajuda a manter a saúde da mãe e do bebê, porque essa vitamina é fundamental para a formação e funções da placenta, para o crescimento e desenvolvimento do bebê, além de promover a boa recuperação da mulher após o parto.

4. Prevenir o envelhecimento precoce

A vitamina A ajuda a prevenir o envelhecimento precoce, porque possui potente ação antioxidante, ajudando a neutralizar o excesso de radicais livres no organismo, que são um dos responsáveis pela formação de rugas e flacidez na pele. Veja mais alimentos que também ajudam a prevenir o envelhecimento precoce.

5. Ajudar no tratamento do sarampo

Por possuir propriedades anti-inflamatórias, a suplementação de vitamina A é indicada para o tratamento do sarampo, diminuindo a duração dos sintomas da doença, como febre, pneumonia e diarreia, especialmente em crianças que têm deficiência desta vitamina. Conheça outros sintomas e veja como é o tratamento do sarampo.

6. Promover o emagrecimento

A vitamina A promove o emagrecimento, porque inibe a formação de células de gordura no corpo, além de ajudar a aumentar o tecido adiposo marrom, um tipo de gordura que acelera o metabolismo, estimulando a quebra de gordura corporal e a perda de peso.

7. Prevenir doenças cardiovasculares

Por possuir ação antioxidante e anti-inflamatória, a vitamina A ajuda a aumentar os níveis de óxido nítrico no organismo, uma substância que promove o relaxamento dos vasos sanguíneos, melhorando a circulação de sangue e ajudando a controlar a pressão arterial.

Além disso, essa vitamina também neutraliza o excesso de radicais livres no organismo, impedindo a oxidação das células de gordura e controlando os níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue, evitando doenças, como infarto, derrame e aterosclerose.

Alimentos ricos em vitamina A

Os alimentos ricos em vitamina A são principalmente o fígado, leite, ovos, e os óleos de peixes.

Os vegetais e frutas de cor laranja e amarela, como cenoura, pimentão vermelho, manga e mamão, e os de cor verde-escura, como espinafre, couve e brócolis, também são boas fontes dessa vitamina porque contêm carotenoides, compostos que se transformam em vitamina A no organismo.

Quantidade recomendada de vitamina A

A quantidade recomendada por dia de vitamina A varia de acordo com o sexo e idade, como explicado a seguir:

Idade / fase da vida

Quantidade recomendada por dia (mcg)

De 0 a 6 meses

400 mcg

De 6 a 12 meses

500 mcg

De 1 a 3 anos

300 mcg

De 4 a 8 anos

400 mcg

De 9 a 13 anos

600 mcg

Homens de 14 em diante

900 mcg

Mulheres de 14 anos em diante

700 mcg

Mulheres grávidas até os 18 anos

750 mcg

Mulheres grávidas de 19 a 50 anos

770 mcg  

Além disso, mulheres de até 18 anos que amamentam, precisam consumir 1200 mcg de vitamina A por dia. Já para as mulheres de 19 a 50 anos, a recomendação de vitamina A é de 1300 mcg por dia.

Excesso de vitamina A

O consumo excessivo de vitamina A, na forma de suplementos, pode causar sintomas e sinais, como dor de cabeça, cansaço, visão embaçada, náuseas e vômitos, coceira, descamação da pele, podendo também levar ao coma e óbito.

O excesso de vitamina A também pode diminuir os benefícios da vitamina D, que pode levar ao aumento do risco de perda de massa óssea, quedas e fraturas.

Além disso, o excesso dessa vitamina também pode levar a defeitos na formação dos olhos, crânio, pulmões e coração do bebê. Por isso, o uso de suplementos de vitamina A só deve ser feito sob a orientação de um médico, ou nutricionista.

Deficiência de vitamina A

A baixa ingestão de alimentos fonte é a principal causa da deficiência de vitamina A no organismo, que pode causar sinais e sintomas, como xeroftalmia, pele ou cabelo seco, cansaço, infertilidade, atraso no crescimento e desenvolvimento de crianças. Conheça todos os sinais e sintomas da deficiência de vitamina A.

Como a vitamina A precisa da gordura dos alimentos para ser absorvida, pessoas com má absorção de gorduras, como nos casos de quem passou por cirurgia bariátrica, ou com doença inflamatória intestinal, doença celíaca ou doença de Crohn, também podem apresentar deficiência dessa vitamina.

A deficiência de vitamina A durante a gestação também pode causar defeitos na formação do cérebro, do olho, do ouvido, do coração do bebê e, em casos mais graves, o óbito.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Karla S. Leal - Nutricionista, em fevereiro de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em fevereiro de 2022.

Bibliografia

  • NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH. Fact Sheet for Health Professionals: vitamin A.
  • HARVARD SCHOOL OF PUBLIC HEALTH. The nutrition sorce: Vitamin A. Disponível em: <https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/vitamin-a/>. Acesso em 22 fev 2022
Mostrar bibliografia completa
  • GAMMONE, Maria Alessandra; RICCIONI, Graziano; DÓRAZIO, Nicolantonio. Carotenoids: potential allies of cardiovascular health?. Food and Nutrition Research. Vol.59. 1-15, 2015
  • INTERNATIONAL LIFE SCIENCES INSTITUTE DO BRASIL. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes: vitamina A. 2017. Disponível em: <https://ilsibrasil.org/wp-content/uploads/sites/9/2017/07/Fasc%C3%ADculo-VITAMINA-A.pdf>. Acesso em 22 fev 2022
  • YAO, Nan et al. The association between carotenoids and subjects with overweight or obesity: a systematic review and meta-analysis†. Food and Function. Vol.12. 4768–4782, 2021
  • NATIONAL INSTITUTE OF HEALTH - OFFICE OF DIETARY SYPLEMENTS. Nutrient Recommendations: Dietary Reference Intakes (DRI). 2011. Disponível em: <https://ods.od.nih.gov/HealthInformation/Dietary_Reference_Intakes.aspx>. Acesso em 22 fev 2022
  • MELENOTTE, Clea; BROUQUI, Philippe; BOTELHO-NEVERS, Elisabeth. Severe Measles, Vitamin A Deficiency, and the Roma Community in Europe. Emerging Infectious Diseases. Vol.18. 9.ed; 1537–1539, 2012
  • COZZOLINO Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 4º. Brasil: Manole Ltda, 2012. 297-332.
  • PLATAFORMA PORTUGUESA DE INFORMAÇÃO ALIMENTAR. Composição de Alimentos. Disponível em: <http://portfir.insa.pt/foodcomp/search>. Acesso em 21 mar 2019
  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 57-62.
  • UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP . Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. 2011. Disponível em: <http://www.nepa.unicamp.br/taco/contar/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf?arquivo=taco_4_versao_ampliada_e_revisada.pdf>. Acesso em 21 mar 2019
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.

Tuasaude no Youtube

  • Segredos para uma pele bonita e saudável | Tatiana Zanin

    07:21 | 56827 visualizações
  • Como ter uma PELE PERFEITA | com @Bruna Vieira

    14:28 | 65947 visualizações