Tirosina: para que serve, funções e lista de alimentos

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
março 2022
  1. Para que serve
  2. Funções
  3. Lista de alimentos
  4. Suplemento de tirosina

A tirosina é um aminoácido aromático não essencial, ou seja, que é produzido pelo organismo a partir de outro aminoácido, a fenilalanina. Além disso, também pode ser obtido a partir do consumo de alguns alimentos, como queijos, peixes, abacate e nozes, por exemplo, e na forma de suplemento nutricional, como L-tirosina.

Esse aminoácido é precursor de neurotransmissores como a dopamina, estando associada a efeitos antidepressivos, e também está presente no processo de síntese de melanina, que é uma substância que dá cor à pele, olhos e cabelo.

Além disso, a tirosina contribui para o funcionamento da glândula tireoide pois participa da produção dos hormônios tiroxina (T4) e triiodotironina (T3), que são responsáveis por regular o metabolismo.

Para que serve

A tirosina pode servir para diversas situações, garantindo benefícios para a saúde, sendo os principais:

  • Melhora a depressão leve e moderada e o humor;
  • Melhora da memória em situações de estresse, melhorando a capacidade de realizar tarefas sob pressão. No entanto, alguns estudos sugerem que esse efeito não acontece em pessoas mais velhas;
  • Aumento da quantidade de células brancas e vermelhas do sangue;
  • Ajuda no tratamento de algumas doenças, como o Parkinson;
  • Melhora o rendimento na atividade física;
  • Diminui a intensidade da resposta do organismo frente a uma doença ou a uma situação de estresse, convertendo-se a um aminoácido essencial, já que nesses casos suas necessidades são aumentadas.

Dessa forma, a suplementação de tirosina poderia ajudar as pessoas que possuem fenilcetonúria, que é uma doença em que não é possível sintetizar a fenilalanina. Com isso, não é possível que exista formação de tirosina, já que esse aminoácido é formado a partir da fenilalanina, resultando na deficiência de tirosina no organismo. No entanto, os estudos que relacionam o uso de suplemento de tirosina em pessoas com fenilcetonúria ainda não são conclusivos.

Principais funções

A tirosina é um aminoácido responsável por diversas funções no organismo e que quando chega no cérebro torna-se precursora de alguns neurotransmissores, como dopamina, noradrenalina e adrenalina, podendo ser considerada, portanto, parte essencial do sistema nervoso.

Além disso, a tirosina também atua na formação dos hormônio tireoidianos, catecolestrogênios e melanina. Também é importante para a formação de diversas proteínas no organismo, incluindo as encefalinas, que são consideradas analgésicas naturais do corpo, já que estão envolvidas com a regulação da dor.

Lista de alimentos ricos em tirosina

A tabela a seguir indica os principais alimentos ricos em tirosina e a quantidade desse aminoácido por porção:

  Alimentos

Quantidade de tirosina por porção de alimento

Carne de vaca (1 filé médio)

2240 mg

Peito de frango  (1 filé médio)

2100 mg

Salmão (1 filé médio)

1880 mg

Atúm (1 filé médio)

1502 mg

Tofu (100 gr)

701 mg

Brotos de soja (100 gramas)

478 mg

Aveia (½ xícara)

447 mg

Lentilha cozida (1 xícara)

477 mg

Feijão cozido (1 xícara)

473 mg

Leite (1 copo)

388 mg

Sementes de cânhamo (3 colheres de sopa)

378 mg 

Cevada (½ xícara)

329 mg

Sementes de abóbora (3 colheres de sopa) 

309 mg

Ovo (1 unidade) 

249 mg

Ricota (2 colheres de sopa)

169 mg

Pistache (46 unidades)

151 mg

Castanha de caju (20 unidades)

133 mg

Amêndoa (20 unidades) 

128 mg

Além desses, outros alimentos em que pode ser encontrada a tirosina são cogumelos, feijão verde, batata, berinjela, beterraba, rabanete, quiabo, nabo, chicória, aspargo, brócolis, pepino, salsa, cebola roxa, espinafre, tomate e repolho.

Como usar o suplemento de tirosina

Existem dois tipos de suplementos, uns com o aminoácido tirosina livre e outros que possuem N-acetil L-tirosina, popularmente conhecido como NALT. A diferença é que o NALT é mais solúvel em água, podendo ser metabolizado no organismo mais lentamente, enquanto que para receber o mesmo efeito é preciso que a tirosina livre seja consumida em doses mais altas.

Para melhorar o desempenho mental diante de uma situação de estresse ou devido a períodos de privação do sono, por exemplo, a recomendação é de 100 a 200 mg/kg por dia. Apesar dos estudos não serem conclusivos quanto à ingestão desse aminoácido antes da realização de atividades físicas para melhorar o desempenho, recomenda-se o consumo entre 500 e 2000 mg 1 hora antes da atividade.

De qualquer forma, o ideal é consultar um médico ou nutricionista antes de fazer o uso do suplemento de tirosina.

Contraindicações da suplementação

O uso do suplemento é contraindicado durante a gravidez e o período de amamentação, uma vez que não há muitas informações a respeito. Também deve ser evitado por pessoas com hipertireoidismo ou com doença de Graves.

Além disso, a tirosina pode interagir com medicamentos como a Levodopa, com medicamentos para tratar problemas da tireoide e com antidepressivos e inibidores da monoamina oxidase, já que pode causar aumento da pressão arterial.

As pessoas com problemas hepáticos ou renais devem usar o suplemento de tirosina apenas sob orientação médica.

Efeitos colaterais

Os efeitos secundários mais comuns do uso de suplemento de tirosina são dor de cabeça, náuseas, acidez, dor nas articulações e sensação de cansaço.

Além disso, a tirosina pode causar aumento da pressão arterial e, caso consumido em grandes quantidades, pode ter efeito laxante.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em março de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em março de 2022.

Bibliografia

  • BLOEMENDAAL Mirjam; FRÕBOSE Monja Isabel et al. Neuro-Cognitive Effects of Acute Tyrosine Administration on Reactive and Proactive Response Inhibition in Healthy Older Adults. eNeuro. 5. 2; 2018
  • JONGKEES Bryant, HOMMEL Bernhard et al. Effect of tyrosine supplementation on clinical and healthy populations under stress or cognitive demandsdA review. Journal of Psychiatric Research. 70. 50-57, 2015
Mostrar bibliografia completa
  • DiFrancisco‐Donoghue Joanne, RABIN Ely et al. Effects of Tyrosine on Parkinson's Disease: A Randomized, Double‐Blind, Placebo‐Controlled Trial. Movement Disorder Clinical Practice. 1. 4; 348-353, 2014
  • COLZATO Lorenza, JONGKEES Bryant et al. Working Memory Reloaded: Tyrosine Repletes Updating in the N-Back Task. Frontiers in Behavioral Neuroscience. 7. 200, 2013
  • U.S. NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE. Tyrosine. Disponível em: <https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/Tyrosine#section=Metabolite-Description>. Acesso em 28 ago 2019
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.