28 alimentos ricos em Iodo

Os alimentos mais ricos em iodo são os de origem marinha como a cavala ou o mexilhão, por exemplo. No entanto, existem outros alimentos que também são ricos em iodo, como o sal iodado, leite e ovos.

O iodo é um mineral importante para a produção de hormônios da tireoide, que são importantes para o crescimento e desenvolvimento, assim como para o controle de alguns processos metabólicos do organismos.

A deficiência de iodo pode causar uma doença conhecida como bócio, assim como uma deficiência hormonal, que nos casos mais graves pode causar o retardo mental grave e irreversível na criança. Por esse motivo, é essencial incluir o iodo na alimentação.

28 alimentos ricos em Iodo

Lista de alimentos ricos em iodo

A tabela a seguir indica a quantidade de iodo por cada 100 g de alimentos de origem animal:

Alimentos de origem animal

Iodo por porção de 100 g

Cavala grelhada

170 mcg

Mexilhão

66,5 mcg

Bacalhau cozido

186 mcg

Tilápia assada

4,6 mcg

Salmão assado

116,5 mcg

Leite integral

34,3 mcg

Berbigão

53,3 mcg

Pescada grelhada

66,7 mcg

Sardinha em molho de tomate

42,7 mcg

Camarão grelhado

41,3 mcg

Arenque grelhado

23 mcg

Cerveja

30 mcg

Ovo cozido

51,4 mcg

Truta assada

1,3 mcg

Fígado bovino grelhado

22 mcg

Queijo tipo ricota

66 mcg

Queijo muçarela

52,6 mcg

Queijo parmesão

78,3 mcg

Atum assado

23 mcg

Linguado grelhado

30 mcg

A tabela a seguir indica a quantidade de iodo por cada 100 g de alimentos de origem vegetal:

Alimentos de origem vegetal

Iodo por porção de 100 g

Alga nori desidratada

2320 mcg

Couve flor cozida

60,4 mcg

Espinafre cru

6 mcg

Alface

21,3 mcg

Ameixa seca

13 mcg

Uva passa

2,3 mcg

Banana prata

0,3 mcg

Sal iodado

284 mcg

Alguns alimentos como cenoura, couve-flor, milho, mandioca e broto de bambu diminuem a absorção do iodo pelo organismo, por isso, se tiver bócio ou possuir baixa ingestão de iodo, estes alimentos devem ser evitados.

Função do iodo

A principal função do iodo é promover a formação dos hormônios tireoidianos. O iodo também é importante na gravidez, auxiliando no crescimento e desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso do bebê, desde a 15ª semana de gestação até os 3 anos de idade.

O iodo também é responsável por regular vários processos metabólicos, como a produção de energia e a eliminação de gordura acumulada no sangue. Dessa forma, acredita-se que o iodo tenha uma ação antioxidante no organismo, no entanto ainda são necessários mais estudos para confirmar essa relação. Conheça mais sobre as funções do iodo.

Deficiência de iodo

A deficiência de iodo pode causar bócio, uma doença em que a glândula tireoide é forçada a trabalhar mais para absorver iodo e produzir os hormônios e isso causa o aumento do tamanho da glândula. O bócio pode causar dificuldade em engolir, aparecimento de nódulos no pescoço, tosse, rouquidão, falta de ar e desconforto no pescoço. Conheça mais o que é e como evitar o bócio.

Além disso, a falta de iodo também pode causar transtornos no funcionamento da tireoide, podendo resultar no hipertireoidismo ou hipotireoidismo, atrapalhando a produção de hormônios importantes para o organismo.

No caso das crianças, a deficiência de iodo pode causar bócio, dificuldades cognitivas, hipotireoidismo ou retardo mental grave e irreversível, uma vez que o desenvolvimento neurológico e cerebral pode ser gravemente afetado.

Iodo em excesso

O consumo excessivo de iodo também é prejudicial, podendo causar diarreia, dor de cabeça, dor abdominal, náusea, vômito,aumento dos batimentos do coração, lábios e pontas dos dedos azuladas. Em pessoas mais sensíveis, esse excesso pode causar inchaço nos lábios, febre, dor nas articulações, coceira, hemorragias e morte.

Por isso, a ingestão máxima segura recomendada de iodo para crianças de 1 a 3 anos é de 200 mcg / dia; de 4 a 8 anos é de 300 mcg / dia; de 9 a 13 anos é de 600 mcg / dia; e de 14 a 18 anos é de 900 mcg / dia. Já para adultos, a recomendação de ingestão máxima do mineral é de 110 mcg por dia.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Equipe Tua Saúde - em Setembro de 2021. Revisão clínica por Tatiana Zanin, Nutricionista - em Setembro de 2021.

Bibliografia

  • NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH. Iodine. Disponível em: <https://ods.od.nih.gov/factsheets/Iodine-HealthProfessional/#h3>. Acesso em 11 Ago 2020
  • COZZOLINO Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 4º. Brasil: Manole Ltda, 2012. 767-791.
  • NATIONAL INSTITUTE OF HEALTH - OFFICE OF DIETARY SYPLEMENTS. Nutrient Recommendations: Dietary Reference Intakes (DRI). 2019. Disponível em: <https://ods.od.nih.gov/HealthInformation/Dietary_Reference_Intakes.aspx>. Acesso em 26 Ago 2021
  • USDA, FDA AND ODS-NIH . Database for the Iodine Content of Common Foods Release. 2020. Disponível em: <https://www.ars.usda.gov/northeast-area/beltsville-md-bhnrc/beltsville-human-nutrition-research-center/methods-and-application-of-food-composition-laboratory/mafcl-site-pages/iodine/>. Acesso em 26 Ago 2021
Mais sobre este assunto: