Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

28 alimentos ricos em Iodo

Os alimentos mais ricos em iodo são os de origem marinha como a cavala ou o mexilhão, por exemplo. No entanto, existem outros alimentos que são ricos em iodo, como o sal iodado, leite e ovos. É importante também saber que o teor de iodo nos vegetais e nas frutas é muito baixo.

O iodo é importante para a produção de hormônios tireoidianos, os quais são importantes a nível de crescimento e desenvolvimento, assim como o controle de alguns processos metabólicos do organismos. A deficiência de iodo pode causar uma doença conhecida como bócio, assim como uma deficiência hormonal, que nos casos mais graves pode causar cretinismo na criança. Por esse motivo, é essencial incluir o iodo na alimentação.

28 alimentos ricos em Iodo

Função do iodo

A função do iodo é regular a produção de hormônios pela glândula tireoide. O iodo serve para manter equilibrado os processos metabólicos do crescimento e desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso, desde a 15ª semana de gestação até os 3 anos de idade.

Além disso, o iodo é responsável por regular vários processos metabólicos, como a produção de energia e consumo de gordura acumulada no sangue. Dessa forma, acredita-se que o iodo possa ter uma ação antioxidante no organismo, no entanto são necessários mais estudos para confirmar essa relação.

Lista de alimentos ricos em iodo

A tabela a seguir indica alguns alimentos ricos em iodo, sendo os principais:

Alimentos de origem animalPeso (g)Iodo por porção
Cavala150255 µg
Mexilhão150180 µg
Bacalhau150165 µg
Salmão150107 µg
Merluza150100 µg
Leite56086 µg
Berbigão5080 µg
Pescada7575 µg
Sardinha em molho de tomate10064 µg
Camarão15062 µg
Arenque15048 µg
Cerveja56045 µg
Ovo7037 µg
Truta1502 µg
Figado15022 µg
Bacon15018 µg
Queijo4018 µg
Atum15021 µg
Rim15042 µg
Linguado10030 µg
Alimentos de origem vegetalPeso o medida (g)Iodo por porção
Wakame1004200 µg
Kombu1 g o 1 folha2984 µg
Nori1 g o 1 folha30 µg
Fava cozida (Phaseolus lunatus)1 xícara16 µg
Ameixa seca5 unidades13 µg
Banana150 g3 µg
Sal iodado5 g284 µg

Alguns alimentos como cenoura, couve-flor, milho, mandioca e broto de bambu diminuem a absorção do iodo pelo organismo, por isso, em caso de bócio ou baixa ingestão de iodo, estes alimentos devem ser evitados.

Além disso, há também alguns suplementos nutricionais como a espirulina que podem influenciar a glândula tireoide, de modo que caso a pessoa possua doença relacionada à tireoide é recomendado que busque orientação médica ou de um nutricionista antes de tomar qualquer tipo de suplemento.

Recomendação diária de iodo

Na tabela a seguir é indicada a recomendação diária de iodo nas diferentes fases da vida:

IdadeRecomendação
Até 1 ano90 µg/dia ou 15 µg/kg/dia
De 1 a 6 anos90 µg/dia ou 6 µg/kg/dia
De 7 a 12 anos120 µg/dia ou 4 µg/kg/dia
Dos 13 a 18 anos150 µg/dia ou 2 µg/kg/dia
Acima de 19 anos100 a 150 µg/dia ou 0,8 a 1,22 µg/kg/dia
Gestantes200 a 250 µg/dia

Deficiência de iodo

A deficiência de iodo no corpo pode causar bócio, em que há o aumento do tamanho da tireoide, já que a glândula é forçada a trabalhar mais para capturar iodo e sintetizar hormônios da tireoide. Essa situação pode causar dificuldade em engolir, aparecimento de nódulos no pescoço, falta de ar e desconforto.

Além disso, a fata de iodo também pode causar transtornos no funcionamento da tireoide, podendo resultar no hipertireoidismo ou hipotireoidismo, condições em que se vê alterada a produção hormonal.

No caso cas crianças, a deficiência de iodo pode causar bócio, dificuldades cognitivas, hipotireoidismo ou cretinismo, uma vez que o desenvolvimento neurológico e cerebral pode ser gravemente afetado.

Iodo em excesso

O consumo excessivo de iodo pode causar diarreia, dor abdominal, náusea, vômito, taquicardia, lábios e pontas dos dedos azuladas.

Bibliografia >

  • NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH. Iodine. Disponível em: <https://ods.od.nih.gov/factsheets/Iodine-HealthProfessional/#h3>. Acesso em 11 Ago 2020
  • COZZOLINO Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 4º. Brasil: Manole Ltda, 2012. 767-791.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem