Alergia emocional: o que é, sintomas, causas e tratamento

junho 2022
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Tratamento

A alergia emocional acontece quando o sistema imune reage perante emoções como estresse e ansiedade, levando a alterações em diferentes órgãos do corpo, principalmente na pele. Por esse motivo, os sintomas de alergia emocional são mais visíveis na pele, através de coceira e vermelhidão.

As causas da alergia emocional não estão bem definidas, mas parece acontecer porque o estresse e a ansiedade aumentam a produção de catecolaminas, substâncias que, por sua vez, levam a um aumento da liberação de cortisol, causando uma reação inflamatória no corpo.

O tratamento para este tipo de alergia é muito parecido com o tratamento para outros tipos de alergias e baseia-se no uso de medicamentos anti-alérgicos. Porém, se os sintomas durarem mais de 15 dias ou se piorarem pode ser recomendado fazer terapia com um psicólogo e consultar um dermatologista, que poderá receitar outros remédios como corticoides e medicamentos para diminuir a ansiedade. Confira alguns remédios usados para aliviar a ansiedade.

Principais sintomas

Os sintomas mais comuns em casos de alergia emocional são:

  • Coceira;
  • Vermelhidão na pele;
  • Manchas vermelhas em alto relevo, conhecidas como urticárias;
  • Falta de ar;
  • Insônia.

As manifestações da pele são as mais comuns, pois a pele possui terminações nervosas que estão diretamente ligadas ao sentimento de estresse e ansiedade. Pessoas que têm outros tipos de doenças como asma, rinite, dermatite atópica e psoríase também podem apresentar piora dos sintomas ou das lesões de pele por causa do sofrimento emocional. Saiba mais como identificar a psoríase.

É importante lembrar que os sintomas causados pela alergia emocional variam de uma pessoa para outra, dependendo da idade, da intensidade das emoções, da maneira como cada pessoa se comporta nas dificuldades e da predisposição genética.

Possíveis causas

As causas de alergia emocional ainda não estão bem definidas, porém sabe-se que os sentimentos de estresse e ansiedade provocam alterações no corpo, levando a liberação de substâncias, chamadas de catecolaminas, responsáveis pela reação inflamatória na pele.

O estresse e a ansiedade fazem com que ocorra uma reação das células de defesa do corpo levando a uma hipersensibilidade do sistema imunológico, que pode ser notado por alterações na pele e piora dos sintomas de outras doenças autoimunes.

A liberação do hormônio cortisol, produzido em momentos de estresse, também pode repercutir na pele, através do processo inflamatório que ele provoca a longo prazo. Muitas vezes, a predisposição genética também pode gerar sintomas de alergia emocional.

Como é feito o tratamento

O tratamento para alergia emocional deve ser recomendado por um alergologista ou dermatologista e, geralmente, consiste no uso de medicamentos antialérgicos para aliviar a coceira e a vermelhidão da pele. No entanto, se as reações da alergia emocional durarem mais de duas semanas ou forem muito fortes o médico poderá recomendar a utilização de corticoides orais ou pomadas com corticoides.

Além disso, para auxiliar no tratamento e gerar melhores resultados pode ser recomendado o uso de remédios para diminuir a ansiedade e o estresse, assim como, sessões de psicoterapia. Veja mais o que é psicoterapia e como é feita.

Veja ainda algumas estratégias para controlar o estresse e a ansiedade:

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em junho de 2022.

Bibliografia

  • DAVE, Ninabahen D. et al. Stress and Allergic Diseases. Immunol Allergy Clin North Am. Vol.31, n.1. 55-68, 2011
  • PATTERSON, Amber M. et al. Perceived stress predicts allergy flares. Ann Allergy Asthma Immunol. Vol.112. 317-321, 2014
Mostrar bibliografia completa
  • LUDWIG, Martha W.B. et al. Localização da lesão e níveis de stress em pacientes dermatológicos. Estudos de Psicologia. Vol.25, n.3. 343-352, 2008
  • CALADO, Gisela; LOUREIRO, Graça et al. Stress e doença alérgica: Mecanismos subjacentes. Rev Port Imunoalergologia. Vol.20, n.1. 9-21, 2012
  • REIGOTA, Catarina P. Stress e doença alérgica. Dissertação de mestrado, 2016. FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • Alimentos para combater o estresse e a ansiedade

    02:05 | 474231 visualizações