Alergia a suor/calor: o que é, sintomas e tratamento

setembro 2022

A alergia ao calor ou ao suor acontece quando a temperatura corporal fica muito elevada, resultando no aparecimento de pequenas bolinhas ou placas vermelhas na pele que podem coçar e deixar o local mais inchado.

Embora não se conheça a causa exata para o aparecimento destes sintomas, é possível que aconteça devido a uma reação alérgica ao suor ou como uma resposta dos sistema nervoso ao estresse causado pelo aumento da temperatura corporal. Assim, essa situação pode acontecer nos dias mais quentes e abafados ou depois de treinar intensamente, por exemplo.

A alergia ao calor ou ao suor normalmente não precisa de tratamento com medicamentos, podendo ser aliviada com estratégias naturais, como tomar um banho frio ou passar cremes calmantes. Porém, é importante que o dermatologista seja consultado para que sejam dadas orientações de acordo com a frequência e gravidade dos sintomas.

Principais sintomas

Os principais sintomas de alergia ao calor ou ao suor são:

  • Pequenas bolinhas vermelhas, conhecidas como brotoejas, nas regiões expostas ao sol ou nas regiões que mais transpiram;
  • Coceira nas áreas mais afetadas;
  • Formação de crostas nos locais das bolinhas devido ao ato de coçar a pele;
  • Aparecimento de placas vermelhas na pele;
  • Inchaço da região que ficou mais exposta ao sol.

Os sintomas de alergia ao calor ou ao suor podem surgir em pessoas de qualquer idade, mas são mais frequentes nos bebês, crianças, idosos e pessoas acamadas, sendo as regiões mais afetadas o pescoço e as axilas.

Além desses sintomas, quando a pessoa fica muito tempo exposta ao sol ou em ambiente muito quente, podem surgir outros sintomas como náuseas, diarreia, dificuldade para respirar, vômitos e cansaço excessivo, por exemplo, sendo esses sintomas indicativos de insolação e que devem ser tratados de acordo com a orientação do médico. Saiba reconhecer os sintomas de insolação.

Como é feito o tratamento

O tratamento consiste em hidratar bem a pele com cremes contendo babosa ou calamina, que têm uma ação calmante, além de também ser recomendado tomar banhos frios, beber muita água, usar roupas leves, evitar a transpiração excessiva e manter o local onde se está devidamente arejado e fresco.

Em situações mais severas, estas medidas podem não ser suficientes para resolver o problema, e, por isso, deve-se consultar um médico para avaliar a necessidade de utilizar loções, cremes ou pomadas com corticoide, como a hidrocortisona ou a betametasona. As fórmulas com corticoides devem ser usadas em pequenas quantidades e aplicadas em camada fina durante um curto período de tempo, indicado pelo médico, para não danificar a pele.

No caso dos bebês, é recomendado limpar o pescoço do bebê com uma fralda macia e limpa, pois isso ajuda a diminuir a brotoeja e consequentemente a irritação. Passar talco pode ajudar a manter a pele seca, no entanto, se o bebê continuar transpirando, o talco pode não ser eficaz e o melhor é dar vários banhos por dia no bebê, utilizando somente água, para proteger a pele do bebê.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Aleksana Viana - Dermatologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • FUKUNAGA, Atsushi et al. Cholinergic urticaria: epidemiology, physiopathology, new categorization, and management. Clin Auton Res. Vol 28. 103-113, 2018
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Urticária. Disponível em: <https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/urticaria/73/>. Acesso em 20 set 2022
Mostrar bibliografia completa
  • ASSOCIAÇÃO BRASILIERA DE ALERGIA E IMUNOLOGIA. Alergia ao suor? É a urticária colinérgica. Disponível em: <https://asbai.org.br/alergia-ao-suor-e-a-urticaria-colinergica/>. Acesso em 20 set 2022
Revisão médica:
Drª. Aleksana Viana
Dermatologista
Especialista em Dermatologia pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, em 2007 com registro profissional no CRM/PE – 16907.