Agranulocitose: o que é, sintomas, causas e tratamento

novembro 2022

A agranulocitose, ou granulocitopenia, é uma alteração do sangue em que é identificada baixa quantidade ou ausência de granulócitos no sangue, que são também conhecidos por leucócitos granulosos, sendo eles os neutrófilos, basófilos e eosinófilos.

Os leucócitos granulócitos fazem parte da imunidade, sendo essenciais no combate a infecções. No entanto seus níveis podem estar diminuídos devido a infecções crônicas, uso de medicamentos, desnutrição ou exposição prolongada a medicamentos.

Para confirmar a agranulocitose, é indicado que seja feito um hemograma para verificar a quantidade dos leucócitos granulócitos, além de mielograma. O tratamento para agranulocitose deve ser feito de acordo com a causa, podendo ser recomendado pelo hematologista o uso de antimicrobianos, imunossupressores ou transfusão de glóbulos brancos.

Sintomas de agranulocitose

Os principais de sintomas de agranulocitose são:

  • Dor de garganta;
  • Febre e calafrios;
  • Cansaço excessivo;
  • Infecção do trato urinário;
  • Desenvolvimento de lesões ulcerosas na boca e/ou na faringe, causando dificuldade para engolir;
  • Inflamação da gengiva;
  • Alteração dos batimentos cardíacos;
  • Fraqueza muscular.

A agranulocitose não leva ao desenvolvimento de sintomas, no entanto devido aos baixos níveis de células granulocíticas, a pessoa fica mais suscetível ao desenvolvimento de infecções, o que provoca o aparecimento dos sintomas. Assim, na presença de sintomas de agranulocitose, é importante que o médico seja consultado para que seja identificada a causa e, assim, ser iniciado o tratamento mais adequado.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico inicial da agranulocitose é feito pelo hematologista levando em consideração os sintomas apresentados pela pessoa e o resultado do hemograma, em que é avaliado o nível dos leucócitos granulócitos, que nesse caso está abaixo de 500 células por mm3 de sangue, podendo em alguns casos ser 0 células por mm3 de sangue.

Além disso, o médico pode indicar a realização de exames para investigar a causa da agranulocitose e descartar outras alterações, podendo ser recomendada a realização do mielograma, que tem como objetivo avaliar o funcionamento da medula óssea. No caso da agranulocitose, é possível observar no mielograma células da linhagem mieloide normocelulares com promielócitos com maturação interrompida. Entenda como é feito o mielograma.

Principais causas

As principais causas de agranulocitose são:

  • Uso prolongado de alguns medicamentos, como aspirina, clozapina, metamizol, dipirona, penicilina, cloranfenicol, analgésicos e naproxeno, por exemplo;
  • Doenças autoimunes, como artrite reumatoide e lúpus;
  • Anemia aplástica;
  • Desnutrição;
  • AIDS;
  • Alterações genéticas;
  • Exposição prolongada a toxinas, como mercúrio.

Além disso, a agranulocitose pode ser devido a infecções com sintomas mais crônicos, como é o caso da tuberculose, malária ou febre maculosa, por exemplo.

Agranulocitose e dipirona

O uso de dipirona, mesmo em quantidades adequadas, pode levar à diminuição dos níveis de células granulocíticas, o que resulta em sintomas como lesões na garganta e sistema gastrointestinais, e aumenta o risco de infecções. No entanto, esse efeito da dipirona não é frequente, de forma que o uso desse medicamento é considerado seguro. Veja mais sobre a dipirona.

Como é feito o tratamento

O tratamento para agranulocitose deve ser recomendado pelo hematologista de acordo com os sintomas apresentados pela pessoa e causa da alteração. Assim, pode ser indicado pelo médico o uso de antimicrobianos, caso a agranulocitose seja causada por infecção, ou uso de medicamentos capazes de estimular o desenvolvimento dos glóbulos brancos.

Em alguns casos, o médico pode também recomendar a realização de transfusão de glóbulos brancos, na tentativa de regular os níveis dos granulócitos, ou o uso de medicamentos imunossupressores, quando a agranulocitose acontece devido a doenças autoimunes.

É importante que o tratamento seja feito assim que surgirem os primeiros sinais e sintomas e que seja seguido conforme a recomendação médica, pois dessa forma é possível prevenir complicações, como septicemia, necrose das lesões que podem ter sido formadas nas mucosas e problema nos rins, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • PIRES, F. D.; OLIVEIRA, V. B. Agranulocytosis related to the use of Dipyrone: a review. Visão Acadêmica. Vol 16. 2 ed; 187-199, 2015
  • ZAMBRANA, Jorge T.; ZAMBRANA, Fábio F. T.; NETO, Firmino R. S. et al. Agranulocytosis with tonsillitis associated with methimazole therapy. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. Vol 71. 3 ed; 374-377, 2005
Mostrar bibliografia completa
  • ANDRES, Emmanuel; AFFENBERGER, Stéphane; ALT, Martine. The etiology, epidemiology and management of idiosyncratic drug-induced agranulocytosis. Medical hypotheses and research. Vol 2. 3 ed; 515-524, 2005
  • FARIAS, Fernanda A. D. Alterações hematológicas associadas ao uso de medicamentos: uma revisão da literatura. Trabalho de Conclusão de Curso, 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Universidade Federal de Campina Grande.
  • ANDERSOHN, Frank; KONZEN, Christine; GARBE, Edeltraut. Systematic Review: Agranulocytosis Induced by Nonchemotherapy Drugs. Annals of Internal Medicine. Vol 146. 9 ed; 657-665, 2007
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.