Agorafobia: o que é, sintomas, tipos e tratamento

A agorafobia corresponde ao medo ou ansiedade excessiva frente a algumas situações, como estar em lugares abertos, em uma multidão ou ao frequentar um transporte público, por exemplo, devido ao receio de não conseguir escapar ou receber ajuda, levando ao aparecimento de sintomas como crise de pânico, diarreia ou desmaio, por exemplo.

Esse transtorno psicológico pode ser bastante limitante e ter impacto negativo na qualidade de vida da pessoa, pois como não consegue frequentar outros lugares ou relaxar quando se está em ambientes cheios, por exemplo, a interação com outras pessoas pode ser prejudicada, o que pode levar ao isolamento da pessoa.

O tratamento da agorafobia é feito por meio de sessões de terapia com um psicólogo ou psiquiatra e tem como objetivo ajudar a pessoa a enfrentar o medo e a ansiedade.

Agorafobia: o que é, sintomas, tipos e tratamento

Principais sintomas

Os principais sintomas da agorafobia são:

  • Medo ou ansiedade de estar em lugar público (transporte, ficar em uma fila, espaços abertos);
  • Medo de ter uma crise de ansiedade em locais públicos e não poder pedir ou receber ajuda;
  • Falta de ar;
  • Aumento dos batimentos cardíacos;
  • Tontura;
  • Suor excessivo;
  • Desmaio;
  • Náuseas.

A agorafobia pode estar associada a outros transtornos psicológicos, como depressão maior ou transtorno do estresse pós-traumático, podendo também haver o consumo de substâncias e álcool como consequência da agorafobia.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico é feito pelo psicólogo ou psiquiatra com base na realização de uma entrevista clínica, em que a pessoa indica a frequência, as situações em que os sintomas surgem e o impacto na qualidade de vida.

Diante da suspeita de outra doença que possa estar causando os sintomas, pode ser indicada a realização de avaliação clínica por outro médico, como o neurologista, por exemplo.

Como é feito o tratamento

O tratamento da agorafobia é feito através da psicoterapia, sendo a terapia cognitivo-comportamental a técnica mais utilizada para esse transtorno. Para isso, profissional avalia o que leva a pessoa a manifestar os sintomas, se são frequentes e o impacto que esses sintomas têm na vida da pessoa, ajudando a pessoa a enfrentar as situações que lhe causem ansiedade e fazendo com que se sinta mais segura e confiante.

Em alguns casos, é possível que seja indicado o uso de medicamentos, que devem ser indicados pelo psiquiatra, podendo ser recomendado o uso de antidepressivos, como a fluoxetina, ou ansiolíticos, como benzodiazepínicos, para diminuir os sintomas de ansiedade e ajudar no tratamento psicoterapêutico.

Além disso, pode ser recomendada a prática de atividades relaxantes, como yoga ou meditação, e o uso de remédios caseiros para diminuir a ansiedade, que devem ser orientados pelo psiquiatra para evitar a interação com outros medicamentos. Confira algumas opções de remédios caseiros para ansiedade.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • TORTELLA, Miquel. Los Trastornos de Ansiedad en el DSM-5. REVISTA IBEROAMERICANA DE PSICOSOMÁTICA. 110. 62-69, 2014
  • American Psychistric Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de transtornos mentais - DSM-5. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. 217- 221.
Mais sobre este assunto: