Acumuladores compulsivos: sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
dezembro 2021

Os acumuladores compulsivos são pessoas que possuem transtorno de acumulação e que apresentam uma grande dificuldade para se separar de seus pertences, independentemente do seu real valor. Por esse motivo, é comum que a casa e o local de trabalho, em alguns casos, tenham vários objetos acumulados, podendo dificultar a circulação no ambiente e o uso de várias superfícies.

As pessoas com o transtorno de acumulação podem ter noção de seu problema, no entanto, existem acumuladores que podem apresentar ideias delirantes, devendo ser diagnosticadas e tratadas por um psicólogo ou psiquiatra.

O acúmulo de objetos pode ter como consequência o desgaste das relações sociais e de trabalho e, por isso, é importante que essas pessoas recebam e aceitem o apoio de seus familiares e amigos, já que a própria pessoa muitas vezes não enxerga como um problema e, por isso, não busca tratamento, que deve ser feito sob orientação de um psicólogo.

Principais sintomas

De forma geral, os acumuladores compulsivos apresentam alguns dos seguintes sinais e sintomas:

  • Dificuldade para se desfazer dos objetos, independentemente do seu valor real;
  • Dificuldade para organizar seus pertences;
  • Acumular objetos em todos os locais da casa;
  • Ter medo excessivo de ficar sem um objeto;
  • Sentir que não podem jogar um objeto no lixo, pois poderão necessitar dele no futuro;
  • Procurar por novos objetos, mesmo quando já têm vários do mesmo.

Além disso, pessoas que são acumuladores compulsivos também se tornam mais isoladas, especialmente em casos mais severos, pois têm vergonha da sua própria situação e do aspecto de sua casa. Por este motivo, estas pessoas têm maiores chances de desenvolver outras doenças psiquiátricas, como a depressão, por exemplo.

Estes sintomas podem surgir ainda durante a infância, mas têm tendência a piorar com a idade adulta, quando a pessoa começa a comprar seus próprios pertences.

Qual a diferença entre um acumulador e um colecionador?

Muitas vezes o acumulador pode ser confundido com um colecionador, ou pode até utilizar a desculpa de fazer coleção, apenas que os outros não o vejam de forma estranha.

No entanto, uma forma fácil de distinguir ambas as situações é que, normalmente, o colecionador tem orgulho em mostrar e organizar a sua coleção, enquanto o acumulador pode adquirir objetos que não têm relação entre si e prefere manter em segredo, além de esconder os objetos que acumula, resultando em uma maior dificuldade para se organizar.

Possíveis causas

Não se conhece a causa exata que leva uma pessoa a fazer acumulação excessiva de objetos, no entanto, é possível que esteja relacionado com fatores genéticos, com o funcionamento cerebral ou com eventos estressantes da vida da pessoa.

Como é feito o tratamento

O tratamento para acumuladores compulsivos pode ser feito através da terapia comportamental, sendo que o psicólogo procura descobrir a causa da ansiedade que está causando o desejo de guardar as coisas. No entanto, este tratamento pode demorar vários anos para fazer efeito pois requer muita dedicação da pessoa.

Os remédios antidepressivos podem, também, ser utilizados para complementar o tratamento, ajudando o paciente a evitar o desejo de acumulação compulsiva, mas, nesse caso, devem ser indicados por um psiquiatra.

Normalmente os acumuladores compulsivos não procuram tratamento porque não percebem que a sua situação é uma doença, pelo que os familiares e amigos tomam um papel muito importante em ajudar a pessoa a se curar.

Possíveis complicações

Embora a acumulação possa parecer um transtorno pouco preocupante, a verdade é que pode ter vários riscos para a saúde, especialmente relacionados com alergias e infecções frequentes, já que o excesso de objetos torna mais difícil a tarefa de limpar a casa, facilitando o acúmulo de bactérias, fungos e vírus.

Além disso, dependendo do grau de acúmulo de objetos, também pode haver o risco de quedas acidentais ou até de soterramento, já que os objetos podem cair por cima da pessoa.

Já a nível psicológico, acumuladores compulsivos também têm maior tendência a ficar isolados e podem desenvolver quadros de depressão graves, especialmente quando reconhecem o problema mas não desejam, ou não podem, fazer o tratamento.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em dezembro de 2021. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em dezembro de 2021.

Bibliografia

  • Asociación Americana de Psiquiatría.. Manual Diagnóstico y Estadístico de los Trastornos Mentales DSM-5. 5 ed. Estados Unidos: 2014. 247- 251.
  • INTERNATIONAL OCD FOUNDATION. What is compulsive hoarding?. 2009. Disponível em: <http://www.hoardingtaskforcesaginaw.org/documents/Hoarding_Fact_Sheet.9891600.pdf>. Acesso em 30 abr 2019
Mostrar bibliografia completa
  • MAYO CLINIC. Hoarding disorder. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/hoarding-disorder/symptoms-causes/syc-20356056>. Acesso em 30 abr 2019
  • NHS. Hoarding disorder. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/hoarding-disorder/>. Acesso em 30 abr 2019
  • ADKISSON, Carol. The Mind of a Hoarder. Journal of Psychology and Brain Studies. Vol.2. 1-4, 2018
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.