Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Ácido Mandélico: para que serve e como usar

O ácido mandélico é um produto usado para combater rugas e linhas de expressão, sendo indicado para ser usado em forma de creme, óleo ou sérum, que deve ser aplicado diretamente no rosto.

Esse tipo de ácido é derivado das amêndoas amargas e é especialmente indicado para pessoas que tem pele sensível, já que é mais lentamente absorvido pela pele pelo fato de ser uma molécula de tamanho maior.

Ácido Mandélico: para que serve e como usar

Para que serve o Ácido Mandélico

O ácido mandélico possui ação hidratante, clareadora, antibacteriana e fungicida, sendo indicado para pele com tendência à acne ou com pequenas manchas escuras. Dessa forma, o ácido mandélico pode ser usado para:

  • Clarear manchas escuras da pele;
  • Hidratar profundamente a pele;
  • Combater cravos e espinhas, melhorando a uniformidade da pele;
  • Combater os sinais de envelhecimento, como rugas e linhas de expressão;
  • Renovar as células porque elimina as células mortas;
  • Auxiliar no tratamento de estrias.

O ácido mandélico é ideal para as peles secas e intolerantes ao ácido glicólico, mas pode ser usado em todos os tipos de pele por ser muito mais suave que os demais ácidos alfa hidroxiácidos (AHA). Além disso, esse ácido pode ser usado em pele clara, morena, mulata e negra, e antes ou depois do peeling ou cirurgia a laser.

Normalmente o ácido mandélico é encontrado em formulações entre 1 e 10%, e pode ser encontrado combinado com outras substâncias, como por exemplo ácido hialurônico, Aloe vera ou rosa de mosqueta. Para uso profissional pode ser comercializado ácido mandélico nas concentrações que variam entre 30 e 50%, que são usados para peeling profundo. 

Como usar 

Aconselha-se aplicar diariamente sobre a pele do rosto, pescoço e colo, à noite, mantendo distância dos olhos. Deve lavar o rosto, secar e esperar cerca de 20-30 minutos para aplicar o ácido na pele, para não causar irritação. Para começar a usar deve-se aplicar 2 a 3 vezes por semana no primeiro mês e a partir desse período pode ser usado diariamente.

Se houver sinais de irritação na pele, como coceira ou vermelhidão, ou olhos lacrimejantes, é aconselhado lavar o rosto e só aplicar novamente se estiver diluído em outro óleo ou num pouco de creme hidratante até que a pele seja capaz de o tolerar. 

Pela manhã deve-se lavar o rosto, secar e aplicar sempre um creme hidratante que tenha protetor solar incluído. Algumas marcas que comercializam o ácido mandélico em forma de creme, sérum, óleo ou gel, são Sesderma, The Ordinary, Adcos e Vichy.

Antes de aplicar o produto no rosto deve-se testá-lo no braço, na região próxima do cotovelo, colocando uma pequena quantidade e observando a região por 24 horas. Se surgirem sinais de irritação na pele como coceira ou vermelhidão, deve-se lavar a região com água morna e este produto não deve ser aplicado no rosto. 

Quando não usar 

Não é indicado usar produtos contendo ácido mandélico durante o dia e também não é indicado usar por tempo prolongado porque pode ter como efeito rebote o surgimento de manchas escuras no rosto. Também não é recomendado usar em caso de:

  • Gravidez ou amamentação;
  • Pele ferida;
  • Herpes ativa;
  • Após depilação com cera;
  • Sensibilidade ao teste do toque;
  • Uso de tretinoína;
  • Pele bronzeada;

Os produtos que contém ácido mandélico não devem ser usados ao mesmo tempo que outros ácidos, nem mesmo durante o tratamento com peeling químico, onde são usados outros ácidos em altas concentrações para descamar a pele, promovendo a regeneração total da pele. Durante este tipo de tratamento é mais indicado usar apenas cremes e loções hidratantes.


Bibliografia

  • CHEN, Xiomei; WANG, Sheng; YANG, Ming; Li Li. Chemical peels for acne vulgaris: a systematic review of randomised controlled trials. BMJ Open. Vol.8. n.4; 1-10, 2018
  • CAETANO, Tayna Mendes; OLIVEIRA, Silvia Patrícia. Tratamento de melasma com ácido mandélico em fototipos elevados. 2007. Universidade do Tuiuti - PR.
  • FRAGON. Ácido Mandélico: material técnico. Link: <br.fagron.com>. Acesso em 29 Mai 2019
  • SW, Jacobs; EJ, Culbertson. Effects of Topical Mandelic Acid Treatment on Facial Skin Viscoelasticity. Facial Plast Surg. Vol.34. 6.ed; 651-656, 2018
  • SARKAR R; GARG V; BANSAL S; SETHI S; GUPTA C. Comparative Evaluation of Efficacy and Tolerability of Glycolic Acid, Salicylic Mandelic Acid, and Phytic Acid Combination Peels in Melasma. Dermatol Surg. Vol.42. 3.ed; 384-91, 2016
Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem