Abdominoplastia: o que é, como é feita e possíveis complicações

outubro 2022

A abdominoplastia é uma cirurgia plástica realizada com o objetivo de remover o excesso de gordura e de pele do abdome, ajudando a diminuir a flacidez e deixando a barriga mais lisa e dura, também sendo possível também remover estrias e cicatrizes presentes no local.

Essa cirurgia pode ser feita tanto em mulheres quanto em homens e é principalmente indicada para quem perdeu muito peso ou para mulheres que, após a gravidez, ficaram com a região da barriga muito flácida.

Em alguns casos, principalmente em mulheres magras que apenas têm apenas alguma gordura localizada, o cirurgião pode recomendar fazer apenas a lipoaspiração ou uma mini abdominoplastia. Veja como é feita a mini abdominoplastia.

Tipos de abdominoplastia

Os principais tipos de abdominoplastia são:

  • Abdominoplastia completa: quando o corte é feito de uma ponta a outra do quadril;
  • Abdominoplastia parcial: é feito um corte menor;
  • Abdominoplastia estendida: é feita uma redução significativa da gordura do abdome e excesso de pele; 
  • Abdominoplastia com tensão alta nas áreas laterais: técnica que permite definir melhor a cintura;
  • Abdominoplastia flutuante: é semelhante à abdominoplastia parcial, no entanto, poupando a região do umbigo;
  • Abdominoplastia com lipoaspiração: é indicada apenas com a finalidade de melhorar a estética e quando a quantidade de gordura é pequena e localizada; 
  • Abdominoplastia circunferencial: é um tipo de abdominoplastia estendida que também envolve a região glútea.

A escolha de um tipo específico de abdominoplastia depende da avaliação médica, que leva em consideração as características de cada pessoa e o resultado desejado, por exemplo. Entenda como é feita a mini abdominoplastia.

Como é o preparo

Antes da realização da abdominoplastia, é importante que a pessoa passe por avaliação pré-operatória para que seja verificado o risco de complicações. Por isso, o médico cirurgião normalmente indica exames de sangue e a avaliação física e dos fatores de risco, como tabagismo, obesidade e idade avançada, por exemplo.

Antes da cirurgia, é importante que a pessoa não beba, fume ou tome medicamentos que possam aumentar o risco de sangramentos, como aspirina ou anti-inflamatórios.

Como é feita a abdominoplastia

A abdominoplastia demora entre 2 a 4 horas e é feita com anestesia peridural. Normalmente, o médico começa a cirurgia fazendo um corte entre a linha dos pelos pubianos e o umbigo para que o excesso de gordura, tecidos e pele possam ser removidos.

Dependendo da quantidade de gordura e pele que se deseja remover, o médico também pode realizar um corte ao redor do umbigo para remover o excesso de pele na parte superior do abdômen. Em seguida, o médico começa o fechamento dos cortes por meio do uso de sutura, adesivos de pele ou fitas.

Geralmente, a pessoa fica 2 a 4 dias internada após a cirurgia para prevenir complicações, como tromboembolismo e infecção, que podem ocorrer nos primeiros dias. É normal que na semana seguinte à abdominoplastia a pessoa sinta dor no local da cirurgia e a região fique escura e inchada. No entanto, estes sintomas tendem a melhorar na medida em que a cicatrização ocorre. 

Caso os sintomas não apresentem sinal de melhora após uma semana ou surjam outros como febre ou saída de pus pela ferida, é importante voltar ao cirurgião para uma avaliação.

Como é a recuperação

A recuperação da abdominoplastia demora em média 2 meses e requer alguns cuidados, principalmente com a postura, sendo fundamental não fazer esforços durante esse período e usar uma faixa abdominal. 

Além disso, é comum surgir dor no abdômen e hematomas, principalmente nas primeiras 48 horas, que diminuem com o passar das semanas. Para evitar acumular líquidos no abdômen, normalmente também são colocados drenos no local da cirurgia, que devem ser mantidos por alguns dias. Veja mais sobre a recuperação após a abdominoplastia. 

Possíveis riscos

Os principais riscos da abdominoplastia são:

  • Acúmulo de líquido; 
  • Hematomas; 
  • Necrose no local da ferida; 
  • Infecção da ferida da cirurgia; 
  • Abertura precoce dos pontos;
  • Assimetria ou mudança de posição da cicatriz.

Apesar de geralmente ser uma cirurgia segura, também podem ocorrer outras complicações como insuficiência respiratória ou tromboembolismo. Conheça outros riscos e complicações da abdominoplastia.

Dúvidas comuns

Algumas dúvidas comuns da abdominoplastia são:

1. É possível fazer a abdominoplastia pelo SUS?

Sim, é possível fazer a abdominoplastia pelo SUS, sendo necessário consultar um médico da Unidade Básica de Saúde para uma avaliação. Caso exista indicação, normalmente é feito o encaminhamento para um hospital público em que exista um serviço de cirurgia plástica que realize a abdominoplastia.

2. A abdominoplastia deixa cicatriz?

A cicatriz da abdominoplastia depende do tipo de cirurgia realizada. No entanto, geralmente os cortes são feitos de forma que a cicatriz possa ser escondida sob as roupas de banho.

3. É possível fazer abdominoplastia com lipoaspiração?

Sim, a lipoaspiração pode ser indicada durante a abdominoplastia e é útil na remoção do excesso de gordura na parte lateral do abdome e na parte superior das coxas, ajudando a definir os contornos do corpo. 

4. Após a abdominoplastia, quanto tempo demora para desinchar?

O inchaço geralmente diminui em uma ou duas semanas após a abdominoplastia, no entanto, o resultado definitivo da cirurgia pode demorar alguns meses para ser observado.

5. É comum a região pubiana ficar inchada após a abdominoplastia?

Após a abdominoplastia, é comum ocorrer um inchaço na região pubiana, geralmente nas proximidades de onde o corte foi feito. No entanto, o inchaço tende a melhorar na medida em que o corpo se recupera, diminuindo em cerca de uma ou duas semanas após a cirurgia. 

6. Como fica o umbigo após a abdominoplastia?

A abdominoplastia normalmente não afeta o formato ou posição do umbigo. No entanto, caso se deseje, também é possível alterar a aparência do umbigo durante a cirurgia, o que é chamado de onfaloplastia.  

7. Como é feita a abdominoplastia masculina?

A abdominoplastia masculina é feita de forma semelhante à abdominoplastia em mulheres, com a principal diferença sendo o local onde os cortes são feitos, que geralmente é um pouco mais abaixo do que em mulheres.

8. Como é a gravidez de quem fez abdominoplastia?

A cirurgia normalmente não prejudica uma futura gravidez, no entanto aumenta o risco de aparecimento de estrias. Para evitar isso, é recomendado que a mulher não engorde mais de 12 kg durante a gestação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em outubro de 2022. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em outubro de 2022.

Bibliografia

  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA. Cirurgia plástica pelo SUS: veja quais você pode fazer. Disponível em: <http://www2.cirurgiaplastica.org.br/2021/04/23/cirurgia-plastica-pelo-sus-veja-quais-voce-pode-fazer/>. Acesso em 27 out 2022
  • GUTOWSKI, Karol A. Evidence-Based Medicine: Abdominoplasty. Plast Reconstr Surg. Vol.141, n.2. 286-299, 2018
Mostrar bibliografia completa
  • STATPEARLS. Abdominoplasty. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK431058/>. Acesso em 27 out 2022
  • GEMPERLI, Rolf; MENDES, Rogério Rafael S. Complicações em abdominoplastia. Revista Brasileira de Cirurgia Plástica. Vol 34. 53-56, 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA. Abdômen - Abdominoplastia. Disponível em: <http://www2.cirurgiaplastica.org.br/cirurgias-e-procedimentos/contorno-corporal/abdomen/>. Acesso em 27 out 2022
  • ALENAZI, Shareefah M. et al. AN OVERVIEW OF ABDOMINOPLASTY SURGICAL APPROACH: A LITERATURE REVIEW. Pharmacophore. Vol.11, n.6. 48-51, 2020
  • AVELAR, Juarez M. New Concepts on Abdominoplasty and Further Applications. Springer, 2016. 471–479.
  • AMERICAN SOCIETY OF PLASTIC SURGEONS. Tummy Tuck. Disponível em: <https://www.plasticsurgery.org/cosmetic-procedures/tummy-tuck/results>. Acesso em 27 out 2022
  • MANG, Werner L. Manual of Aesthetic Surgery. 2.ed. Springer, 2010. 379–432.
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.