Vitiligo tem cura? (e 9 opções de tratamento)

julho 2022

O vitiligo não tem cura, no entanto, é possível evitar que a doença piore com o tempo e até mesmo recuperar a pigmentação da pele, em alguns casos e com o tratamento apropriado. Isso acontece porque, embora pareça se tratar de uma doença autoimune, existem outros fatores, como alterações genéticas e exposições ambientais, que podem dificultar a cura da doença.

Quando as áreas despigmentadas no corpo são pequenas e crescem pouco, as opções de tratamento geralmente envolvem pomadas com corticoides ou imunomoduladores. No entanto, quando a doença afeta uma parte maior da pele ou não responde bem aos tratamentos anteriores, outras alternativas como cosméticos ou despigmentação da pele também podem ser consideradas.

Assim, em caso de vitiligo é importante consultar um dermatologista para uma avaliação de forma a planejar o tratamento mais apropriado. Entenda melhor o que é vitiligo, seus sintomas e causas.

Principais formas de tratamento

O tratamento do vitiligo geralmente é indicado pelo dermatologista levando em consideração a idade da pessoa, o tamanho das áreas despigmentadas na pele, sua localização e a velocidade de progressão da doença.

As principais opções de tratamento são:

1. Pomadas com corticoides

Pomadas contendo corticoides geralmente são mais efetivas quando as manchas na pele são percebidas no início da doença, apresentam crescimento lento e cobrem uma área pequena do corpo, sendo indicadas devido aos efeitos imunossupressores e anti-inflamatórios dos corticoides.

A aplicação das pomadas geralmente não é contínua, podendo ser indicada em semanas alternadas ou com interrupções de 2 dias a cada 5 dias de uso, para evitar efeitos colaterais como atrofia da pele e acne.

2. Pomadas com inibidores da calcineurina

Pomadas contendo inibidores da calcineurina, como tacrolimus e pimecrolimus, são tão eficazes quanto as pomadas com corticoides, geralmente sendo mais indicadas no início do surgimento das manchas na pele, caso as manchas apresentem pouco crescimento e sejam pequenas, e aplicadas 2 vezes ao dia.

Além disso, também podem ser indicadas para complementar o tratamento das pomadas com corticóides, sendo utilizadas nos dias de intervalo dessas pomadas, e em combinação com a fototerapia no tratamento inicial do vitiligo, para estabilizar o crescimento das manchas e favorecer a repigmentação da pele. Confira outras aplicações do tacrolimo.

3. Corticoides orais

Os corticoides orais geralmente são indicados nos casos em que as áreas despigmentadas na pele apresentam crescimento rápido, em poucas semanas a meses.

Nestes casos, pode ser indicado o uso do corticoide em baixas doses duas vezes na semana por períodos que variam de 3 a 6 meses. Caso nenhuma resposta significativa seja vista em 3 meses, geralmente o tratamento oral é suspenso.

Além disso, efeitos colaterais do uso de corticoides, como acne, ganho de peso e náusea, podem ocorrer e são considerados para decidir se o tratamento será continuado. Veja mais efeitos colaterais que os corticoides podem causar.

4. Imunomoduladores orais

Medicamentos imunomoduladores orais, como a minociclina ou metotrexato, têm sido utilizados em estudos devido aos seus efeitos para estabilizar a progressão das manchas e promover a repigmentação da pele, principalmente quando a doença afeta diferentes partes do corpo e apresenta evolução mais rápida.

Alguns destes medicamentos, como o metotrexato, têm sido considerados alternativas ao uso de corticoides orais, podendo ser indicados quando não há melhora com uso de pomadas e fototerapia. Entenda melhor para que serve o metotrexato.

5. Medicamentos análogos da vitamina D

Medicamentos análogos da vitamina D, como a pomada de calcipotriene, também podem ser indicados no tratamento do vitiligo, geralmente em combinação com a fototerapia, por favorecerem a repigmentação da pele aumentando a sua velocidade.

6. Fototerapia

A fototerapia geralmente é o tratamento de escolha nos casos em que há muitas áreas despigmentadas na pele ou manchas muito grandes, também sendo recomendada caso as manchas apresentem crescimento muito acelerado.

Esse tratamento consiste na exposição da pele à luz com o uso de lasers ou lâmpadas especiais, que podem ser direcionados para as partes do corpo mais afetadas pelo vitiligo. Geralmente, são necessárias várias sessões de fototerapia, que ocorrem cerca de 2 a 3 vezes por semana, para que os resultados comecem ser a observados,

7. Cirurgia

A cirurgia geralmente é indicada quando as áreas despigmentadas são pequenas, crescem pouco ou afetam regiões do corpo onde a repigmentação espontânea da pele é difícil, como o dorso dos dedos, testa e tornozelos.

As principais técnicas utilizadas são a realização de enxertos de pele não afetada pelo vitiligo, que consiste na transferência de pele saudável para uma área despigmentada; e o enxerto de células, que envolve a transferência de melanócitos, as células responsáveis por dar cor à pele, para uma área não pigmentada.

8. Cosméticos e tatuagens

A aplicação de alguns cosméticos, como base e bronzeadores, e tatuagens são capazes de produzir uma pigmentação temporária ou permanente da pele, e geralmente são indicadas nos casos em que as outras formas de tratamento não são recomendadas ou não tiveram resultados satisfatórios.

9. Despigmentação da pele

A despigmentação da pele geralmente é considerada nos casos em que as áreas sem pigmentos ocupam a maior parte do corpo e pode ser provocada com o uso de medicamentos como éter monobenzil da hidroquinona ou mequinol.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em julho de 2022.

Bibliografia

  • STATPEARLS. Vitiligo. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK559149/>. Acesso em 21 jul 2022
  • NAHHAS, Amanda F; BRAUNBERGER, Taylor L; HAMZAVI, Iltefat H. Update on the Management of Vitiligo. Skin Therapy Lett. Vol.24, n.3. 1-6, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • BERGQVIST, Christina; EZZEDINE, Khaled. Vitiligo: A Review. Dermatology. Vol.236, n.6. 571-592, 2020
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.