Úlcera varicosa: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro
maio 2022

A úlcera varicosa é uma ferida que surge mais frequentemente nas pernas, especialmente perto do tornozelo, devido a danos nas válvulas dos vasos sanguíneos na perna, dificultando o retorno do sangue das pernas para o coração, o que leva a um aumento da pressão sanguínea dentro do vaso, e a uma má circulação do sangue do local, fazendo com que surjam as feridas que doem e não cicatrizam.

A úlcera varicosa é mais frequente em idosos, ou em pessoas que possuem problemas de saúde, como trombose venosa profunda (TVP), varizes nas pernas, insuficiência venosa crônica ou neuropatia diabética, pois podem interferir na circulação sanguínea ou no processo de cicatrização da pele.

O tratamento da úlcera varicosa deve ser feito com orientação do clínico geral ou angiologista, que pode orientar a limpeza da ferida, aplicação de um curativo e de compressão no local, ou até uso de remédios antibióticos, no caso de infecção na ferida.

Sintomas de úlcera varicosa

Os sintomas da úlcera varicosa são:

  • Ferida na pele, especialmente no tornozelo;
  • Vermelhidão na pele, em volta da ferida;
  • Escurecimento e espessamento da pele;
  • Descoloração da pele em torno da ferida;
  • Inchaço;
  • Coceira;
  • Cãibras ou formigamento na perna;
  • Sensação de queimação;
  • Sensibilidade ao toque;
  • Sensação de peso ou cansaço nas pernas;
  • Dor na região da úlcera;
  • Pele seca ou ou com erupção cutânea;
  • Líquido amarelado na ferida com mau cheiro;
  • Ferida com bordas irregulares e superficiais;
  • Aumento da temperatura da pele em torno da ferida.

Além disso, caso ocorra infecção da ferida, a dor pode piorar, podendo também manifestar-se sintomas como febre e liberação de pus pela ferida.

A úlcera varicosa geralmente ocorre na parte interna do tornozelo, sobre a protuberância óssea, mas também pode surgir perto de regiões ósseas como o joelho, por exemplo.

É importante consultar o médico sempre que surgirem sintomas de úlcera varicosa para que seja iniciado o tratamento o mais rápido possível para evitar infecção na ferida e o surgimento de complicações.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da úlcera varicosa é feito pelo clínico geral ou angiologista, através da avaliação das características da ferida, como localização, aspecto, tamanho, profundidade, inchaço, coloração da pele e/ou presença de líquido ou pus na úlcera.

Além disso, o médico deve fazer uma análise dos sintomas e do histórico de saúde, podendo também solicitar exames como ultrassom com Doppler, raio X ou tomografia computadorizada, para avaliar os vasos sanguíneos da perna e analisar a região em volta das feridas de forma mais detalhada.

Outro exame que o médico pode solicitar é a pletismografia venosa, que permite avaliar o grau de comprometimento da função venosa.

Possíveis causas

A úlcera varicosa é causada pela má circulação do sangue nas pernas, ocorrendo mais frequente nos idosos porque o retorno venoso não se dá corretamente, levando ao acúmulo de sangue venoso nas pernas, que possui menos oxigênio e que, por isso, não permite a cicatrização correta de feridas. Além disso, o excesso de líquidos na perna também aumenta a pressão sobre a pele, tornando-a mais sensível e menos resistente. 

Alguns fatores podem aumentar o risco de desenvolvimento de úlcera varicosa, como:

  • Existência de feridas nas pernas, ou histórico de feridas no passado;
  • Histórico de trombose venosa profunda (TVP);  
  • Insuficiência venosa crônica;
  • Insuficiência arterial;
  • Varizes ou veias varicosas nas pernas;
  • Deficiência do bombeamento de sangue pela panturrilha;
  • Danos nas válvulas dos vasos sanguíneos da perna por traumas;
  • Flebite ou vasculite;
  • Neuropatia diabética;
  • Uso de cigarro em excesso;
  • Obesidade;
  • Presença de outros problemas circulatórios;
  • Osteoartrite;
  • Artrite reumatóide;
  • Paralisia.

Além disso, caso se tenha feito uma cirurgia na perna recentemente, como colocação de prótese no joelho ou quadril, ou caso se esteja acamado, deve-se vigiar com frequência, porque existem maiores chances de formação de uma úlcera varicosa.

Como é feito o tratamento

O tratamento da úlcera varicosa deve ser feito com orientação do clínico geral ou angiologista, com o objetivo de facilitar a cicatrização da úlcera, melhorar a circulação venosa, aliviar a dor, evitar o surgimento de infecção na ferida e prevenir a formação de novas úlceras.

Os principais tratamentos para úlcera varicosa que podem ser recomendados pelo médico são:

1. Terapia compressiva

A terapia de compressão é o tipo de tratamento mais importante para úlceras varicosas e insuficiência venosa, pois permite estimular a micro e macrocirculação sanguínea local, reduzir o inchaço da perna, aliviar a dor e melhorar a cicatrização da pele.

Esse tipo de terapia pode ser feito de diferentes formas, que incluem:

  • Compressão inelástica: é um tipo de curativo úmido contendo óxido de zinco, chamado bota Unna, que endurece após a aplicação. Esse tipo de terapia compressiva, pode ser feito juntamente com o uso de meias elásticas, para melhor resultado, conforme orientação médica;
  • Compressão elástica: consiste no uso de  meias compressivas ou bandagem de compressão, prescritas pelo médico, de forma individualizada. A meia compressiva deve ser retirada à noite, e devem ser substituídas a cada 6 meses, pois com a lavagem regular, perdem a compressão. 

Além disso, para complementar a terapia compressiva, o médico pode orientar a elevação da perna acima do nível do coração, para reduzir o inchaço, melhorar a circulação sanguínea da perna e o fornecimento de oxigênio para os tecidos, para ajudar na cicatrização da ferida. A elevação da perna pode ser feita por 30 minutos, três ou 4 vezes por dia.

2. Limpeza da ferida

A limpeza da ferida é importante para ajudar na cicatrização da pele e evitar infecção da úlcera, e deve ser feita deve ser feita com uma solução de soro fisiológico à 0,9%, ajudando a remover o líquido liberado pela ferida e o tecido morto. Veja como fazer a limpeza de feridas em casa.  

Em alguns casos, o médico pode recomendar o uso de curativos com hidrogel, hidrocolóide, alginato ou colagenase, por exemplo, para serem aplicados na úlcera varicosa após a limpeza da ferida.  

3. Uso de remédios

Os remédios que podem ser indicados para a úlcera varicosa têm como objetivo melhorar a circulação sanguínea da perna, evitar a formação de coágulos, aliviar a dor ou tratar infecção na ferida.

Os principais remédios que o médico pode indicar para úlcera varicosa são:

  • Antiagregantes plaquetários, como pentoxifilina ou ácido acetilsalicílico;
  • Analgésicos, como paracetamol;
  • Antibióticos na forma de pomadas, como mupirocina;

Além disso, o médico pode recomendar o uso de antibióticos na forma de comprimidos, no caso de suspeita de complicações, como celulite ou osteomielite. 

4. Cirurgia

A cirurgia pode ser recomendada pelo médico para remoção do tecido morto e infeccionado da ferida, o que ajuda a melhorar a cicatrização, além de evitar que a infecção se espalhe para outros locais do corpo. Esse tipo de cirurgia, chamada desbridamento, é feita pelo médico em ambiente hospitalar ou por um enfermeiro especialista em feridas. Saiba como é feito o desbridamento de feridas

Em casos mais graves, pode ser recomendada a cirurgia para melhorar a circulação nas pernas que pode ajudar a úlcera a curar e prevenir problemas semelhantes mais tarde. Veja como são feitas as cirurgias para úlcera varicosa.  

Possíveis complicações

Algumas complicações que podem surgir devido a presença de úlceras varicosas são celulite, osteomielite ou alterações malignas da pele.

Como prevenir

Algumas formas de prevenir a formação de úlceras varicosas são:

  • Evitar fumar;
  • Manter o peso ideal;
  • Controlar a pressão alta e a diabetes;
  • Reduzir o consumo de sal;
  • Praticar exercício físico regularmente;
  • Usar meias de compressão.

Além disso, sempre que possível, deve-se elevar as pernas sempre que possível ou movimentar as pernas fazendo pequenas caminhadas, para estimular a circulação sanguínea das pernas.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em maio de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em maio de 2022.

Bibliografia

  • O'MEARA, A-K D.; et al. Antibiotics and antiseptics for venous leg ulcers. Cochrane Database Syst Rev. 1. CD003557, 2008
  • DE ARAÚJO, T.; et al. Managing the patient with venous ulcers. Ann Intern Med. 138. 4; 326–334, 2003
Mostrar bibliografia completa
  • NELSON, E. A.; et al. Compression for preventing recurrence of venous ulcers. Cochrane Database Syst Rev. 4. CD002303, 2000
  • ETUFUGH, C. N.; PHILIPS, T. J. Venous ulcers. Clin Dermatol. 25. 1; 121-130, 2007
  • COLLINS, L.; et al. Diagnosis and Treatment of Venous Ulcers. Am Fam Physician. 81. 8; 989-996, 2010
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.