Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Sintomas de trombose na gravidez e como tratar

​A trombose na gravidez surge quando se forma um coágulo de sangue que obstrui uma veia ou artéria, impedindo que o sangue passe por esse local. Apesar da trombose poder surgir em qualquer pessoa, esta complicação é mais comum durante o período da gestação, já que a capacidade de coagulação e a circulação sanguínea são alteradas pelas alterações hormonais que acontecem e pela compressão do útero sobre os vasos sanguíneos. 

Assim, uma grávida tem um risco de 5 a 20 vezes maior de desenvolver trombose. Os tipos mais comuns que podem surgir são:

  • Trombose venosa profunda: é o tipo mais comum de trombose, e afeta mais frequentemente as pernas, apesar de poder surgir em qualquer região do corpo;
  • Trombose hemorroidária: pode surgir nas hemorróidas provocadas pelo peso do bebê ou durante o parto;
  • Trombose na placenta: causado por coágulo nas veias da placenta, podendo provocar aborto nos casos mais graves. Saiba mais sobre esta situação em trombose na placenta.
  • Trombose no cordão umbilical: Apesar de ser raro, este tipo de trombose acontece nos vasos do cordão umbilical, impedindo o fluxo de sangue ao bebê. Saiba quando pode ocorrer e como tratar a trombose do cordão umbilical;
  • Trombose cerebral na gravidez: provocado por um coágulo no cérebro, situação muito grave e provoca sintomas de AVC.

A trombose na gravidez, embora rara, é mais frequente em gestantes com idade superior a 35 anos, que já tiveram episódio de trombose numa gravidez anterior, estão grávidas de gêmeos ou que têm excesso de peso. Esta condição é perigosa, e quando identificada, deve ser tratada pelo obstetra com injeções de anticoagulantes, como a heparina, durante a gestação e 6 semanas após o parto.

Sintomas de trombose na gravidez e como tratar

Quais são os sintomas

Os sintomas de trombose na gravidez surgem, especialmente, nas pernas e incluem:

  • Dor na perna, que piora ao caminhar ou dobrando o pé para cima;
  • Vermelhidão e inchaço da perna;
  • Pele quente;
  • Aumento das veias locais.

Durante a gravidez, estes sintomas nem sempre confirmam a trombose, pois podem ocorrer devido a maior tendência para reter líquidos nas pernas, por isso, a gestante deve consultar o obstetra para fazer um ultrassom e despistar o diagnóstico de trombose.

Na presença de qualquer um destes sintomas, a grávida deve ligar imediatamente para o 192 ou ir ao pronto-socorro, já que a trombose é uma doença grave, que pode causar embolia pulmonar na mãe quando o coágulo se desloca até os pulmões, gerando sintomas como falta de ar, tosse com sangue ou dor no peito.

Já quando a trombose surge na placenta ou no cordão umbilical, geralmente não há sintomas, mas a diminuição dos movimentos do bebê pode indicar que algo está errado com a circulação sanguínea, sendo, também importante procurar atendimento médico nesta situação.

Como confirmar

Após a avaliação clínica do médico, a confirmação do diagnóstico de trombose é feita pelo exame de ultrassom com doppler, que pode identificar o fluxo de sangue e a presença de coágulos. 

Sintomas de trombose na gravidez e como tratar

Como é feito o tratamento

A trombose na gravidez tem cura, e o tratamento deve ser indicado pelo obstetra e, normalmente, inclui o uso de injeções de heparina, que ajudam a dissolver o coágulo, diminuindo o risco de formação de novos coágulos.

Na maior parte dos casos, o tratamento para trombose na gravidez deve ser mantido até ao final da gestação e 6 semanas após o parto, pois durante o nascimento do bebê, seja por parto normal ou cesárea, as veias abdominais e pélvicas das mulheres sofrem lesões que podem aumentar o risco de formação de coágulos.

Como evitar trombose na gravidez

Alguns cuidados para evitar a trombose na gravidez são:

  • Utilizar meias de compressão desde o início da gestação, para facilitar a circulação sanguínea;
  • Fazer exercício físico leve regular, como caminhadas ou natação, para melhorar a circulação do sangue;
  • Evitar ficar mais de 8 horas deitada ou mais de 1 hora sentada;
  • Não cruzar as pernas, pois dificulta a circulação de sangue nas pernas;
  • Ter uma alimentação saudável, pobre em gordura e rica em fibras e água;
  • Evitar fumar ou conviver com pessoas que fumam, porque a fumaça do cigarro pode aumentar o risco de trombose.

Estes cuidados devem ser feitos, principalmente, pela grávida que teve trombose na gravidez anterior. Além disso, a gestante deve informar o obstetra que já teve trombose, para iniciar o tratamento com injeções de heparina, se necessário, de forma a prevenir o surgimento de uma nova trombose.

Saiba mais sobre como identificar e tratar a Trombose venosa profunda.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...