Trombose na gravidez: sintomas, tratamento e como evitar

setembro 2022
  1. Sintomas
  2. Risco
  3. O que fazer
  4. Tipos
  5. Tratamento
  6. Como evitar

​A trombose na gravidez acontece quando um coágulo de sangue obstrui uma veia ou artéria, impedindo que o sangue consiga passar através desse local, podendo causar sintomas como sensação de peso nas pernas, inchaço e vermelhidão local, dor na região anal e perda de força em um dos lados do corpo, por exemplo.

Os sintomas da trombose na gravidez podem variar de acordo com o tipo da trombose e pode ser causada pelas alterações hormonais comuns desse período e compressão do útero na região pélvica, que dificulta a circulação de sangue nas pernas, facilitando a formação de coágulos e, consequentemente, a trombose.

É importante que o médico seja consultado assim que surgirem sinais e sintomas sugestivos de trombose, pois assim é possível iniciar o tratamento logo em seguida e prevenir complicações para a mulher e para o bebê.

Sintomas de trombose na gravidez

Os principais sintomas de trombose na gravidez são:

  • Sensação de peso nas pernas;
  • Pernas doloridas e inchadas;
  • Veias dilatadas e visíveis;
  • Dor na região anal e sangramento;
  • Perda de força em um lado do corpo;
  • Dificuldade para falar.

Os sintomas podem variar de acordo com o tipo de trombose, no entanto, em todos os casos é fundamental que a mulher seja avaliada pelo médico para que seja iniciado o tratamento mais adequado, prevenindo complicações.

Teste online de sintomas

Selecione no teste a seguir os sintomas apresentados para saber o seu risco de trombose na perna durante a gravidez:

  1. 1.Dor repentina em uma das pernas que piora ao longo do tempo
  2. 2.Inchaço em uma das pernas, que vai aumentando
  3. 3.Vermelhidão intensa na perna afetada
  4. 4.Sensação de calor ao tocar na perna inchada
  5. 5.Dor ao tocar na perna
  6. 6.Pele da perna mais dura que o normal
  7. 7.Veias dilatadas e mais facilmente visíveis na perna

Risco de trombose na gravidez

O risco de trombose é maior na gravidez devido a alterações que normalmente ocorrem no corpo da mulher e que aumentam a capacidade de coagulação do sangue. Este risco tende a ser semelhante durante todos os 3 trimestres da gestação e pode permanecer elevado por até 3 meses após o parto.

No entanto, em caso de histórico anterior de trombose, idade superior a 35 anos, primeira gravidez, obesidade e doenças, como síndrome do anticorpo antifosfolípide ou  trombofilias, o risco de trombose também tende a ser maior. Entenda melhor o que são trombofilias na gravidez e os riscos.

O que fazer em caso de suspeita de trombose

Na presença de qualquer sintoma que possa ser indicativo de trombose na gravidez, a mulher deve ligar imediatamente para o 192 ou ir ao pronto-socorro, já que a trombose é uma doença grave, que pode causar embolia pulmonar na mãe caso o coágulo se desloque até os pulmões, gerando sintomas como falta de ar, tosse com sangue ou dor no peito.

Já quando a trombose surge na placenta ou no cordão umbilical, geralmente não há sintomas, mas a diminuição dos movimentos do bebê pode indicar que algo está errado com a circulação sanguínea, sendo, também importante procurar atendimento médico nesta situação.

Principais tipos de trombose na gravidez

Os tipos mais comuns de trombose na gravidez incluem:

  • Trombose venosa profunda: é o tipo mais comum de trombose, e afeta mais frequentemente as pernas, apesar de poder surgir em qualquer região do corpo;
  • Trombose hemorroidária: pode surgir quando a grávida tem hemorroidas e é mais frequente quando o bebê tem um peso muito elevado ou durante o parto;
  • Trombose na placenta: causado por coágulo nas veias da placenta, podendo provocar aborto nos casos mais graves;
  • Trombose no cordão umbilical: apesar de ser uma situação muito rara, este tipo de trombose acontece nos vasos do cordão umbilical, impedindo o fluxo de sangue ao bebê e causando, também, redução dos movimentos do bebê;
  • Trombose cerebral: provocada por um coágulo que chega até o cérebro, provocando sintomas de AVC, como falta de força num lado do corpo, dificuldade para falar e boca torta, por exemplo.

A trombose na gravidez, embora rara, é mais frequente em gestantes com idade superior a 35 anos, que já tiveram episódio de trombose numa gravidez anterior, estão grávidas de gêmeos ou que têm excesso de peso. Esta condição é perigosa, e quando identificada, deve ser tratada pelo obstetra com injeções de anticoagulantes, como a heparina, durante a gestação e 6 semanas após o parto.

Como é feito o tratamento

A trombose na gravidez tem cura, e o tratamento deve ser indicado pelo obstetra e, normalmente, inclui o uso de injeções de heparina, que ajudam a dissolver o coágulo, diminuindo o risco de formação de novos coágulos.

Na maior parte dos casos, o tratamento para trombose na gravidez deve ser mantido até ao final da gestação e até 6 semanas após o parto, pois durante o nascimento do bebê, seja por parto normal ou cesárea, as veias abdominais e pélvicas das mulheres sofrem lesões que podem aumentar o risco de formação de coágulos.

Como evitar a trombose na gravidez

Alguns cuidados para evitar a trombose na gravidez são:

  • Utilizar meias de compressão desde o início da gestação, para facilitar a circulação sanguínea;
  • Fazer exercício físico leve regular, como caminhadas ou natação, para melhorar a circulação do sangue;
  • Evitar ficar mais de 8 horas deitada ou mais de 1 hora sentada;
  • Não cruzar as pernas, pois dificulta a circulação de sangue nas pernas;
  • Ter uma alimentação saudável, pobre em gordura e rica em fibras e água;
  • Evitar fumar ou conviver com pessoas que fumam, porque a fumaça do cigarro pode aumentar o risco de trombose.

Estes cuidados devem ser feitos, principalmente, pela grávida que teve trombose na gravidez anterior. Além disso, a gestante deve informar o obstetra que já teve trombose, para iniciar o tratamento com injeções de heparina, se necessário, de forma a prevenir o surgimento de uma nova trombose.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • ROYAL COLLEGE OF OBSTETRICIANS & GYNAECOLOGISTS. Treatment of venous thrombosis in pregnancy and after birth patient information leaflet. Disponível em: <https://www.rcog.org.uk/for-the-public/browse-all-patient-information-leaflets/treatment-of-venous-thrombosis-in-pregnancy-and-after-birth-patient-information-leaflet/>. Acesso em 15 set 2022
  • CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Venous Thromboembolism (Blood Clots) and Pregnancy. Disponível em: <https://www.cdc.gov/ncbddd/dvt/pregnancy.html>. Acesso em 15 set 2022
Mostrar bibliografia completa
  • AMERICAN FAMILY PHYSICIAN. Venous Thromboembolism During Pregnancy. Disponível em: <https://www.aafp.org/afp/2008/0615/p1709.html>. Acesso em 07 mai 2020
  • NHS. Deep vein thrombosis (DVT) in pregnancy. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/pregnancy-and-baby/dvt-blood-clot-pregnant/>. Acesso em 07 mai 2020
  • CDC. Pregnant? Don't Overlook Blood Clots. Disponível em: <https://www.cdc.gov/ncbddd/dvt/features/blood-clots-pregnant-women.html>. Acesso em 07 mai 2020
  • DEVIS, Paola; KNUTTINEN, M. Grace. Deep venous thrombosis in pregnancy: incidence, pathogenesis and endovascular management. Cardiovascular Diagnosis and Therapy. S309-S319, 2017
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.