Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como é feito o tratamento para embolia pulmonar

A embolia pulmonar é uma situação grave e que deve ser tratada o mais rápido possível no hospital, para evitar colocar a vida em risco. Se surgirem sintomas que levem a suspeitar de embolia pulmonar, como sensação súbita de falta de ar, tosse intensa ou dor forte no peito, é aconselhado ir ao pronto-socorro, para avaliar a situação e iniciar o tratamento, se necessário. Veja outros sintomas que podem indicar uma embolia pulmonar.

Quando existem fortes suspeitas de embolia pulmonar, o tratamento pode ser iniciado mesmo antes de se confirmar o diagnóstico e, geralmente, é feito com administração de oxigênio e injeção de um anticoagulante diretamente na veia, que é um medicamento que ajuda a evitar que o coágulo consiga aumentar de tamanho ou que novos coágulos possam se formar, piorando o quadro.

Caso os exames de diagnóstico, como o raio X de tórax ou a angiografia pulmonar, confirmem o diagnóstico de embolia, a pessoa precisa ficar internada para continuar o tratamento por mais dias com anticoagulante e trombolíticos, que são outro tipo de medicamentos que ajudam a dissolver os coágulos que já existem. 

Como é feito o tratamento para embolia pulmonar

Quando é necessário fazer cirurgia

A cirurgia para tratar a embolia pulmonar normalmente é feita quando o uso do anticoagulantes e trombolíticos não é suficiente para melhorar os sintomas e dissolver o coágulo que está impedindo a passagem de sangue para o pulmão.

Nesses casos, é preciso fazer uma cirurgia na qual o médico insere um fino tubo flexível, conhecido como cateter, através de uma artéria do braço ou da perna até chegar ao coágulo que está no pulmão, removendo-o.

Um cateter também pode ser usado para colocar um filtro na veia principal, chamada de veia cava inferior, impedindo que os coágulos se movam através da corrente sanguínea em direção aos pulmões. Esse filtro geralmente é colocado em pessoas que não podem tomar medicamentos anticoagulantes.

Quanto tempo é preciso ficar internado

Depois de eliminar o coágulo do pulmão, normalmente é necessário ficar internado para garantir que não surjam novos coágulos e monitorar que os níveis de oxigênio no organismo estão normalizados.

Quando o quadro parece estar estabilizado, o médico dá a alta, mas geralmente também receita medicamentos anticoagulantes, como a Varfarina ou a Heparina, que devem continuar a ser usados diariamente em casa, pois mantêm o sangue fino e diminuem o risco de voltar a surgir um novo coágulo. Saiba mais sobre os anticoagulantes e os cuidados que se deve ter no tratamento.

Além desses, o médico também pode indicar remédios analgésicos para aliviar a dor no peito nos primeiros dias e após o tratamento.

Possíveis sequelas da embolia

Uma vez que a embolia pulmonar impede a passagem de sangue para uma parte do pulmão, a primeira sequela está relacionada com a diminuição da troca de gases e, por isso, há menos oxigênio disponível no sangue. Quando isso acontece, há uma sobrecarga do coração, que o faz trabalhar muito mais rápido para tentar fazer com que a mesma quantidade de oxigênio chegue a todo o corpo.

Normalmente a embolia acontece numa área pequena do pulmão e, assim, a pessoa não sofre graves consequências. No entanto, e apesar de raro, a obstrução também pode acontecer num vaso sanguíneo de maior calibre, que é responsável por irrigar uma parte maior do pulmão, e nesse caso as consequências podem ser mais sérias porque o tecido que não recebe o sangue oxigenado se retrai e não há nenhuma troca gasosa nessa parte do pulmão. Com isso, a pessoa pode ter uma morte súbita, que acontece de forma repentina, ou podem ficar com sequelas pulmonares, como a hipertensão pulmonar.

Sinais de melhora

A melhoria dos sintomas surge poucos minutos após o tratamento de emergência com alivio da dificuldade para respirar e diminuição da dor no peito.

Sinais de piora

Os sinais de piora são o aumento da dificuldade para respirar e, finalmente, o desmaio, devido à diminuição da quantidade de oxigênio no organismo. Caso o tratamento não seja iniciado rapidamente, podem acontecer consequência graves como a parada cardíaca que pode colocar em risco a vida.

Bibliografia >

  • BROADDUS, V. Courtney. et al. Murray & Nadel tratado de medicina respiratória. 6.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017. pp. 1000-1029.
  • NHS. Pulmonary embolism. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/pulmonary-embolism/>. Acesso em 27 Abr 2020
  • NATIONAL HEART, LUNG AND BLOOD INSTITUTE. Venous Thromboembolism. Disponível em: <https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/venous-thromboembolism>. Acesso em 27 Abr 2020
  • MERCK MANUAL PROFESSIONAL VERSION. Pulmonary Embolism (PE). Disponível em: <https://www.merckmanuals.com/professional/pulmonary-disorders/pulmonary-embolism-pe/pulmonary-embolism-pe?query=Pulmonary%20Embolism%20>. Acesso em 27 Abr 2020
  • RAJA, A. S. et al.. Evaluation of Patients With Suspected Acute Pulmonary Embolism: Best Practice Advice From the Clinical Guidelines Committee of the American College of Physicians. Annals of Internal Medicine. Vol.163, n.9. 701-711, 2015
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem