Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Bartolinite: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
janeiro 2023
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Qual médico consultar
  4. Tratamento

A bartolinite é a inflamação das glândulas de Bartholin que acontece principalmente devido a infecções na região, causadas por maus hábitos de higiene ou pela falta do uso de preservativo nas relações sexuais, por exemplo.

As glândulas de Bartholin são duas estruturas que estão presentes na parte da frente da vagina e que têm como objetivo promover a lubrificação da região. Quando acontece inflamação dessas glândulas, é comum o aparecimento de um pequeno cisto que pode causar desconforto ao andar, sentar e durante a relação sexual, além de outros sintomas como febre, vermelhidão e inchaço do local.

O tratamento para bartolinite deve ser sempre orientado pelo ginecologista, que pode indicar o uso de remédios ou a realização de uma cirurgia para drenar o líquido ou remover a glândula de Bartholin. Saiba mais sobre as glândulas de Bartholin e como cuidar.

Foto de bartolinite (cisto de Bartholin)
Foto de bartolinite (cisto de Bartholin)

Sintomas de bartolinite

Os principais sintomas de bartolinite são:

  • Cisto que contém pus em seu interior;
  • Dor durante a relação sexual;
  • Vermelhidão, aumento da temperatura e inchaço local;
  • Desconforto para ficar sentada e/ou para caminhar;
  • Febre.

Na presença desses sinais e sintomas é importante que o ginecologista seja consultado para que seja feita uma avaliação da região genital e seja indicado o tratamento mais adequado.

Quanto tempo dura?

Na maioria dos casos, a bartolinite desaparece em 3 a 5 dias, com o tratamento indicados pelo médico, com anti-inflamatórios ou antibióticos. 

No entanto, nos casos de necessidade de cirurgia para drenagem do pus ou remoção das glândulas de Bartholin, por exemplo, o tempo de duração varia, sendo geralmente cerca de 4 semanas para recuperação.

Principais causas

A glândula de Bartholin inflamada é normalmente resultado de infecção por bactérias, principalmente Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis, o que pode ser favorecido por maus hábitos de higiene, múltiplos parceiros sexuais e não utilização de preservativo nas relações sexuais.

Qual médico consultar

O médico mais indicado para tratar a bartolinite é o ginecologista, que irá avaliar os sintomas, confirmar o diagnóstico e indicar a melhor forma de tratamento.

Como é feito o tratamento

O tratamento para glândula de Bartholin inflamada deve ser orientado pelo ginecologista de acordo com as características da inflamação e sinais e sintomas apresentados pela mulher, podendo ser recomendado o uso de remédios ou procedimento cirúrgicos.

1. Remédios

O tratamento normalmente é feito com o uso de anti-inflamatórios, como o Ibuprofeno ou Naproxeno, e analgésicos, como Paracetamol ou Dipirona, por exemplo, diminuindo os sintomas de inflamação.

No caso em que os sintomas duram mais de 5 dias, o ginecologista pode recomendar o uso de antibióticos, como Cefalexina ou Ciprofloxacino, por exemplo, principalmente se existir suspeita de infecção ou infecção sexualmente transmissível.

2. Drenagem cirúrgica

A drenagem cirúrgica serve para retirar o líquido que está sendo acumulado nas glândulas, diminuindo os sintomas de inflamação. Para isso, o médico aplica anestesia local e depois faz uma pequena incisão no local para permitir que o líquido acumulado seja retirado. É importante que a mulher volte ao ginecologista cerca de 2 dias após o procedimento para que o médico possa ver se há acúmulo novamente de líquido.

3. Marsupialização

A marsupialização corresponde a uma técnica cirúrgica normalmente indicada pelo ginecologista nos casos recorrentes, ou seja, quando mesmo após a drenagem do líquido, a glândula volta a acumular líquido. Para fazer esse procedimento realiza uma abertura das glândulas e depois une as bordas da glândula à pele, evitando que volte a acumular líquidos.

Assim como na drenagem cirúrgica, é importante que a mulher volte ao ginecologista em, pelo menos, 48 horas para verificar se há líquido sendo novamente acumulado.

4. Bartolinectomia

A bartolinectomia é a cirurgia para remoção completa da glândula de Bartholin e é a última opção de tratamento, quando nenhum dos outros tratamentos tiveram efeito ou quando a inflamação destas glândulas é frequente. Entenda como é feita a bartolinectomia e como é a recuperação.

5. Tratamento caseiro

A melhor forma de tratamento caseira para a inflamação da glândula de Bartholin é a realização de um banho de assento com água morna a 35ºC por 15 minutos, pelo menos 3 a 4 vezes por dia. O banho de assento ajuda as glândulas a relaxarem e liberarem o líquido que está se acumulando no seu interior, diminuindo a inflamação e todo o desconforto associado.

No entanto, também é possível juntar ao banho de assento algumas plantas medicinais com propriedades anti-inflamatórias, anti-bactericidas, anti-sépticas ou cicatrizantes ginecológicas, como o barbatimão ou a aroeira, que vão acelerar o tratamento médico.

Ingredientes

  • 15 g de casca de barbatimão;
  • 15 g da casca de aroeira;
  • 1 litro de água.

Modo de preparo

Colocar os ingredientes a ferver durante 10 minutos. Depois deixar amornar, coar e fazer o banho de assento por pelo menos 15 minutos, 3 vezes por dia.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em janeiro de 2023. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • ILLINGWORTH, B.; et al. Evaluation of treatments for Bartholin's cyst or abscess: a systematic review. BJOG. 127. 6; 671-678, 2020
  • BERTHOLDT, C.; et al. Antibiotics in first-line in case of bartholinitis: Retrospective Study of 33 Cases. Gynecol Obstet Fertil Senol. 47. 10; 713-717, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • OMOLE, F.; et al. Bartholin Duct Cyst and Gland Abscess: Office Management. Am Fam Physician. 99. 12; 760-766, 2019
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.