5 opções de tratamento para erisipela

novembro 2022

O tratamento da erisipela pode ser realizado através do uso de antibióticos em forma de comprimidos, xaropes ou injeções receitados pelo infectologista ou clínico geral, durante cerca de 5 a 10 dias, além de cuidados como repouso e elevação do membro afetado para ajudar a desinchar a região.

Normalmente, o tratamento da erisipela pode ser feito em casa, no entanto, existem situações em que a internação no hospital pode ser indicada, como acontece em casos de lesões muito grandes e sintomas como febre ou pressão baixa, por exemplo. 

A erisipela é uma infecção da pele causada por bactérias que levam ao aparecimento de sintomas como vermelhidão na pele, coceira no local e sensação de queimação. Entenda melhor o que é erisipela.

Como é feito o tratamento

As principais opções no tratamento da erisipela são:

1. Antibióticos

O uso de antibióticos orais, como amoxicilina e cefalexina, geralmente é indicado por cerca de 5 a 10 dias para o tratamento da erisipela. Além disso, em caso de alergia à penicilina, o médico pode indicar outras opções como eritromicina ou clindamicina.

No entanto, quando a erisipela afeta grandes áreas do corpo, se desenvolve rapidamente ou causa febre, por exemplo, pode ser indicada a administração de antibióticos diretamente na veia, o que deve ser feito no hospital

2. Pomadas

O uso de pomadas também pode ser indicado pelo médico como forma de complementar o tratamento com antibióticos. As pomadas para erisipela também contém antibióticos e devem ser aplicadas diretamente nas áreas da pele afetadas.

3. Analgésicos e antitérmicos

O uso de analgésicos e antitérmicos, como paracetamol, dipirona ou ibuprofeno, pode ser recomendado para aliviar a dor no local ou febre e devem ser utilizados de acordo com a orientação de um médico.

4. Tratamento caseiro

Para auxiliar a recuperação, diminuindo o inchaço e aliviando a dor, pode ser indicado pelo médico que a pessoa eleve o membro afetado e aplique compressas frias no local. Além disso, é recomendado permanecer em repouso durante a recuperação, ingerir água em quantidade adequada e manter o local afetado pela erisipela limpo e seco.

5. Cirurgia

A cirurgia para erisipela é indicada nos casos em que há formação de um abscesso, uma cavidade na pele contendo pus. Além disso, a cirurgia também pode ser necessária nos casos em que a erisipela causa necrose da pele para remover os tecidos mortos.

Quando é necessário permanecer no hospital

A internação no hospital pode ser indicada em caso de:

  • Vermelhidão afetando grandes áreas do corpo;
  • Rápido aumento da vermelhidão, especialmente quando surge dentro de poucas horas e causa dor;
  • Incapacidade de ingerir medicamentos pela boca;
  • Sintomas que indicam maior gravidade, como febre, pressão baixa ou confusão mental;
  • Sinais de necrose, como escurecimento da pele e perda da sensibilidade;
  • Histórico de outras doenças, como insuficiência cardíaca ou renal, doenças que afetam a imunidade e diabetes, por exemplo;
  • Erisipela que não melhora apesar do tratamento adequado.

Nestes casos, devido ao risco da erisipela ser mais grave, geralmente é indicada a internação no hospital e a utilização de antibióticos na veia.

Como prevenir a erisipela

Para prevenir a erisipela é importante perder peso em caso de obesidade e tratar doenças que afetam a pele ou causam inchaço dos membros, como insuficiência cardíaca ou venosa. Além disso, também é recomendado o tratamento de micoses que possam afetar as unhas ou pés e feridas na pele de acordo com a orientação médica.

Em alguns casos, como quando a erisipela surge repetidamente, o médico também pode indicar o uso de antibióticos para prevenir novas infecções.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em novembro de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em outubro de 2019.

Bibliografia

  • UPTODATE. Acute cellulitis and erysipelas in adults: Treatment. 2022. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/acute-cellulitis-and-erysipelas-in-adults-treatment>. Acesso em 11 nov 2022
  • SUKUMARAN, Vichitra. Bacterial skin and soft tissue infections. Aust Prescr. Vol.39, n.5. 159–163, 2016
Mostrar bibliografia completa
  • ORTIZ-LAZO, E. et al. An Update on the Treatment and Management of Cellulitis. Actas Dermosifiliogr (Engl Ed). Vol.110, n.2. 124-130, 2019
  • BRINDLE, Richard J; O'Neill, Louise A; WILLIAMS, O. M. Risk, Prevention, Diagnosis, and Management of Cellulitis and Erysipelas. Current Dermatology Reports. Vol.9. 73–82, 2020
  • STEVENS, Dennis L. et al. Practice Guidelines for the Diagnosis and Management of Skin and Soft Tissue Infections: 2014 Update by the Infectious Diseases Society of America. Clinical Infectious Diseases. Vol.59, n.2. 10–52, 2014
  • STATPEARLS. Erysipelas. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK532247/>. Acesso em 11 nov 2022
  • DALAL, Adam et al. Interventions for the prevention of recurrent erysipelas and cellulitis. Cochrane Database Syst Rev. Vol.6. 2017
  • CLEBAK, Karl; MALONE, Michael A. Skin Infections. Prim Care. Vol.45, n.3. 433-454, 2018
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.