Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Tique nervoso: o que é e o que fazer

Os tiques nervosos correspondem a qualquer ação realizada de forma repetitiva e compulsiva, como piscar os olhos várias vezes, mexer a cabeça ou fungar o nariz, por exemplo. Os tiques normalmente aparecem ainda na infância e costumam desaparecer sem qualquer tipo de tratamento durante a adolescência ou no início da fase adulta.

Os tiques não são graves e, na maioria das vezes, não atrapalham as atividades do dia a dia. No entanto, quando os tiques são mais complexos e acontecem de forma mais frequente, é importante consultar um neurologista ou psiquiatra para que seja feito o diagnóstico, pois pode se tratar da Síndrome de Tourette. Saiba como identificar e tratar a Síndrome de Tourette.

Tique nervoso: o que é e o que fazer

Por que acontece

As causas dos tiques nervosos ainda não estão bem estabelecidas, porém normalmente acontecem como consequência do cansaço excessivo e frequente, estresse e transtorno de ansiedade. No entanto, as pessoas que estão sob estresse constante ou se sentem ansiosas a maior parte do tempo não necessariamente irão ter os tiques.

Algumas pessoas acreditam que a ocorrência dos tiques estão relacionados com a falha em um dos circuitos cerebrais devido a alterações genéticas, o que faz com que haja maior produção de dopamina, estimulando as contrações involuntárias de músculos.

Principais sintomas

Os tiques nervosos correspondem a contrações involuntárias dos músculos do rosto e pescoço, o que pode resultar em:

  • Olhos piscando de forma repetitiva;
  • Mexer a cabeça, como incliná-la para frente e para trás ou para os lados;
  • Morder os lábios ou mexer a boca;
  • Mexer o nariz;
  • Encolher os ombros;
  • Caretas.

Além dos tiques motores, podem ainda haver tiques relacionados à emissão de sons, podendo ser considerado tique a tosse, estalar a língua e fungar o nariz, por exemplo.

Os tiques normalmente são leves e não são limitantes, porém há ainda muito preconceito e comentários desagradáveis relacionados a pessoas com tiques nervosos, o que pode resultar em isolamento, diminuição do círculo afetivo, falta de vontade para sair de casa ou realizar atividades que antes eram agradáveis e, até mesmo, depressão.

Síndrome de Tourette

Nem sempre os tiques nervosos representam a Síndrome de Tourette. Normalmente esse síndrome é caracterizada por tiques mais frequentes e complexos que podem comprometer a qualidade de vida da pessoa, pois além dos tiques comuns, como piscar de olhos, por exemplo, há também socos, chutes, zumbidos, respiração ruidosa e bater no peito, por exemplo, sendo todos os movimentos realizados de forma involuntária.

Muitos portadores da síndrome desenvolvem comportamentos impulsivos, agressivos e autodestrutivos e, frequentemente, as crianças apresentam dificuldade de aprendizado. 

Uma criança com Síndrome de Tourette pode mover repetidamente a cabeça de um lado para outro, piscar os olhos, abrir a boca e estender o pescoço. A pessoa pode falar obscenidades sem qualquer razão aparente, frequentemente no meio de uma conversação. Eles também podem repetir palavras imediatamente após ouvi-las (ecolalia). 

Os tiques característicos dessa síndrome surgem entre os 7 e 11 anos, sendo importante que o diagnóstico aconteça o mais rápido possível para que o tratamento seja iniciado e a criança não sinta tantas consequências dessa síndrome no seu dia-a-dia. 

O diagnóstico precoce pode ajudar os pais a compreenderem que os comportamentos não são voluntários ou maliciosos e que os mesmos não são controlados com o castigo.

Como é feito o tratamento do tique nervoso

Os tiques nervosos normalmente desaparecem durante a adolescência ou no início da vida adulta, não sendo necessário qualquer tipo de tratamento. No entanto, é recomendado que a pessoa faça psicoterapia para que seja identificada o fator que estimula o surgimento dos tiques e, assim, facilite o seu desaparecimento.

Em alguns casos, pode ser recomendado pelo psiquiatra o uso de alguns medicamentos, como neuromoduladores, benzodiazepínicos ou aplicação de toxina botulínica, por exemplo, dependendo da gravidade dos tiques.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem