Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que causa sopro no coração e como tratar

O sopro é um som de uma turbulência sofrida pelo sangue durante a passagem pelo coração, ao atravessar suas valvas ou se chocar com seus músculos. Nem todo sopro indica uma doença cardíaca, pois acontece em muitas pessoas saudáveis, sendo, nestes casos, chamado de sopro fisiológico ou funcional.

Entretanto, o sopro também pode indicar um defeito nas valvas cardíacas, nos músculos cardíacos ou uma doença que altere a velocidade do fluxo de sangue, como febre reumática, anemia, prolapso da valva mitral ou doenças congênitas, por exemplo.

Em alguns casos estas situações podem provocar sintomas como falta de ar, inchaço no corpo e palpitações e, nestas situações, o tratamento deve ser realizado o mais breve possível, com o uso de remédios ou com realização de cirurgia, sob a orientação do cardiologista.

O que causa sopro no coração e como tratar

Principais sintomas

Geralmente, o sopro no coração não é acompanhado por outros sinais ou sintomas, e a sua presença por si só não é grave. Entretanto, quando o sopro é causado por alguma doença que provoca dificuldades no funcionamento do coração, podem surgir sintomas que indicam dificuldades no bombeamento de sangue e oxigenação das células do corpo.

Alguns dos principais sintomas são:

  • Falta de ar;
  • Tosse;
  • Palpitações;
  • Fraqueza.

Nos bebês, é comum notar a dificuldade para amamentar, debilidade e presença de boca e mãos arroxeadas, e isso acontece pela dificuldade na oxigenação do sangue, já que o coração não funciona corretamente. 

O que causa o sopro cardíaco

O sopro no coração é um sinal, que pode ser fisiológico, mas também pode indicar algum tipo de alteração ou doença, por diversas causas, tanto em adultos quanto em crianças. 

O que causa sopro no coração e como tratar

Sopro cardíaco infantil

Nos bebês e crianças, a principal causa de sopro é benigna e desaparece com o tempo, geralmente devido a falta de desenvolvimento das estruturas do coração, que podem estar desproporcionais.

Entretanto, também pode acontecer pela presença de uma doença congênita na formação do coração, que já nasce com a criança, devido a doenças genéticas ou intercorrências durante a gestação, como infecção por rubéola, uso de alguns remédios, alcoolismo ou consumo de drogas por parte da grávida. Existem diversos tipos, mas os defeitos mais comuns que podem causar sopro são:

  • Defeitos nas câmaras ou valvas cardíacas, como prolapso da valva mitral, valva aórtica bicúspide, estenose aórtica ou coarctação da aorta, por exemplo;
  • Comunicação entre as câmaras do coração, que pode acontecer por um atraso ou defeito no fechamento nos músculos das câmaras cardíacas, e alguns exemplos são a persistência do canal arterial, comunicações interatriais ou interventriculares, defeitos no septo atrioventricular e a tetralogia de Fallot.

As situações mais leves podem ser acompanhadas pelo cardiologista pediátrico, ou melhoradas com o uso de remédios, como o caso dos anti-inflamatórios, usados na persistência do canal arterial. Entretanto, quando a alteração é grave, a ponto de causar sintomas como boca e membros roxos, é importante programar uma cirurgia.

Saiba mais sobre como identificar uma doença cardíaca congênita

Sopro cardíaco no adulto

O sopro cardíaco em adultos também não indica a presença de doença, e, em muitos casos, é possível conviver com ele normalmente, podendo até praticar exercícios físicos, após liberação pelo cardiologista. Entretanto, a presença deste sinal também pode indicar a existência de uma alteração, como:

  • Estreitamento de uma ou mais valvas do coração, chamado de estenose, devido a doenças como febre reumática, calcificação pela idade, tumor ou inflamação por uma infecção cardíaca, por exemplo, que impedem a passagem livre do sangue durante o batimento cardíaco;
  • Insuficiência de uma ou mais valvas, devido a doenças como prolapso da valva mitral, febre reumática, dilatação ou hipertrofia do coração ou algum tipo de alteração que impeça o fechamento correto das valvas durante o bombeamento do coração;
  • Doenças que alteram o fluxo de sangue, como anemia ou hipertireoidismo, que provocam o turbilhonamento do sangue durante a sua passagem.

O diagnóstico de sopro no coração pode ser feito pelo médico clínico geral ou cardiologista durante o exame clínico de ausculta do coração, e a sua confirmação é feita por exames de imagem, como o ecocardiograma.

Como tratar

Na maioria dos casos, o tratamento do sopro cardíaco fisiológico não é necessário, bastando um acompanhamento a cada 6 ou 12 meses com o cardiologista. Entretanto, caso haja sintomas ou manifestações clínicas de alguma doença, o coração precisa ser tratado, com uso de remédios ou cirurgia.

O que causa sopro no coração e como tratar

Tratamento com remédios

O tratamento envolve medicamentos para controlar a pressão e facilitar o trabalho do coração, com remédios que controlam a sua frequência como propranolol, metoprolol, verapamil ou digoxina, que diminuem o acúmulo de líquidos nos pulmões, como diuréticos, e que controlam a pressão e facilitam a passagem de sangue pelos vasos, como hidralazina e enalapril. 

Tratamento com cirurgia

A cirurgia é indicada pelo cardiologista e cirurgião cardíaco, após avaliação de fatores como sintomas que não melhoram com remédios, gravidade do defeito no coração e presença de outros sinais, como insuficiência cardíaca ou arritmia.

As opções de cirurgia são:

  • Correção da valva por balão, feita com a introdução de um catéter e insuflação de um balão, sendo mais indicada para casos de estreitamento;
  • Correção por cirurgia, feita com a abertura do tórax e do coração para corrigir o defeito na valva ou no músculo;
  • Cirurgia de troca de valva, que pode ser substituída por uma valva sintética ou de metal.

O tipo de cirurgia também varia de acordo com cada caso e com a indicação do cardiologista e cirurgião cardíaco.

A recuperação inicial de uma cirurgia cardíaca, geralmente, é feita na UTI, por cerca de 1 a 2 dias. Em seguida, a pessoa continuará internada no hospital, onde passará por avaliações do cardiologista até que possa ir para casa, onde ficará por algumas semanas sem fazer esforços e se recuperando.

No período de recuperação, é importante ter cuidados com uma alimentação saudável e prática de fisioterapia. Saiba mais detalhes de como é o pós-operatório da cirurgia cardíaca

Sopro cardíaco na gravidez

Em mulheres que tinham algum tipo de defeito silencioso no coração ou sopro cardíaco leve, a gravidez pode causar uma descompensação clínica, provocando sintomas como falta de ar intensa e palpitações. Isto acontece porque, neste período, há um aumento no volume de sangue e na quantidade de sangue bombeado pelo coração, o que exige mais trabalho do órgão. Saiba mais sobre quais são as possíveis causas de falta de ar na gravidez.

Nestes casos, pode ser feito tratamento com remédios para controlar os sintomas, sendo que, se não houver melhora e a cirurgia for necessária, é feita de preferência após o segundo trimestre, quando a gravidez tem mais estabilidade.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...