Síndrome de Borderline: o que é, sintomas, causas e tratamento

A síndrome de borderline ou transtorno de personalidade borderline é caracterizada por mudanças rápidas de humor, medo de ser abandonado pelos amigos ou parceiro, relacionamentos instáveis e comportamentos impulsivos.

Embora a síndrome de borderline não tenha uma causa específica, existe uma predisposição genética para o seu desenvolvimento. Além disso, é mais comum em caso de histórico de maus tratos na infância e abuso de álcool ou drogas pelos pais, por exemplo.

Em caso de suspeita de síndrome de borderline, é importante consultar um psiquiatra para confirmar o diagnóstico. O tratamento geralmente é feito com psicoterapia, mas também pode envolver o uso de medicamentos, como antidepressivos e antipsicóticos.

Imagem ilustrativa número 1

Principais sintomas

Os principais sintomas da síndrome de borderline são:

  • Mudanças rápidas do humor, que podem durar horas ou dias, variando entre momentos de ira, tristeza e ansiedade;
  • Identidade instável, com mudanças rápidas de valores, metas e opiniões sobre carreira profissional, identidade sexual e tipos de amigos, por exemplo;
  • Medo de ser abandonado, pelo parceiro, amigos ou familiares, por exemplo;
  • Relacionamentos instáveis e intensos, com sentimentos que variam rapidamente de idealização da outra pessoa à desvalorização;
  • Sentimentos de desvalorização de si, achando que o parceiro ou amigos, por exemplo, não se importam o suficiente;  
  • Impulsividade, envolvendo-se em jogos de aposta, gasto de dinheiro descontrolado, consumo exagerado de comida, abuso de álcool ou drogas e atividades irresponsáveis;
  • Comportamentos, gestos ou ameaças suicidas, especialmente quando a pessoa acha que será abandonada;
  • Raiva frequente e difícil de ser controlada, especialmente direcionada às pessoas com que se importa, e seguida por sentimentos de vergonha e culpa;
  • Sensação de solidão e de vazio interior, que normalmente é persistente.

Além disso, as pessoas com síndrome de borderline geralmente têm medo de que as emoções fujam do seu controle, demonstrando dificuldade para lidar com situações de estresse e criando uma grande dependência de outras pessoas nestes momentos. Veja mais sintomas da síndrome de borderline.

Teste online de borderline

Faça o teste a seguir para saber o risco de ter a síndrome de borderline:

Possíveis causas

A síndrome de borderline não tem uma causa específica, mas existe uma predisposição genética da pessoa, especialmente quando um dos pais também é afetado. 

Além disso, também é mais comum em caso de histórico de maus tratos, separação ou falta de cuidados pela mãe na infância, desorganização da família na criação dos filhos e abuso de álcool ou drogas pelos pais, por exemplo.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da síndrome de borderline é feito pelo psiquiatra levando em consideração os sintomas presentes, comportamento da pessoa e o prejuízo que os sintomas causam na sua vida pessoal e profissional.

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Psiquiatras e receba o cuidado personalizado que você merece.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

Além disso, geralmente também é indicada a avaliação de outros profissionais de saúde, como psicólogos e terapeutas, para confirmar o diagnóstico.

Como é feito o tratamento

O tratamento da síndrome de borderline é feito com sessões de psicoterapia, especialmente a terapia dialética-comportamental e terapia baseada na mentalização, que podem ajudar a pessoa a lidar melhor com emoções prejudiciais. Conheça outros tipos de psicoterapia.

Além disso, dependendo dos sintomas presentes, podem ser indicados medicamentos para ansiedade, antidepressivos ou antipsicóticos, que devem sempre ser prescritos pelo psiquiatra.

Síndrome de borderline tem cura?

A síndrome de borderline não tem cura. No entanto, com tratamento adequado, os sintomas podem ser controlados e, embora alguns possam permanecer por toda a vida, com o tempo as pessoas tendem a conseguir se relacionar melhor.