12 benefícios da salsa (salsinha) para a saúde e como preparar o chá

A salsa, também conhecida como salsinha, é uma planta medicinal que possui propriedades diurética, antioxidante, antibacteriana, antidiabética, imunomoduladora, citotóxica e nefroprotetora, devido aos seus principais componentes ativos como a miristicina e apigenina (flavonoides), apiol, alfa-pineno e beta-pineno, além de conter vitamina C e carotenos.

Por isso, a salsa pode ser utilizada no tratamento de doenças renais, como infecções urinárias e pedra nos rins, e para pressão alta, já que tem propriedade diurética.

As folhas, sementes e raízes da salsinha são usadas para preparar remédios naturais, vitaminas, chás e para temperar comidas, podendo ser encontrada na forma fresca ou desidratada.

12 benefícios da salsa (salsinha) para a saúde e como preparar o chá

1. Combater as infecções urinárias

A salsinha possui ação antimicrobiana e diurética e, por isso, ajuda a prevenir o surgimento de infecções urinárias recorrentes.

2. Fortalece o sistema imunológico

Por ser rica em vitamina C, zinco e vitamina A e por conter propriedades antimicrobianas, a salsinha ajuda a aumentar as defesas do organismo e fortalecer o sistema imunológico.

Alguns estudos indicam que ajuda a combater alguns tipos de bactérias como Staphylococcus aureus, Bacillus subtilis e Escherichia coli, e vírus, como o vírus da Influenza, sendo uma excelente opção para combater a gripe e o resfriado.

3. Ajuda a controlar a diabetes

O consumo de salsinha pode ajudar a regular o açúcar no sangue, além de proteger o fígado em pessoas com diabetes, uma vez que possui ação antioxidante. Além disso, devido à presença de flavonoides também ajudar a prevenir o surgimento da diabetes, sendo uma excelente opção para as pessoas que sofrem pré-diabetes.

4. Melhora a pressão arterial e combate a retenção de líquidos

A salsinha é rica em potássio, um mineral que favorece a excreção de sódio através da urina, além de possuir propriedades diuréticas, o que ajuda a baixar a pressão arterial e a combater a retenção de líquidos.

5. Prevenir e combater a anemia

Uma vez que é uma planta rica em ferro e ácido fólico, a salsa ajuda a prevenir e a combater a anemia.

O ferro é um dos constituintes das células vermelhas do sangue, que são as células responsáveis pelo transporte de oxigênio no sangue, e o ácido fólico é também necessário para a formação e desenvolvimento dessas células.

Além disso, a salsinha também possui vitamina C, a qual favorece a absorção de ferro a nível intestinal.

6. Promove a saúde da visão

A salsinha é rica em carotenoides, principalmente luteína e zeaxantina, componentes que ajudam a manter a saúde visual e promover a visão saudável. Alguns estudos demonstram que esses compostos ajudam a prevenir a degeneração macular relacionada a idade, que é uma doença que pode causar cegueira.

7. Cuida da saúde da pele

A salsa contém luteína, um tipo de carotenoide que possui ação antioxidante e que ajuda a diminuir o dano oxidativo nas camadas superiores da pele, causado pelos raios ultravioletas do sol, fumaça de cigarro e poluição, prevenindo o envelhecimento precoce.

Além disso, a salsinha possui vitamina C, que além de ser um poderoso antioxidante, também promove a formação de colágeno no organismo, diminuindo a flacidez da pele e aumentando a sua firmeza e elasticidade.

8. Prevenir o aparecimento de pedra nos rins

A salsinha ajuda a estimular a eliminação de líquidos do organismo, além de que um estudo científico indica que poderia diminuir a excreção urinária de cálcio, aumenta o pH urinário, possui efeito nefroprotetor e diminui a excreção urinária de proteína, ajudando a prevenir a formação de pedra nos rins.

9. Prevenir o câncer e doenças crônicas

A salsinha é rica em antioxidantes, flavonoides e carotenoides, compostos que ajudam a combater o dano causado pelos radicais livres às células e a evitar o estresse oxidativo, os quais estão relacionados com o desenvolvimento de câncer e de doenças crônicas.

Os flavonoides estão relacionados com um menor risco de desenvolvimento de câncer de cólon e obesidade. Os carotenoides, como a luteína, podem inibir o crescimento das células cancerígenas relacionadas com o câncer de mama, prevenindo o seu aparecimento. A vitamina C está relacionada com a diminuição do risco do câncer de próstata.

10. Prevenir doenças cardíacas

A salsa é rica em folato, uma vitamina do complexo B que evita a formação de placas de ateroma, ajudando a manter a saúde dos vasos sanguíneos e prevenindo doenças como aterosclerose, infarto ou AVC.

Além disso, também possui vitamina K, que ajuda a melhorar a saúde dos vasos sanguíneos, conferindo uma maior elasticidade e evitando o acúmulo de cálcio, o que pode causar problemas cardiovasculares, como a aterosclerose.

11. Melhora a digestão

Alguns estudos científicos indicam que a salsinha poderia ser benéfica no tratamento de úlceras intestinais, pois aparentemente protege a mucosa gástrica e inibe a secreção gástrica. No entanto, são necessários mais estudos que comprovem essa propriedade.

12. Promove a saúde dos ossos

A salsinha é rica em vitamina K, que favorece a formação óssea devido à atividade dos osteoblastos. Além disso, também é responsável por ativar algumas proteínas que aumentam a densidade óssea e estimula uma maior fixação do cálcio nos ossos e nos dentes, prevenindo a osteoporose.

Informação Nutricional

A tabela a seguir traz a informação nutricional para 100 g de salsinha fresca:

Composição nutricionalSalsinha fresca (100g)
Energia36 calorias
Carboidratos6,33 g
Proteínas2,97 g
Gorduras0,79 g
Fibras3,3 g
Cálcio138 mg
Magnésio50 mg
Ferro6,2 mg
Zinco1,07 mg
Potássio554 mg
Fósforo58 mg
Vitamina C133 mg
Vitamina B10,086 mg
Vitamina B20,098 mg
Vitamina B31,31 mg
Vitamina B60,09 mg
Folato152 mcg
Vitamina A421 mcg
Vitamina E0,75 mg
Vitamina K1640 mcg
Colina12,8 mg

Como consumir

Para utilizar a salsinha em receitas, deve-se escorrer a salsinha fresca e que tenha as folhas bem verdes e firmes ou a salsa pura desidratada, de preferência orgânica, já que esta forma proporciona mais benefícios para a saúde.

A salsinha é bastante versátil, podendo ser utilizada em sucos, sopas, vitaminas, saladas ou para temperar alimentos como frutos do mar e peixes, por exemplo.

A melhor maneira de garantir que a salsinha dure por mais tempo, é lavar antes de usá-la, pois as folhas úmidas na geladeira podem ficar escuras mais rapidamente. Outra sugestão é guardar a salsinha na geladeira em um recipiente fechado. Para fazer com que as folhas durem mais tempo, pode-se colocar um folha de papel toalha sobre a salsinha para que absorva a umidade e mantenha a frescura das folhas por mais tempo.

Chá de salsinha

O chá de salsinha pode ser utilizado para ajudar a combater a infecção urinária, as pedras nos rins, para controlar a hipertensão e a retenção de líquidos.

Ingredientes

  • 1 colher de chá de salsinha desidratada ou 3 colheres de sopa de salsinha fresca;
  • 250 mL de água fervendo

Modo de preparo

Acrescentar a salsinha na água fervente, tampar e deixar repousar por cerca de 10 minutos. Depois, coar e beber no máximo 3 xícaras do chá por dia. É importante recordar que o chá de salsinha é contraindicado para mulheres grávidas.

Suco verde de salsa

O suco verde feito com salsa é rico em antioxidantes que ajudam a manter a pele jovem e saudável e que combatem a retenção de líquidos, ajudando em dietas para emagrecer.

Ingredientes

  • 1/2 xícara de salsa;
  • 1 laranja;
  • 1/2 maçã;
  • 1/2 pepino;
  • 1 copo de água de coco.

Modo de preparo

Bater todos os ingredientes no liquidificador e beber sem adicionar açúcar e sem coar.

Contraindicações da salsinha

A salsa não deve ser consumida por pessoas com problemas renais severos, como insuficiência renal aguda ou crônica ou síndrome nefrótica, por exemplo, ou que fizeram cirurgia há menos de 1 mês.

Além disso, o chá ou suco não deve ser tomados por mulheres grávidas ou que estejam amamentando, pois não se sabe o efeito que poderiam causar no desenvolvimento do bebê ou na lactância materna.

A salsinha contém elevadas quantidades de vitamina K e, por isso, poderia interagir com medicamentos anticoagulantes, como a varfarina, por exemplo, sendo importante consultar o médico antes de consumir.

O chá de salsinha também não deve ser consumido por pessoas que fazem uso de diuréticos, pois pode causar uma perda de minerais através da urina acima do que é indicada.

Esta informação foi útil?
Atualizado e revisto clinicamente por Tatiana Zanin, Nutricionista - em Dezembro de 2021.

Bibliografia

  • SAWSAN Ibrahim; JULNAR Usta. Diuretic effect and mechanism of action of parsley. Journal of Ethnopharmacology. 79. 3; 353-357, 2002
  • U.S DEPARTMENT OF AGRICULTURE . Parsley raw. Disponível em: <https://fdc.nal.usda.gov/fdc-app.html#/food-details/1103365/nutrients>. Acesso em 07 Dez 2021
  • Xiao-Yan Bai et al. Association between Dietary Vitamin C Intake and Risk of Prostate Cancer: A Meta-analysis Involving 103,658 Subjects. Journal of Cancer. 6. 9; 913–921, 2015
  • DAGFINN Aune et al. Dietary intake and blood concentrations of antioxidants and the risk of cardiovascular disease, total cancer, and all-cause mortality: a systematic review and dose-response meta-analysis of prospective studies. The American Journal of Clinical Nutrition. 108. 5; 1069-1091, 2018
  • MERVAT Ahmed. Therapeutic Effects of Parsley Extract in Streptozotocin-induced Gestational Diabetic Rat. Journal of Biological Sciences. 18. 7; 364-372, 2018
  • GONG Xiaoming et al. Carotenoid Lutein Selectively Inhibits Breast Cancer Cell Growth and Potentiates the Effect of Chemotherapeutic Agents through ROS-Mediated Mechanisms. Molecules. 23. 4; 1-18, 2018
  • YUANG Li et al. Lutein inhibits proliferation, invasion and migration of hypoxic breast cancer cells via downregulation of HES1. International Journal of Oncology. 52. 2119-2129, 2018
  • AL-YOUSOFY Fayed et al. Parsley! Mechanism as antiurolithiasis remedy. American Journal of Clinical and Experimental Urology . 5. 3; 55–62, 2017
  • ALYAMI FAHAD; RABAH Danny. Effect of drinking parsley leaf tea on urinary composition and urinary stones' risk factors. Saudi Journal Kidney Diseases and Transplantantion. 22. 3; 511-514, 2011
  • SARWAR Sidra et al. Parsley: A review of habitat, phytochemistry, ethnopharmacology and biological activities. International Journal of Chemical and Biochemical Sciences . 49-55, 2016
  • LIU Yu-Jian et al. Dietary flavonoids intake and risk of type 2 diabetes: a meta-analysis of prospective cohort studies. Clinical nutrition journal . 33. 1; 59-63, 2014
  • WANG Xia et al. Flavonoid intake and risk of CVD: a systematic review and meta-analysis of prospective cohort studies. British Journal of Nutrition. 111. 1; 1-11, 2014
  • CHANG Hui et al. Dietary Flavonoids and the Risk of Colorectal Cancer: An Updated Meta-Analysis of Epidemiological Studies. Nutrients. 10. 7; 1-14, 2018
  • STRINGHETA, Paulo Cesar et. al.. LUTEÍNA: PROPRIEDADES ANTIOXIDANTES E BENEFÍCIOS À SAÚDE. Alim. Nutr. Vol.17. 2.ed; 229-238, 2006
Mais sobre este assunto: