8 exames que confirmam a menopausa

Atualizado em agosto 2023

Para confirmar a menopausa, o ginecologista indica a realização de alguns exames de sangue, como a dosagem de FSH, LH, prolactina. No caso de ser confirmada a menopausa, o médico pode recomendar que seja feita uma densitometria óssea para avaliar a saúde dos ossos da mulher e o risco de osteoporose.

A confirmação da menopausa é feita não só a partir do resultado dos exames, mas também por meio da avaliação dos sinais e sintomas apresentados, como ondas de calor, variação de humor e ausência de menstruação. Confira mais sinais e sintomas indicativos de menopausa.

A menopausa é uma situação natural que acontece devido à diminuição da produção dos hormônios femininos, o que costuma acontecer entre os 45 e 51 anos, e que é caracterizada principalmente pela ausência de menstruação.

Imagem ilustrativa número 1

Principais exames para menopausa

Para confirmar se a falta de menstruação é, de fato, indicativo da menopausa, o ginecologista pode recomendar a realização de exames de sangue, sendo os principais:

1. FSH

O FSH, ou hormônio folículo-estimulante, é um hormônio que tem como função na mulher promover a maturação dos óvulos durante a idade fértil e, por isso, é considerado um hormônio relacionado à fertilidade. Os valores de FSH variam de acordo com o período do ciclo menstrual e idade da mulher.

Esse é um dos principais exames solicitados pelo ginecologista para determinar a menopausa, feito em dois momentos diferentes, com um intervalo de 6 semanas entre os exames, podendo ser verificado valores elevados do hormônio, indicando que há diminuição da função ovariana. Veja mais sobre o exame FSH.

O exame de FSH normalmente é indicado para mulheres entre 40 e 45 anos com sintomas de menopausa ou mulheres com menos de 40 anos quando existe suspeita de menopausa, e não deve ser feito para diagnosticar a menopausa em mulheres que utilizam anticoncepcionais contendo estrogênio ou progesterona, ou apenas progesterona em altas doses.

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Ginecologistas e receba o cuidado personalizado que você merece.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

2. LH

Assim como o FSH, o LH, também chamado de hormônio luteinizante, é um hormônio responsável nas mulheres pela ovulação e produção de progesterona, também relacionado com a capacidade reprodutiva. As concentrações de LH variam de acordo com a fase do ciclo menstrual, sendo verificado valores mais altos durante o período ovulatório.

Normalmente, valores muito elevados de LH são indicativos de menopausa, principalmente se também for verificado aumento do FSH.

3. Estradiol

O exame de estradiol pode ser indicado pelo ginecologista para avaliar o funcionamento dos ovários, o que ajuda a investigar a causa da ausência de menstruação.

No entanto, esse exame sozinho não confirma a menopausa, sendo necessários outros exames, principalmente o de FSH, uma vez que os níveis de estradiol no corpo podem variar de acordo com a fase do ciclo menstrual e idade da mulher. Confira os valores de estradiol de acordo com a fase do ciclo menstrual.

4. Hormônio antimülleriano

O hormônio antimülleriano é um hormônio produzido pelos ovários durante a fase reprodutiva da mulher, sendo normalmente indicado para avaliar a reserva ovariana no diagnóstico de infertilidade, falência ovariana prematura, hipogonadismo hipogonadotrófico ou até síndrome dos ovários policísticos.

No entanto, alguns estudos têm demonstrado que o exame do hormônio antimülleriano pode ajudar a prever quando a menopausa poderá iniciar, uma vez que durante a perimenopausa, que pode surgir até 10 anos antes da última menstruação, não tendo uma idade certa para ocorrer, porém é mais comum ocorrer por volta dos 40 anos, o número de folículos ovarianos diminui.

Porém esse exame não é feito rotineiramente para confirmar a menopausa, pois ainda são necessários mais estudos para determinar os valores de referência para os níveis desse hormônio. 

5. Cortisol

O cortisol é um hormônio naturalmente produzido pelo corpo com o objetivo de ajudar o organismo no controle do estresse e na diminuição da inflamação. No entanto, quando esse hormônio está em concentrações mais altas no sangue, pode trazer alguns prejuízos para a saúde, incluindo alterações no ciclo menstrual devido à desregulação dos hormônios femininos, fazendo com que a mulher passe períodos sem menstruar.

Por isso, com o objetivo de investigar as alterações no ciclo menstrual apresentadas pela mulher, o médico pode solicitar a dosagem do cortisol para verificar se é sinal de menopausa ou é de fato consequência de alterações hormonais provocadas pelos níveis elevados de cortisol. Saiba mais sobre o cortisol alto.

6. Prolactina

A prolactina é um hormônio responsável por estimular as glândulas mamárias a produzirem leite durante a gestação e amamentação, além de também ser importante para regular outros hormônios femininos, interferindo na ovulação e na menstruação. 

O aumento dos níveis de prolactina no sangue fora da gravidez pode levar ao aparecimento de alguns sinais e sintomas, como dificuldade para engravidar, menstruação irregular ou ausência de menstruação e sintomas de menopausa, sendo, portanto, indicado pelo ginecologista para confirmar a menopausa. Confira tudo sobre o exame da prolactina.

7. hCG

O hCG é um hormônio produzido durante a gravidez e que tem como função mantê-la, evitando a descamação do endométrio, que é o que acontece na menstruação. Na investigação da menopausa, o médico pode indicar a realização da dosagem de hCG no sangue ou na urina para verificar se a ausência da menstruação é devido à gravidez ou a alterações hormonais que sejam indicativas de menopausa.

8. Hormônios da tireoide

Os exames de hormônios da tireoide, especialmente o TSH, podem ser solicitados pelo ginecologista como forma de investigação da causa da ausência de menstruação, menstruação irregular, ganho de peso ou diminuição da libido, que são sintomas comuns do hipotireoidismo e da menopausa. 

Assim, o médico pode verificar se os sintomas são devido a alterações na glândula tireoide ou são indicativos de menopausa.

Exame de farmácia da menopausa

É possível fazer um exame rápido de farmácia para detectar a menopausa e que tem como objetivo detectar a quantidade do hormônio FSH na urina, devendo o teste ser realizado da seguinte forma:

  1. Colocar a urina em um frasco limpo e seco;
  2. Inserir a tira do exame dentro do frasco durante cerca de 3 segundos;
  3. Esperar 5 minutos e avaliar o resultado.

A urina pode ser coletada em qualquer hora do dia e o resultado positivo é dado quando surgem 2 linhas no teste, sendo uma de cor mais escura que a linha de controle. Em caso de resultado positivo, a mulher pode estar na menopausa ou na pré-menopausa, devendo consultar um ginecologista para que seja feita a confirmação e seja iniciado o tratamento caso haja necessidade. Na maioria das vezes, este é feito com reposição hormonal. Entenda como é o tratamento da menopausa.