3 remédios caseiros para tosse na gravidez

Manuel Reis
revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro

Os remédios caseiros para combater a tosse com catarro na gravidez devem conter apenas substâncias consideradas seguras para a gestação, como o mel, o gengibre, o limão ou a beterraba, por exemplo, pois acalmam a garganta e ajudam a deixar o catarro mais líquido, facilitando sua eliminação e aliviando a tosse.

Os remédios para tosse de farmácia devem ser evitados ao máximo na gravidez, no entanto, caso sejam necessários, devem ser sempre indicados pelo obstetra, pois grande parte dos medicamentos não são seguros por falta de comprovação científica ou porque atravessam a placenta, podendo afetar o bebê.

Além destes remédios caseiros, a gestante deve beber bastantes líquidos, além de evitar locais frios, muito poluídos ou com poeira no ar, porque estes fatores tendem a piorar a tosse. Saiba mais sobre como combater a tosse na gravidez

1. Chá de limão e gengibre

O chá de limão e gengibre é uma boa opção caseira para aliviar a tosse na gravidez, pois os compostos fenólicos do gengibre, como o gingerol, chogaol e zingerona, têm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que facilitam a eliminação do catarro e ajudam a combater a tosse. 

Além disso, a vitamina C do limão ajuda a fortalecer o sistema imunológico e melhorar as defesas do organismo, ajudando no combate a infecções.

Ingredientes

  • 1 g de gengibre;
  • 1 limão com casca;
  • 1/2 copo de água.

Modo de preparo

Cortar o limão em cubos, fatiar o gengibre e a seguir colocar todos os ingredientes em uma panela para ferver. Depois de fervido, tampar até esfriar, coar e tomar 1 colher de sopa deste chá, 2 vezes ao dia.

Embora exista alguma controvérsia em volta do uso do gengibre, não existem estudos que comprovem seu efeito negativo sob a gravidez, existindo até alguns estudos que apontam para a sua segurança. Ainda assim, o ideal é que se evite passar a dose de 1 grama da raiz de gengibre por dia, pelo período máximo de 4 dias seguidos. 

Este chá não deve ser usado próximo ao parto ou por mulheres com histórico de aborto, problemas de coagulação ou que tenha risco aumentado de hemorragias. Confira a lista de chás que não devem ser usados na gravidez.

2. Xarope de beterraba com mel

O xarope de beterraba com mel pode ser usado para auxiliar no tratamento de tosse, gripes ou resfriados, devido às suas propriedades anti-inflamatórias das vias respiratórias e por ajudar a melhorar o sistema imunológico. 

Além disso, o mel também ajuda a lubrificar a garganta e a reduzir a irritação dos tecidos, aliviando a tosse.

Esse xarope não deve ser usado por pessoas alérgicas ao mel, própolis ou pólen.

Ingredientes

  • 1 beterraba crua;
  • 2 colheres (de sopa) de mel.

Modo de preparo

Lavar e cortar a beterraba em fatias finas e colocar em um recipiente de vidro limpo e seco. Adicionar o mel e misturar. Deixar descansar durante 24 horas e após esse tempo recolher a parte líquida que se formou que é o xarope. É recomendado tomar 1 colher de sopa do xarope, 3 vezes ao dia até ao desaparecimento dos sintomas. 

O xarope de beterraba não deve ser usado por grávidas com diabetes gestacional, pois, por conter mel para o seu preparo, pode aumentar a quantidade de açúcar no sangue e dificultar o controle da glicemia.

3. Xarope de cebola 

O xarope de cebola ajuda a aliviar a tosse devido às resinas que a cebola libera com propriedades expectorantes e antimicrobianas, e o mel, que hidrata a garganta e ajuda a deixar o catarro mais líquido, facilitando sua eliminação.

Ingredientes

  • 1 cebola grande;
  • Mel.

Modo de preparo

Picar finamente uma cebola grande, cobrir com mel e aquecer numa panela tampada, em fogo brando, durante 40 minutos. Depois, deve-se guardar o preparado numa garrafa de vidro, na geladeira. Pode-se tomar meia a uma colher (de chá) a cada 15 ou 30 minutos, até a tosse acalmar.

Por conter mel, o xarope de cebola não deve ser usado por grávidas com diabetes gestacional, pois pode aumentar a quantidade de açúcar no sangue e dificultar o controle da glicemia.

Quando ir ao médico

Se a tosse não melhorar ou aliviar em cerca de 3 dias ou se estiverem presentes outros sintomas como febre, suor e arrepios, deve-se informar ao obstetra, porque podem ser sinais de complicações, como uma infecção, podendo ser necessário tomar antibióticos receitados pelo médico.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Manuel Reis, Enfermeiro em Dezembro de 2021.

Bibliografia

  • HADIPOUR, E.; et al. Biological effects of red beetroot and betalains: A review. Phytother Res. 34. 8; 1847-1867, 2020
  • Herbal Medicine Use during Pregnancy: Benefits and Untoward Effects. 2018. Disponível em: <https://cdn.intechopen.com/pdfs/61138.pdf>. Acesso em 09 Jan 2020
Mostrar bibliografia completa
  • LAELAGO, Tariku. Chapter 7: Herbal Medicine Use during Pregnancy: Benefits and Untoward Effects. In book: Herbal Medicine. London: IntechOpen, 2018. 103-119.
  • DANTE, G.; et al. Herbal therapies in pregnancy: what works?. Curr Opin Obstet Gynecol. 26. 2; 83-91, 2014
  • BEBITOGLU, B. T. Frequently Used Herbal Teas During Pregnancy - Short Update. Medeni Med J. 35. 1; 55-61, 2020
  • ALBERTA HEALTH SERVICES. Nutrition Guideline Pregnancy. 2019. Disponível em: <https://www.albertahealthservices.ca/assets/info/nutrition/if-nfs-ng-pregnancy.pdf>. Acesso em 28 Dez 2021
  • TIRAN, Denise. Ginger to reduce nausea and vomiting during pregnancy: Evidence of effectiveness is not the same as proof of safety. Complementary Therapies in Clinical Practice. 22-25, 2012
  • VILJOEN, Estelle et al.. A systematic review and meta-analysis of the effect and safety of ginger in the treatment of pregnancy-associated nausea and vomiting. Nutrition Journal. 13-20, 2014
  • MILLS, Edward et al.. Herbal Medicines in Pregnancy & Lactation: An Evidence-Based Approach. United Kingdom: Taylor & Francis, 2006.
revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.