Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Chás abortivos: 7 plantas que deve evitar na gravidez

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro

Os chás são preparados com plantas medicinais que possuem substâncias ativas. Por isso, embora sejam naturais, têm um elevado potencial de afetar o normal funcionamento do corpo. Por esse motivo, o uso de chás durante a gravidez deve ser feito com muito cuidado, já que podem afetar o corpo da gestante e prejudicar o desenvolvimento do bebê.

O ideal é que, sempre que se pretenda utilizar um chá durante a gravidez, se questione o obstetra que está acompanhando a gravidez, para saber qual a dosagem e a forma mais correta de utilizar esse chá.

Por existirem muito poucos estudos feitos com o uso de plantas durante a gravidez em humanos, não é possível afirmar com clareza quais as plantas completamente seguras ou abortivas. Como "regra de ouro", todo os chás devem ser evitado durante a gravidez, especialmente sem supervisão do médico.

Veja formas naturais e seguras de combater os desconfortos da gravidez.

Imagem ilustrativa número 2

Chás proibidos na gravidez

As plantas medicinais que são completamente proibidas na gravidez, por existirem relatos comprovados de aborto ou malformações são:

  1. Prímula
  2. Alcaçuz;
  3. Angélica;
  4. Salsinha;
  5. Borragem;
  6. Arruda;
  7. Café.

Além dessas, algumas plantas devem ser evitadas durante a gravidez por apresentarem substâncias com potencial para afetar a gestação, mesmo que não exista comprovação.

Chás que devem ser usados com moderação

Na tabela seguinte é possível identificar as plantas que devem ser consumidas com moderação e sempre com orientação de um médico:

AgnocastoCatuabaHortelãSene
AlecrimCavalinhaInhame selvagemTanaceto
AlfafaCidreiraJarrinhaTanchagem
ArnicaCúrcumaJurubebaTrevo vermelho
AroeiraDamianaKava-kavaUrtiga
ArtemísiaDedaleiraLosnaUva-ursina
AshwagandhaErva-de-santa-mariaMacelaVinca
BabosaErva-doceMilefólioZimbro
BoldoEspinheiro-alvarMirra 
BuchinhaFeno gregoNoz moscada 
CálamoFunchoPassiflora 
CalêndulaGinkgo bilobaPoejo 
CamomilaGinsengQuebra-pedra 
CanelaGuacoRomã 
CarquejaHeraRuibarbo 
Cáscara sagradaHibiscoSaião 
Castanha da ÍndiaHidrasteSalsaparrilha 

Independente desta tabela, é sempre importante consultar o obstetra ou um fitoterapeuta antes de tomar qualquer chá.

Muitos dos chás feitos com estas plantas também devem ser evitados durante a amamentação e, por isso, depois do parto é importante voltar a consultar o médico. Confira a lista de chás a evitar durante a amamentação.

O que pode acontecer se tomar chá

Um dos principais efeitos colaterais do uso de algumas plantas medicinais durante a gestação é o aumento das contrações uterinas, que provoca intensa dor abdominal, podendo haver sangramentos e, até, aborto.

Embora, em alguns casos, o aborto não chegue a acontecer, a toxidade que chega até ao bebê pode ser suficiente para causar graves alterações, comprometendo seu desenvolvimento motor e cerebral. A toxidade das plantas impróprias para uso durante a gravidez também podem causar graves complicações renais, trazendo também riscos para a saúde da gestante.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em novembro de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • ABEBE Moges. The Alarming Toxicity of Ruta Graveolens. Biomedical. 40. 2; 32079-32082, 2021
  • Araújo et al. Use of Medicinal Plants with Teratogenic and Abortive Effects by Pregnant Women in a City in Northeastern Brazil. RBGO Gynecology and Obstetrics. 3. 38; 127-131, 2016
Mostrar bibliografia completa
  • EUROPEAN MEDICINES AGENCY . Assessment report on Salvia officinalis L., folium and Salvia officinalis L., aetheroleum. Disponível em: <https://www.ema.europa.eu/en/documents/herbal-report/final-assessment-report-salvia-officinalis-l-folium-salvia-officinalis-l-aetheroleum-revision-1_en.pdf>. Acesso em 28 set 2020
  • EUROPA MEDICINES AGENCY. Assessment report on Symphytum officinale L., radix . Disponível em: <https://www.ema.europa.eu/en/documents/herbal-report/draft-assessment-report-symphytum-officinale-l-radix_en.pdf>. Acesso em 28 set 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plantas medicinais para uso na gravidez, parto e durante a amamentação. 20. Disponível em: <https://www.saude.sc.gov.br/index.php/documentos/atencao-basica/rede-cegonha/eventos-2/oficina-de-fortalecimendo-do-pre-natal/modulo-ii/9309-4-plantas-na-gestacao-qualisus-rede-cegonha/file>. Acesso em 28 set 2020
  • MEDEIROS, Ana Paula Oliveira. O uso de plantas medicinais por mulheres durante o período gestacional com fins abortivos. Monografia (Graduação em Farmácia), 2016. Faculdade de Farmácia, da Universidade de Rio Verde - UniRV.
  • MILLS, Edward et al.. Herbal Medicines in Pregnancy & Lactation: An Evidence-Based Approach. United Kingdom: Taylor & Francis, 2006.
  • VILJOEN, Estelle et al.. A systematic review and meta-analysis of the effect and safety of ginger in the treatment of pregnancy-associated nausea and vomiting. Nutrition Journal. 13-20, 2014
  • TIRAN, Denise. Ginger to reduce nausea and vomiting during pregnancy: Evidence of effectiveness is not the same as proof of safety. Complementary Therapies in Clinical Practice. 22-25, 2012
  • EXAMINE.COM. Caffeine. Disponível em: <https://examine.com/supplements/caffeine/>. Acesso em 10 mai 2019
  • TELESSAÚDE SANTA CATARINA. Plantas Medicinais na Gestação. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/170067/Slides%20-%20Plantas%20Medicinais%20na%20gesta%C3%A7%C3%A3o.pdf?sequence=2&isAllowed=y>. Acesso em 04 abr 2019
  • GORRIL, Letícia Englerth et al.. Risco das plantas medicinais na gestação uma revisão dos dados de acesso livre em língua portuguesa. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR. vol.20. 67-72, 2016
  • MILLS, Edward et al.. Herbal Medicines in Pregnancy & Lactation: An Evidence-Based Approach. United Kingdom: Taylor & Francis, 2006.
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.