6 remédios caseiros para falta de ar

Alguns remédios caseiros, como o xarope de agrião, o chá verde ou o xarope de sementes de abóbora, podem ajudar a melhorar a falta de ar causada por problemas comuns como gripes ou resfriados, por exemplo, pois possuem substâncias antioxidantes, anti-inflamatórias e imunoestimulantes que fortalecem as defesas naturais do corpo, ajudam a combater a inflamação das vias respiratórias ou a eliminar o catarro.

Esses remédios caseiros podem ser usados para complementar o tratamento médico e ajudar a aliviar a falta de ar. No entanto, não devem ser utilizados em situações mais emergenciais ou graves como crises de asma ou bronquite. Nesses casos, é recomendado consultar o médico para que seja feito o tratamento mais adequado.

6 remédios caseiros para falta de ar

Alguns remédios caseiros que podem ajudar a aliviar a falta de ar são:

1. Xarope de agrião

Alguns estudos feitos com o agrião em pessoas com asma e infecções respiratórias [1,2], mostraram que essa planta pode ter forte ação analgésica, antibiótica, expectorantes e anti-inflamatória das vias respiratórias, podendo ser utilizado para aliviar a tosse e a sensação de falta de ar que pode acontecer na gripe ou em resfriados.

Este xarope não deve ser utilizado por pessoas que têm alergia ao mel, própolis ou pólen.

Ingredientes

  • 500 g de folhas e talos de agrião;
  • 300 g mel;
  • 300 mL de água.

Modo de preparo

Lavar o agrião e picar em pequenos pedaços. Levar ao fogo brando todos os ingredientes e mexer até levantar fervura. Apagar o fogo, deixar esfriar, coar e transferir o xarope para um frasco de vidro escuro, limpo e seco. Tomar 1 colher de sopa 4 vezes ao dia.

Como forma de prevenção de problemas respiratórios, este xarope pode ser ingerido especialmente durante as mudanças de estação e durante todo o inverno.

2. Chá verde

Alguns estudos mostram [3,4] que o chá verde, feito a partir da planta Camellia sinensis, possui cafeína na sua composição, uma substância que ajuda a relaxar os músculos dos brônquios diminuindo a falta de ar e melhorando a respiração.

Além disso, os compostos fenólicos presentes no chá verde, como a epigalocatequina, que tem propriedades antioxidantes, ajudam a reduzir o estresse oxidativo causado pelos radicais livres nas células e a inflamação das vias respiratórias, além de melhorar a ação do sistema imunológico, ajudando o corpo a combater gripes ou resfriados.

O chá verde pode ser utilizado na forma de chás, infusões ou extrato natural, e deve ser utilizado com orientação médica pois o uso em excesso pode prejudicar o fígado.

Ingredientes

  • 1 colher (de chá) de folhas de chá verde ou 1 sachê de chá verde;
  • 1 xícara de água fervente.

Modo de preparo

Adicionar as folhas ou o sachê de chá verde na xícara com água fervente e deixar repousar por 10 minutos. Coar ou retirar o sachê e beber em seguida. Este chá pode ser consumido de 3 a 4 vezes ao dia, ou conforme orientação médica.

O chá verde não deve ser consumido por crianças, mulheres grávidas ou que estejam amamentando, por pessoas que têm insônia, hipertireoidismo, gastrite ou hipertensão arterial. Além disso, por conter cafeína na sua composição, deve-se evitar tomar este chá no fim do dia ou em quantidade superior à recomendada.

3. Chá de limão, alho e gengibre

O chá de limão, alho e gengibre tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias devido à alicina, presente no alho, compostos fenólicos como o gingerol, chogaol e zingerona, do gengibre, e a vitamina C do limão, que ajudam a combater os sintomas do resfriado como falta de ar, tosse, dor de garganta ou mal estar geral.

Além disso, esse chá ajuda a fortalecer o sistema imunológico e diminuir a duração do resfriado.

Ingredientes

  • 3 dentes de alho descascados e cortados ao meio;
  • 1/2 xícara de suco de limão;
  • 1 cm de raiz de gengibre ou ½ colher de chá de gengibre em pó;
  • 3 xícaras de água;
  • Mel para adoçar (opcional).

Modo de preparo

Ferver a água com o alho. Retirar do fogo e acrescentar o suco de limão, o gengibre e o mel. Coar e servir a seguir.

O gengibre não deve ser consumido por pessoas que usam anticoagulantes, e por isso deve ser retirado do chá nesses casos.

4. Xarope de sementes de abóbora

O xarope feito com as sementes de abóbora é outra boa opção de remédio caseiro para falta de ar pois é rico em magnésio que ajuda a melhorar a capacidade respiratória dos pulmões, melhorando a respiração.

Além disso, a semente de abóbora é rica em substâncias anti-inflamatórias que diminuem a inflamação dos brônquios, facilitando a passagem do ar e reduzindo sintomas de gripes ou resfriados.

Este xarope não deve ser utilizado por pessoas que têm alergia ao mel, própolis ou pólen.

Ingredientes

  • 60 sementes de abóbora;
  • 1 colher (de sopa) de mel;
  • 1 xícara de água;
  • 25 gotas de própolis.

Modo de preparo

Descascar as sementes de abóbora, juntar com o mel e a água. Bater tudo no liquidificador e depois adicionar o própolis. Tomar 1 colher (de sopa) deste xarope, de 4 em 4 horas, quando a asma estiver mais atacada.

5. Inalação com vapor de eucalipto

O óleo essencial de eucalipto possui eucaliptol na sua composição, uma substância com ação anti-inflamatória das vias respiratórias, que ajuda a reduzir a produção e facilita a eliminação do catarro, que causa a sensação de falta de ar, nariz entupido e coriza, devido a gripes e resfriados.

Esse óleo essencial deve ser usado somente para inalação e não deve ser consumido por via oral.

Ingredientes

  • 3 a 5 gotas de óleo essencial de eucalipto;
  • 1 litro de água fervente.

Modo de preparo

Adicionar as gotas de óleo essencial de eucalipto na água fervente. Em seguida, deve-se cobrir a cabeça com uma toalha aberta, de modo que cubra também o recipiente contendo a solução do óleo essencial de eucalipto. Inclinar a cabeça sobre o recipiente e inspirar o vapor por 10 minutos. Esta toalha ajuda a manter o vapor da solução por mais tempo.

O óleo essencial de eucalipto não deve ser usado por crianças e por mulheres grávidas ou em amamentação. Além disso, algumas pessoas podem ter sensibilidade ao óleo de eucalipto, especialmente pessoas com algum tipo de alergia respiratória ou asma, e neste caso, deve-se evitar o seu uso.

6. Chá de unha de gato

O chá de unha de gato, preparado com a casca ou raiz da planta medicinal Uncaria tomentosa, é rico em substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes, como a mitrafilina e os ácidos clorogênico e quinico, que ajudam a tratar a inflamação respiratória e aliviar a falta de ar causada por gripes ou resfriados.

Ingredientes

  • 20 g de cascas e raízes de unha de gato;
  • 1 litro de água.

Modo de preparo

Ferver os ingredientes por 15 minutos, em seguida apagar o fogo e deixar repousar no recipiente tampado por 10 minutos. Coar e tomar o chá até 3 vezes ao dia.

O chá de unha de gato não deve ser usado por crianças, mulheres grávidas ou em amamentação e por pessoas com problemas no estômago como gastrite ou úlcera, por exemplo.

Falta de ar na gravidez

Sentir falta de ar na gravidez é uma situação normal, e isto ocorre devido ao crescimento do útero, que diminui o espaço dos pulmões, que encontram mais dificuldades em expandir-se quando a grávida inspira.

Neste caso, deve-se evitar esforços e tentar tranquilizar-se, respirando o mais profundamente possível por alguns minutos. Veja mais sobre a sensação de falta de ar na gravidez e o que fazer para aliviar.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • YOCUM, G. T.; et al. Ginger and its bioactive component 6-shogaol mitigate lung inflammation in a murine asthma model. Am J Physiol Lung Cell Mol Physiol. 318. 2; L296-L303, 2020
  • TOWSEND, E. A.; et al. Active components of ginger potentiate β-agonist-induced relaxation of airway smooth muscle by modulating cytoskeletal regulatory proteins. Am J Respir Cell Mol Biol. 50. 1; 115-24, 2014
  • DOUGLAS, R. M.; et al. Vitamin C for preventing and treating the common cold. Cochrane Database Syst Rev. 3. CD000980, 2007
  • KULCZYNSKI, B.; GRAMZA-MICHALOSWSKA, A. The Profile of Carotenoids and Other Bioactive Molecules in Various Pumpkin Fruits (Cucurbita maxima Duchesne) Cultivars. Molecules. 24. 18; 3212, 2019
  • DHAKAD, A. K.; et al. Biological, medicinal and toxicological significance of Eucalyptus leaf essential oil: a review. J Sci Food Agric. 98. 3; 833-848, 2018
  • JABEEN, Asra et al.. A review of Lepidium sativum. INDO American Journal of Pharmaceutical Sciences. Vol.4, n.8. 2223-2227, 2017
  • PARANJAPE, Archana N.; MEHTA, Anita A.. A Study on Clinical Efficacy of Lepidium sativum Seeds in Treatment of Bronchial Asthma. Iranian Journal of Pharmacology & Therapeutics. Vol.5, n.1. 55-59, 2006
  • SHAN, L.; et al. Epigallocatechin gallate improves airway inflammation through TGF‑β1 signaling pathway in asthmatic mice. Mol Med Rep. 18. 2; 2088-2096, 2018
  • WELSH, E. J.; et al. Caffeine for asthma. Cochrane Database Syst Rev. 2010. 1; CD001112, 2010
  • REYGAERT, Wanda C. The antimicrobial possibilities of green tea. Front Microbiol. 5. 434; 1-8, 2014
  • JOURNAL OF IMMUNOLOGY RESEARCH. Immunomodulation and Anti-Inflammatory Effects of Garlic Compounds. 2015. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4417560/>. Acesso em 09 Nov 2021
  • QUAN QUAN, Mao; XIAO-YU, Xu; et al. Bioactive Compounds and Bioactivities of Ginger (Zingiber officinale Roscoe). Foods. 8. 1-21, 2019
  • SEMWAL, Ruchi B.; et al. Gingerols and shogaols: Important nutraceutical principles from ginger. Phytochemistry Journal. 554-568, 2015
  • FERRARA, Lydia. Phytotherapy as a preventive and adjuvant for the rhinitis. IOSR Journal Of Pharmacy. 6. 1; 6-11, 2016
  • INOUE, T.; et al. Effects of peppermint (Mentha piperita L.) extracts on experimental allergic rhinitis in rats. Biol Pharm Bull. 24. 1; 92-5, 2001
  • MUSIAL, C.; et al. Beneficial Properties of Green Tea Catechins. Int J Mol Sci. 21. 5; 1744, 2020
  • OHISHI, T.; et al. Anti-inflammatory Action of Green Tea. Antiinflamm Antiallergy Agents Med Chem. 15. 2; 74-90, 2016
  • TOWSEND, Elizabeth A.; et al. Effects of Ginger and Its Constituents on Airway Smooth Muscle Relaxation and Calcium Regulation. American Journal of Respiratory Cell and Molecular Biology. 48. 2; 1-7, 2012
Mais sobre este assunto: