Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Quais as chances de sobreviver a um aneurisma

As chances de sobreviver a um aneurisma variam de acordo com o seu tamanho, sua localização, a idade da pessoa e seu estado de saúde geral. No entanto, na maioria dos casos é possível viver por mais de 10 anos com um aneurisma, sem nunca apresentar qualquer sintoma ou ter alguma complicação.

Além disso, muitos casos podem ser operados após o diagnóstico, para remover o aneurisma ou fortalecer as paredes do vaso sanguíneo afetado, reduzindo, quase por completo, as chances de rompimento. Porém, o diagnóstico é muito difícil e, por isso, muitas pessoas só acabam sabendo quando acontece o rompimento ou quando fazem um exame de rotina que acaba identificando o aneurisma.

Veja alguns sinais que podem indicar a presença de um aneurisma.

Quais as chances de sobreviver a um aneurisma

Sintomas de rompimento do aneurisma

Os sintomas de rompimento de um aneurisma variam de acordo com a sua localização. Os dois tipos mais comuns são os aneurisma da aorta e o aneurisma cerebral e, nesses casos, os sintomas incluem:

Aneurisma da aorta

  • Dor intensa repentina na barriga ou nas costas;
  • Dor que irradia do peito para o pescoço, maxilar ou braços;
  • Dificuldade para respirar;
  • Sensação de desmaio;
  • Palidez e lábios arroxeados.

Aneurisma cerebral

  • Dor de cabeça muito intensa;
  • Náuseas e vômitos;
  • Visão embaçada;
  • Dor forte atrás dos olhos;
  • Dificuldade para caminhar;
  • Fraqueza e tonturas;
  • Pálpebras caíndo.

No caso de se apresentar mais destes sintomas, ou se existir suspeita de um aneurisma, é muito importante ir imediatamente ao pronto socorro ou chamar a ajuda médica, ligando para o 192. O aneurisma é uma situação de emergência e, por isso, quanto mais cedo for iniciado o tratamento, maiores as chances de sobreviver e menor o risco de sequelas.

Quando existe maior chance de rompimento

O risco de um aneurisma romper aumenta com o envelhecimento, especialmente após os 50 anos, porque as paredes das artérias ficam mais frágeis e, por isso, podem acabar rompendo com a pressão do sangue. Além disso, pessoas fumantes, que ingerem muitas bebidas alcoólicas ou que sofrem de pressão alta descontrolada, também apresentam um maior risco de rompimento.

Já relacionando com o tamanho do aneurisma, no caso do aneurisma cerebral, o risco é maior quando tem mais de 7 mm, ou quando tem mais de 5 cm, no caso do aneurisma abdominal ou da aorta. Nesses casos, geralmente é indicado o tratamento com cirurgia para correção do aneurisma, após avaliação do risco pelo médico. Entenda como é feito o tratamento no caso do aneurisma cerebral e do aneurisma da aorta.

Gravidez pode aumentar o risco de rompimento?

Embora o corpo da mulher passe por várias alterações durante a gestação, não existe um risco aumentado do aneurisma romper, mesmo durante o parto. No entanto, muitos obstetras preferem optar pela cesárea para diminuir o estresse causado pelo parto natural sobre o corpo, principalmente se o aneurisma for muito grande ou se já tiver acontecido um rompimento anterior.

Possíveis sequelas do rompimento do aneurisma

A maior complicação do rompimento do aneurisma é o risco de morte, já que a hemorragia interna causada pelo rompimento pode ser difícil de parar, mesmo com o tratamento adequado.

Porém, caso seja possível parar o sangramento, existe ainda a possibilidade de outras sequelas, especialmente no caso do aneurisma cerebral, já que a pressão da hemorragia pode causar lesões no cérebro, que acabam gerando complicações semelhantes à de um AVC, como fraqueza muscular, dificuldade para mexer uma parte do corpo, perda de memória ou dificuldade para falar, por exemplo. Veja uma lista de outras sequelas do sangramento no cérebro.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar