Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Prolactina alta: sintomas, causas e tratamento

Novembro 2020

A prolactina alta, também conhecida como hiperprolactinemia, é uma situação caracteriza pelo aumento desse hormônio no sangue, que normalmente está relacionado com a estimulação da produção de leite pelas glândulas mamárias durante a gravidez, regulação dos hormônios femininos relacionados com a ovulação e a menstruação, e relaxamento após o orgasmo, no caso dos homens.

Assim, a prolactina alta pode acontecer tanto em homens quanto em mulheres e ser consequência da gravidez, síndrome dos ovários policísticos, estresse ou tumor na hipófise, por exemplo, podendo causar sintomas que podem variar de acordo com a causa.

É importante que o clínico geral, ginecologista ou urologista seja consultado assim que surgirem sinais e sintomas indicativos de hiperprolactinemia, pois assim é possível confirmar o diagnóstico, identificar a causa e iniciar o tratamento mais adequado.

Prolactina alta: sintomas, causas e tratamento

Sintomas de prolactina alta

Os sintomas de prolactina alta podem variar de homem para mulher e também de acordo com a causa do aumento dos níveis de prolactina no sangue. No entanto, de forma geral, os principais sinais e sintomas de hiperprolactinemia são:

  • Diminuição da libido;
  • Alteração no ciclo menstrual, em que a mulher pode ter menstruação irregular ou ausente;
  • Disfunção erétil;
  • Infertilidade;
  • Osteoporose;
  • Aumento das mamas nos homens;
  • Diminuição do nível de testosterona e da produção de espermatozoides.

A prolactina alta é normalmente identificada pelo ginecologista, urologista ou clínico geral por meio da avaliação dos sintomas apresentados pela pessoa, histórico de saúde e realização da dosagem desse hormônio no sangue.

É considerado hiperprolactinemia quando os níveis de prolactina encontram-se superiores a 29,2 ng/mL, no caso das mulheres não grávidas e fora do período de amamentação, e acima de 20 ng/mL no caso dos homens, podendo o valor de referência variar entre os laboratórios. Saiba mais sobre o exame de prolactina e como entender o resultado.

Prolactina alta: sintomas, causas e tratamento

Principais causas

A prolactina é um hormônio naturalmente produzido durante a gravidez e que tem como função estimular as glândulas mamárias a produzirem leite, sendo esse aumento considerado normal, além de também ser notado um aumento próximo ao período menstrual. No entanto, outras situações que podem levar ao aumento da prolactina e que devem ser investigadas e tratadas de acordo com a orientação do médico são:

  • Alterações na tireoide, principalmente hipotireoidismo;
  • Síndrome dos ovários policísticos;
  • Efeito colateral de alguns medicamentos, como antidepressivos e anticonvulsivantes;
  • Estresse;
  • Doença de Addison;
  • Exposição à radiação na região da cabeça;
  • Cirurgia na cabeça ou no tórax ou traumatismos nestes locais;
  • Prática de exercício físico de forma intensa.

Além disso, é comum que alterações na hipófise, principalmente nódulos ou tumores, levem ao aumento dos níveis de prolactina e de outros hormônios, isso porque essa glândula endócrina é responsável pela regulação da produção hormonal. Assim, quando há alteração nessa glândula, há disfunção na produção de alguns hormônios, incluindo a prolactina.

Como é o tratamento

O tratamento para prolactina alta normalmente varia de acordo com a causa do aumento dos níveis desse hormônio e tem como objetivo controlar e aliviar os sinais e sintomas, além de controlar os níveis de prolactina no sangue.

Assim, quando o aumento da prolactina é devido ao uso de remédios hormonais, por exemplo, o médico pode indicar a suspensão do medicamento, troca ou alteração da dose. Já no caso de tumores, pode ser indicada a realização de cirurgia para remoção do tumor, seguida de sessões de quimioterapia.

Quando o aumento da prolactina acontece devido à gravidez, não é necessário tratamento, isso porque esse aumento é considerado normal e necessário para que seja produzido leite suficiente para amamentar o bebê. Nesse caso, os níveis de prolactina diminuem à medida que acontece a amamentação.

Além disso, quando a hiperprolactinemia tem como consequência disfunções sexuais, principalmente nos homens, ou provoca enfraquecimento dos ossos, desregulação do ciclo menstrual ou alteração em algumas funções do organismo, pode ser indicado o uso de medicamentos específicos para essas situações.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • LABORATÓRIO PRÓ-EXAME. Hiperprolactinema: Uma revisão sobre aspectos de sua avaliação. 2018. Disponível em: <http://www.proexame.com.br/painel/informativos/images/NzA=/Lab.com%20Hiperprolactinemia_Junho_2018.pdf>. Acesso em 25 Nov 2020
  • FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. A hiperprolactinemia no consultório do ginecologista: como e quando o tratamento medicamentoso é indicado?. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/344-a-hiperprolactinemia-no-consultorio-do-ginecologista-como-e-quando-o-tratamento-medicamentoso-e-indicado>. Acesso em 25 Nov 2020
  • HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Protocolo de hiperprolactinemia (no adulto). 2015. Disponível em: <http://www.hu.ufsc.br/setores/endocrinologia/wp-content/uploads/sites/23/2015/01/PROTOCOLO-DE-HIPERPROLACTINEMIA-ADULTO-09-de-novembro-de-2015.pdf>. Acesso em 25 Nov 2020
Mais sobre este assunto:

Carregando
...