10 pomadas para coceira na vagina (e como usar)

Atualizado em janeiro 2024

As pomadas para coceira na vagina, como o miconazol, a nistatina ou o isoconazol, podem ser indicados pelo ginecologista para o tratamento da candidíase vaginal, ajudando a aliviar a coceira intensa, irritação e corrimento branco.

No entanto, dependendo da sua causa, outras pomadas podem ser recomendadas como dexametasona, metronidazol ou estrogênio, para aliviar a coceira vaginal devido a vulvovaginite, vaginose bacteriana ou vaginite atrófica, por exemplo.

Leia também: 6 pomadas ginecológicas (como usar e cuidados) tuasaude.com/pomada-ginecologica

É importante que as pomadas para coceira vaginal sejam indicadas pelo ginecologista de acordo com a causa da coceira e usadas pelo tempo de tratamento recomendado pelo médico, e não devem ser usadas na gravidez, sem que tenham sido indicadas pelo obstetra. Veja as principais causas de coceira na vagina.

Imagem ilustrativa número 1

Principais pomadas para coceira na vagina

As principais pomadas para coceira na vagina que podem ser indicadas pelo ginecologista são:

1. Miconazol

O miconazol é uma pomada antifúngica indicada para o tratamento da candidíase, pois age eliminando a Candida albicans da região genital, aliviando os sintomas de coceira intensa, vermelhidão e corrimento branco. Saiba identificar os sintomas de candidíase vaginal.

Essa pomada pode ser encontrada na sua forma genérica sob a designação “nitrato de miconazol”, contendo 14 aplicadores vaginais.

Além disso, o miconazol também pode ser encontrado em associação com o tinidazol, outro antifúngico, com os nomes Crevagin ou Amplium G, para ser usado por 7 dias.

Como usar: aplicar a pomada vaginal de nitrato de miconazol, utilizando o aplicador fornecido na embalagem, 1 vez ao dia, de preferência à noite, durante 14 dias seguidos. Deve-se colocar a pomada no aplicador, e inseri-lo o mais profundamente possível no canal vaginal. Descartar o aplicador após o uso.

2. Nistatina

A pomada para coceira vaginal de nistatina impede o crescimento e a multiplicação da Candida albicans, sendo indicada para a candidíase vulvovaginal aliviando os sintomas de coceira intensa, irritação vaginal e corrimento branco.

Essa pomada pode ser encontrada em farmácias ou drogarias com o nome comercial Micostatin ou na forma de genérico como “nistatina”, contendo 10 ou 14 aplicadores vaginais.

Como usar: colocar a pomada dentro do aplicador fornecido na embalagem e aplicar profundamente no canal vaginal, 1 vez por dia, de preferência à noite, durante 10 a 14 dias, conforme indicação médica. O uso dessa pomada não deve ser interrompido durante a menstruação. Caso os sintomas não desapareçam em 14 dias, deve-se retornar ao médico. Veja mais detalhes sobre como usar a nistatina.

3. Isoconazol

A pomada para coceira vaginal de isoconazol age eliminando o fungo causador da candidíase, ajudando a aliviar os sintomas de coceira, vermelhidão ou corrimento vaginal.

Essa pomada pode ser encontrada com o nome comercial Gyno-Icaden, ou na forma de genérico sob a designação “nitrato de isoconazol”, contendo 7 aplicadores vaginais.

Como usar: aplicar a pomada vaginal de isoconazol, o mais profundamente na vagina, utilizando o aplicador, 1 vez ao dia, de preferência à noite, durante 7 dias seguidos. Essa pomada pode reduzir a eficácia do preservativo ou diafragma, podendo não ser eficaz na prevenção de gravidez ou proteção contra doenças sexualmente transmissíveis.

4. Clotrimazol

A pomada para coceira vaginal de clotrimazol é indicada para candidíase pois age inibindo o crescimento do fungo Candida albicans, aliviando a coceira intensa e outros sintomas como irritação, vermelhidão e corrimento na região genital.

Essa pomada pode ser encontrada com os nomes comerciais Gino-canesten ou Lomecan creme vaginal ou ainda com o nome genérico “clotrimazol”, contendo 3 ou 6 aplicadores vaginais.

Como usar: aplicar a pomada vaginal de clotrimazol 1 vez por dia, de preferência à noite, durante 3 ou 6 dias, conforme orientação médica. Essa pomada não deve ser usada durante a menstruação. Além disso, é recomendado evitar relação sexual durante o tratamento, pois a candidíase pode ser transmitida ao parceiro e o creme vaginal de clotrimazol pode reduzir a eficácia do preservativo ou diafragma. Veja outras formas de utilizar o clotrimazol para candidíase.

5. Tioconazol + tinidazol

A pomada para coceira vaginal de tioconazol e tinidazol é indicada para o tratamento da candidíase ou gardnerella, ou a infecção sexualmente transmissível, tricomoníase.

Essa pomada pode ser encontrada na forma de genérico como Tioconazol + Tinidazol, ou com os nomes comerciais Gynomax ou Gynben, em embalagens contendo 7 aplicadores vaginais.

Como usar: aplicar a pomada profundamente no canal vaginal, utilizando o aplicador, 1 vez ao dia, à noite, durante 7 dias, de preferência à noite e fora do período menstrual. Em alguns casos, o médico pode recomendar o uso da pomada 2 vezes ao dia, durante 3 dias.

6. Ácido lático e glicogênio

A pomada de ácido lático e glicogênio é indicada para o tratamento da vaginose bacteriana, causada pela bactéria Gardnerella vaginalis que vive naturalmente na vagina, mas que devido a desequilíbrios da microbiota vaginal pode se proliferar.

Essa pomada ajuda a equilibrar o pH e a microbiota vaginal aliviando os sintomas da vaginose bacteriana como coceira intensa, vermelhidão e corrimento com cheiro de peixe podre. Veja outros sintomas da vaginose bacteriana.

A pomada de ácido lático e glicogênio pode ser encontrada com o nome Gino-Canesten Balance, contendo 7 bisnagas aplicadoras de dose única diária.

Como usar: romper a tampa da bisnaga aplicadora e inserir no canal vaginal, apertando a bisnaga para liberar a pomada. A aplicação deve ser feita 1 vez por dia, de preferência à noite, durante 7 dias seguidos. Descartar a bisnaga aplicadora após seu uso.

7. Cloreto de benzalcônio

A pomada para coceira vaginal de cloreto de benzalcônio, geralmente está associada à nistatina e ao benzoilmetronidazol, e é indicada para o tratamento de infecções fúngicas, bacterianas ou por protozoários, como a candidíase, a vaginose bacteriana, e a tricomoníase.

Essa pomada pode ser encontrada com o nome comercial Bio-Vagin, contendo 1,25 mg de cloreto de benzalcônio, 62,5 mg de benzoilmetronidazol e 25.000UI de nistatina, com 10 aplicadores.

Como usar: deve-se colocar a pomada dentro do aplicador e inserir profundamente no canal vaginal, 1 vez por dia, dê preferência à noite, por 10 dias de tratamento.

8. Dexametasona

A pomada para coceira vaginal de dexametasona, geralmente é encontrada em associação com nistatina, neomicina, tirotricina e ácido bórico, sendo indicada para o tratamento da candidíase ou vulvovaginite bacteriana.

Essa pomada tem propriedades antifúngicas, anti-inflamatórias, antissépticas e antibacterianas, que ajuda a eliminar o fungo Candida albicans, ou bactérias como a Gardnerella vaginallis, Mycoplasma hominis ou Mobiluncus mulieris, aliviando os sintomas de coceira vaginal, vermelhidão ou irritação da vulva e da vagina.

A pomada de dexametasona, nistatina, neomicina, tirotricina e ácido bórico, pode ser encontrada com os nomes comerciais Gynax N ou Trivagel-N, contendo 10 aplicadores vaginais.

Como usar: inserir a pomada dentro do aplicador e introduzi-lo profundamente no canal vaginal para liberar a pomada, 1 vez ao dia de 7 a 10 dias de tratamento, conforme orientação médica. Descartar o aplicador após o uso.

9. Estrogênio

A pomada de estrogênio é indicada para vaginite atrófica causada pela menopausa, devido a diminuição do hormônio estrogênio no organismo, que faz com que com que a parede da vagina fique mais fina e seca, levando ao surgimento de coceira, infecções vaginais ou dor durante o contato íntimo. Veja outros sintomas da vaginite atrófica.

Essa pomada pode ser encontrada com o nome Estriol Creme Vaginal, contendo 1 aplicador vaginal, e não deve ser usada sem que tenha sido recomendada pelo ginecologista, pois é contra-indicada para mulheres com histórico de câncer de mama ou de útero, problemas no fígado, ou têm ou tiveram algum problema causado por coágulos de sangue.

Como usar: colocar a pomada no aplicador e introduzi-lo no canal vaginal profundamente para liberar a pomada. A dose normalmente recomendada é de 1 aplicação por dia, durante as primeiras semanas, conforme orientação médica. Essa aplicação pode ser diminuída pelo médico para 1 aplicação duas vezes por semana. O aplicador deve ser lavado com água morna e sabonete neutro após o seu uso.

10. Poliglicerilmetacrilato

A pomada de poliglicerilmetacrilato, associada a óleo de borragem, bisabolol e polímero protetor, ajuda a hidratar e aliviar a coceira e a irritação na vulva, causada por irritações ou secura vulvar.

Essa pomada pode ser encontrada com o nome Isdin Woman Hidratante Vulvar, para ser usada na região da vulva, que é a região externa da vagina, formada pelos pequenos e grandes lábios.

Como usar: aplicar a pomada externamente na região da vulva, 2 vezes por dia, de manhã e à noite, pelo tempo de tratamento orientado pelo ginecologista. O uso excessivo pode causar irritação na vulva, além disso, essa pomada não deve ser aplicada dentro do canal vaginal.

Como aplicar as pomadas

Para aplicar as pomadas para coceira vaginal, que vêm com aplicador, deve-se puxar o êmbolo do aplicador até o fim, retirar a tampa da pomada e encaixar o aplicador no bico da bisnaga do pomada, rosqueando para que fique firme. Apertar a bisnaga da pomada para encher o aplicador e, quando estiver cheio, desenroscar da bisnaga e tampar a pomada.

Deitar com as pernas dobradas e ligeiramente abertas e introduzir cuidadosamente o aplicador cheio de pomada no canal vaginal, empurrando o êmbolo até o fim. Em seguida, retirar o aplicador e descartá-lo.

No caso da pomada de estrogênio, que vem com apenas 1 aplicador, deve-se lavá-lo em água morna e com sabonete neutro, secando bem com uma toalha limpa e seca, após seu uso.

Cuidados ao usar as pomadas

Alguns cuidados são importantes ao usar as pomadas para coceira vaginal, como:

  • Lavar as mãos antes e após a aplicação da pomada;
  • Fazer a higiene intima antes de aplicar a pomada;
  • Fazer o tratamento pelo tempo determinado pelo ginecologista;
  • Não interromper o tratamento por conta própria, mesmo que os sintomas desapareçam rapidamente;
  • Aplicar a pomada de preferência à noite;
  • Remover vestígios da pomada na manhã seguinte à sua aplicação;
  • Manter a região íntima limpa e bem seca;
  • Utilizar roupa de algodão pouco apertada;
  • Beber bastantes líquidos;
  • Evitar o consumo de álcool, açúcar e alimentos gordurosos;
  • Não utilizar absorventes internos, duchas vaginais ou espermicidas durante o tratamento.

Além disso, é recomendado evitar relação sexual durante o tratamento, pois algumas infecções vaginais podem ser transmitidas ao parceiro(a) e algumas pomadas podem reduzir a eficácia do preservativo ou diafragma. Nos casos de infecções sexualmente transmissíveis (IST´s), o parceiro(a) também deve ser tratado(a). Veja as principais IST´s e tratamento.

Algumas pomadas também não devem ser usadas durante o período menstrual, por isso, deve-se ter a orientação médica sobre a forma de uso e tempo de tratamento.

Quem não deve usar

As pomadas para coceira vaginal não devem ser usadas por crianças ou por mulheres que têm alergia a qualquer um dos componentes das pomadas.

Durante a gravidez ou amamentação, essas pomadas devem ser usadas somente se recomendadas pelo médico.

Além disso, as pomadas vaginais não são indicadas para mulheres que apresentam sintomas como febre, dor abdominal ou nas costas, náusea ou hemorragia vaginal. Nesses casos, deve-se consultar o ginecologista.

Quando ir ao médico

É importante consultar o ginecologista sempre que surgir coceira na vagina ou estiver acompanhada de outros sintomas, como:

  • Coceira intensa;
  • Corrimento vaginal branco, cinza, amarelo ou esverdeado;
  • Corrimento com mau cheiro;
  • Corrimento vaginal fino e líquido como água;
  • Vermelhidão na vulva e/ou vagina;
  • Irritação vaginal;
  • Sensação de queimação na região íntima;
  • Inchaço na vulva e/ou vagina;
  • Dor ou desconforto ao urinar;
  • Dor, desconforto ou sangramento durante o contato íntimo;
  • Vontade frequente de urinar;
  • Sensação de peso na região íntima;
  • Secura vaginal.

Esses sintomas devem ser avaliados pelo ginecologista, para identificar a causa da coceira vaginal, e assim, ser indicado a melhor pomada ou outros tratamentos, de acordo com sua causa.