Polidactilia: o que é, sintomas, causas, tipos e tratamento

Atualizado em fevereiro 2023

A polidactilia é a presença de um ou mais dedos extras nas mãos ou nos pés, podendo ser percebido através de sintomas como mais de 5 dedos na mão ou no pé, que geralmente são pequenos e mal desenvolvidos, sendo mais comum de surgir um dedo mindinho ou um polegar extra.

Essa condição, também chamada de hiperdactilia ou dedo extranumérico, é uma mal formação congênita causada por alterações genéticas aleatórias ou hereditárias, ou ainda ser associada a outras condições ou síndrome, como anemia de Fanconi, síndrome de Patau ou trissomia do 21, por exemplo.

A polidactilia pode ser identificada durante a gravidez, através de ultrassom ou testes genéticos, por isso durante a gestação é importante a realização do pré-natal e acompanhamento com o obstetra, sendo que o tratamento depende da localização da polidactilia e, alguns casos, é indicada a cirurgia para retirada do dedo extra.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas de polidactilia

Os principais sintomas da polidactilia são:

  • Um ou mais dedos extras nas mãos, chamada de quirodáctilo;
  • Um ou mais dedos extras nos pés, chamada de pododáctilo;
  • Dedo extra pequeno, mal desenvolvido e não funcional;
  • Dedo extra sem osso, formado somente de pele e tecidos moles;
  • Dedo extra com osso, pele e tecidos moles, mas sem articulações;
  • Dedo extra totalmente formado, com pele, tecidos moles, ossos e articulações;
  • Ausência de dor no dedo extra.

O dedo extra é mais comum de surgir ao lado do dedo mindinho ou do polegar, e embora seja menos comum também pode surgir entre os dedos do meio da mão ou do pé.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico de polidactilia pode ser feito pelo obstetra durante a gravidez através do ultrassom transvaginal na 9ª semana de gravidez, sendo possível visualizar os brotos dos dedos em formação, ou ultrassom morfológico no primeiro 1º trimestre, entre as semanas 11 e 13, da gestação, através do acompanhamento o pré-natal.

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Obstetras e receba o cuidado personalizado que você merece.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

No caso de ser detectado um ou mais dedos extras, o médico deve fazer uma avaliação por ultrassom completa, obtendo imagens do coração, sistema nervoso e dos membros, além da translucência nucal, de forma a identificar doenças genéticas, como anemia de Fanconi, trissomia 13, trissomia 21, ou síndrome de Meckel-Gruber, por exemplo.

Além disso, o médico também deve avaliar o histórico familiar de polidactilia e outras síndromes, e a realização de testes genéticos. No caso da polidactilia isolada, o obstetra deve fazer um acompanhamento entre a 17ª e 34ª semanas da gestação, através do ultrassom com perfil biométrico.

Após o bebê nascer, geralmente, não são necessários exames para diagnosticar a polidactilia, pois é uma alteração visível, no entanto, o pediatra poderá solicitar um raio X para verificar se os dedos extras estão ligados aos outros dedos normais pelos ossos ou nervos. Além disso, caso seja indicada cirurgia de retirada do dedo a mais, o médico poderá solicitar outros exames de imagem e de sangue.

Possíveis causas

A polidactilia é causada por alterações genéticas que podem ocorrer sem nenhuma causa aparente ou podem ser hereditárias, sendo transmitidas de pais para filhos, ou ainda ser causada por síndromes genéticas.

As principais causas da polidactilia são:

  • Alterações genéticas aleatórias durante a gravidez;
  • Histórico familiar de polidactilia;
  • Anemia de Fanconi;
  • Síndrome de Ellis-van Creveld;
  • Síndrome de Down;
  • Síndrome de Patau;
  • Síndrome de Greig;
  • Síndrome de Bardet-Bied;
  • Síndrome ou alteração de VACTERL.

Durante o desenvolvimento do bebê, a formação das mãos acontecem até à sexta ou sétima semana de gestação e se, durante essa fase, se acontecer alguma alteração, esse processo de formação pode ser prejudicado, levando ao surgimento de dedos a mais na mão ou no pé.

Que tipo de herança é a polidactilia?

A polidactilia causada por alterações genéticas hereditárias, é um tipo de herança autossômica dominante, o que significa que o bebê herda um gene normal e um gene defeituoso, sendo que o gene alterado domina sobre o gene normal, fazendo com que a polidactilia se desenvolva.

Geralmente, quando a polidactilia é causada por herança hereditária, é comum ocorrer em várias pessoas da mesma família.

Tipos de polidactilia

A polidactilia isolada é classificada diferentes tipos:

  • Polidactilia pré-axial: acontece quando nasce um ou mais dedos do lado do polegar do pé ou da mão;
  • Polidactilia central: consiste no crescimento de dedos extras no meio da mão ou do pé, porém é um tipo muito raro;
  • Polidactilia pós-axial: é o tipo mais comum, ocorre quando o dedo a mais nasce ao lado do dedo mindinho, da mão ou do pé.

Na polidactilia central, frequentemente, também acontece outro tipo de alteração genética como a sindactilia, que é quando os dedos extras nascem grudados um no outro.

Além disso, a polidactilia pode ser classificada como polidactilia isolada, que ocorre quando a modificação genética altera apenas a quantidade de dedos nas mãos ou nos pés, ou a polidactilia sindrômica que acontece em pessoas que têm síndromes genéticas.

Como é feito o tratamento

O tratamento da polidactilia é indicado por um médico ortopedista e depende do local e da forma como o dedo extra está conectado aos outros dedos, pois podem partilhar de nervos, tendões e ossos que são estruturas importantes para o movimento das mãos e pés.

Quando o dedo extra se localiza no mindinho e é composto apenas de pele e gordura, o tratamento mais indicado é a cirurgia e normalmente é realizado em crianças até 2 anos. Porém, quando o dedo extra está implantado no polegar, a cirurgia também pode ser indicada, entretanto, costuma ser mais complicada, pois requer muitos cuidados para não prejudicar a sensibilidade e a posição do dedo.

Algumas vezes, adultos que não retiraram o dedo extra quando criança, podem optar por não fazer a cirurgia, já que ter um dedo a mais não causa nenhum problema de saúde.