Pelagra: sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Dr. Arthur Frazão
Oftalmologista
fevereiro 2022

A pelagra é uma doença rara causada pela deficiência de vitamina B3, também conhecida como niacina, no organismo, o que pode provocar alterações na pele, diarreia e alterações neurológicas, como dor de cabeça, confusão mental e perda de memória, por exemplo.

A deficiência dessa vitamina pode acontecer devido ao baixo consumo de alimentos ricos nessa vitamina, ou ser consequência da má-absorção da vitamina B3 no intestino, o que pode ser devido à doença de Crohn, por exemplo.

Assim, é importante que a causa da pelagra seja identificada para que seja possível iniciar o tratamento mais adequado, que pode envolver alteração nos hábitos alimentares e uso de suplementos de vitamina B3, por exemplo.

Sintomas de pelagra

A pelagra pode ser caracterizada pela tríade de sintomas: dermatite, diarreia e demência, que não necessariamente acontecem nessa ordem, além de poder acontecer em intensidades diferentes entre as pessoas. De forma geral, os principais sintomas que podem ser indicativos de pelagra são:

  • Lesões simétricas na pele que fica mais exposta ao sol;
  • Vermelhidão no rosto, com padrão semelhante à asa de borboleta;
  • Lesões no pé que não envolvem a região do pé que normalmente é envolvida por chinelos de dedo;
  • Vermelhidão e coceira no dorso da mão;
  • Presença de bolhas na pele;
  • Espessamento e escurecimento da pele;
  • Surgimento de fissuras nos pés, que pode causar dor ao andar;
  • Vômitos;
  • Dor de cabeça;
  • Confusão mental e desorientação;
  • Perda de memória;
  • Alterações do humor.

Na presença desses sintomas, é importante que o médico seja consultado para que sejam feitos exames que ajudem a confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento mais adequado, pois caso isso não seja feito, é possível que a pessoa comece a apresentar delírios e evoluir para um quadro de coma e, em seguida, morte devido à falência múltipla de órgãos.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da pelagra é feito pelo clínico geral ou dermatologista a partir da avaliação dos sinais e sintomas, além de também ser indicada a realização de exames de sangue e de urina para verificar a quantidade de vitamina B3 no organismo. Além disso, em alguns casos pode ser também indicada a realização de uma biópsia da pele para descartar outras doenças em que os mesmos sintomas possam estar presentes.

Possíveis causas

De acordo com a causa, a pelagra pode ser classificada em dois tipos principais:

  • Pelagra primária, que acontece devido ao consumo insuficiente de alimentos ricos em niacina e triptofano, que é um aminoácido que é convertido à niacina no organismo;
  • Pelagra secundária, que acontece devido a alterações na absorção da vitamina B3 no organismo, o que pode ser devido ao consumo excessivo de álcool, uso de medicamentos, doenças de Crohn, malnutrição, cirrose e realização de diálise, por exemplo.

Além disso, alguns tipos de câncer também podem favorecer o desenvolvimento da pelagra, pois podem interferir diretamente no metabolismo do triptofano, que não é convertido em niacina.

Como é feito o tratamento

O tratamento para a pelagra deve ser orientado pelo médico e nutricionista de acordo com a causa da deficiência da vitamina B3 e sintomas apresentados pela pessoa. Assim, pode ser indicado o uso de suplementos nutricionais, como niacinamida e ácido nicotínico em associação com outras vitaminas do complexo B, numa dosagem que deve ser determinada pelo médico, em função do estado de saúde da pessoa.

Além disso, é recomendado o aumento do consumo de alimentos ricos em triptofano, como queijo, castanha de caju, amêndoa, ovo, ervilha e abacate, por exemplo, assim como alimentos ricos em vitamina B3, como frango, peixes, sementes de gergelim, tomate e amendoim. Conheça outros alimentos ricos em vitamina B3 

É também importante tratar a doença que está na origem do déficit de niacina e/ou alterar os estilos de vida que possam contribuir para a diminuição desta vitamina, como é o caso do uso excessivo de álcool, uso inadequado de certos medicamentos ou realização de dietas pobre em vitaminas.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em fevereiro de 2022. Revisão médica por Dr. Arthur Frazão - Oftalmologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • ALVES, Andreia O.; BORTOLATO, Thaissa; FILHO, Fred B. Pellagra. The Journal of Emergency Medicine. Vol 54. 2 ed; 238-240, 2018
  • JUNIOR, José Vitor O.; ZACCARIOTTO, Lílian Maria; MACIEL, Juliana N.; SITTART, José Alexandre. Pelagra. Rev Soc Bra Clin Med. Vol 6. 4 ed; 139-141, 2008
Mostrar bibliografia completa
  • PORTAL DO GOVERNO BRASILEIRO. Qual o tratamento para pelagra?. 2019. Disponível em: <https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/13656/1/Telessauders_pelagra.pdf>. Acesso em 23 jul 2020
  • BADAWY, Abdulla A.-B et. al.. Pellagra and Alcoholism: A Biochemical Perspective. Alcohol and Alcoholism. Vol.49. 3.ed; 238-250, 2014
Revisão médica:
Dr. Arthur Frazão
Clínico geral
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878