Parosmia: o que é, causas e tratamento

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
fevereiro 2022

A parosmia é um distúrbio do olfato em que ocorre uma dificuldade para identificar os cheiros, podendo haver alteração na sua percepção, fazendo com que os cheiros que antes eram normais ou agradáveis, passam a ser sentidos como desagradáveis ou insuportáveis. Como o olfato está diretamente relacionado com o paladar, em alguns casos a pessoa que sofre com a parosmia também pode sentir que um alimento que antes era apetitoso, se torna desagradável.

Esse distúrbio ocorre devido a danos nos nervos olfativos que levam sinais ao cérebro para identificar os cheiros, geralmente causados por infecções bacterianas ou virais do trato respiratório, como sinusite, resfriado comum ou COVID-19.

O diagnóstico da parosmia é feito pelo clínico geral ou pelo otorrinolaringologista por meio de exames para identificar a causa e, assim, iniciar o tratamento mais adequado, que pode ser feito com remédios ou treinamento olfativo.

Principais sintomas

O principal sintoma da parosmia é o distúrbio temporário do cheiro, que leva a uma dificuldade de reconhecer ou perceber cheiros ou aromas, em que cheiros normais e agradáveis, passam a ser sentidos como desagradáveis ou insuportáveis, como cheiro de alimentos ou perfumes, por exemplo. 

Além disso, a pessoa pode ter dificuldade para se alimentar ou sentir náuseas ao comer, pois o olfato e o paladar estão diretamente relacionados, levando a perda do apetite e de peso.

A parosmia também pode afetar a qualidade de vida da pessoa, devido a alteração na sensação dos cheiros, podendo levar ao surgimento de alterações do humor, ansiedade ou depressão.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da parosmia é feito pelo otorrinolaringologista ou clínico geral através da avaliação dos sintomas e histórico clínico de infecções recentes, dos hábitos de vida, como tabagismo ou uso de remédios, e histórico familiar de doenças neurológicas ou câncer.

Apesar de não existir um exame específico para a parosmia, o médico pode fazer um teste de cheiro em que são apresentados substâncias diferentes para que a pessoa possa identificar e descrever o cheiro. 

Outros exames que o médico pode solicitar são tomografia computadorizada, ressonância magnética ou até uma biópsia nasal para identificar se a parosmia pode ter sido causada por doenças neurológicas ou câncer.

Possíveis causas

A parosmia é causada por danos nos nervos olfatórios, responsáveis por enviar sinais ao cérebro para identificar os cheiros, alterando a maneira como os cheiros chegam ao cérebro. 

Algumas condições podem causar danos nos nervos olfatórios e levar ao surgimento da parosmia, sendo as principais:

  • Resfriado comum;
  • Sinusite;
  • COVID-19;
  • Exposição e inalação de fumaça;
  • Hábito de fumar;
  • Doença de Parkinson;
  • Alzheimer;
  • Trauma cerebral;
  • Doença de Huntington;
  • Tumor cerebral ou nos nervos olfatórios;
  • Quimioterapia ou radioterapia para tratamento do câncer.

É importante consultar um otorrinolaringologista ou clínico geral, sempre que a alteração do olfato surge, para diagnosticar a possível causa e iniciar o tratamento mais adequado.

A infecção COVID-19 pode causar parosmia?

Alguns estudos [1,2] mostram que algumas pessoas podem desenvolver parosmia enquanto se recuperam da perda do olfato causada pela COVID-19, devido aos danos nos nervos olfatórios causados pelo coronavírus.

Embora seja rara, a parosmia pode surgir cerca de 1 a 2 meses após a infecção inicial pelo coronavírus e se manter por cerca de 8 meses ou mais, causando sensação de cheiro rançoso ou semelhante a carne podre, afetando a qualidade de vida da pessoa.

Como é feito o tratamento

O tratamento da parosmia varia de acordo com a causa, sendo que nos casos em que a parosmia foi causada por fatores como tabagismo, uso de remédios ou tratamento do câncer, ao interromper o uso dessas substâncias, o olfato pode voltar ao normal sem necessidade de tratamento.

No entanto, quando a parosmia é persistente, o médico pode recomendar o uso de remédios como clonazepam, fenitoína, topiramato ou ácido valpróico, para ajudar a aliviar os sintomas.

Já nos casos de parosmia causada pela COVID-19, geralmente melhora sozinha ao longo do tempo sem necessidade de tratamento. No entanto, pode-se fazer um treinamento olfativo enquanto a pessoa se recupera.

Para fazer o treinamento olfativo, deve-se escolher 3 ou 4 aromas diferentes, como os óleos essenciais de limão, rosa, cravo da índia e eucalipto, por exemplo, respirando profundamente por 20 segundos de cada vez, pelo menos 2 vezes por dia, por cerca de 3 meses ou mais. No entanto, apesar de poder ajudar na recuperação do olfato, o treinamento olfativo ainda necessita de mais pesquisas científicas que comprovem sua eficácia. 

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em fevereiro de 2022.

Bibliografia

  • IZQUIERDO-DOMINGUEZ, A.; et al. Olfactory Dysfunction in the COVID-19 Outbreak. J Investig Allergol Clin Immunol. 30. 5; 317-326, 2020
  • WHITCROFT, L.; HUMMEL, T. Olfactory Dysfunction in COVID-19: Diagnosis and Management Katherine. JAMA. 323. 24; 2512-2514, 2020
Mostrar bibliografia completa
  • KRONENBUERGER, M.; PILGRAMM, M. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Olfactory Training. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK567741/>. Acesso em 26 jan 2022
  • CIURLEO, R.; et al. Parosmia and Neurological Disorders: A Neglected Association. Front. Neurol. 11. 2020
  • PARMA, V.; et al. More Than Smell-COVID-19 Is Associated With Severe Impairment of Smell, Taste, and Chemesthesis. Chem Senses. 45. 7; 609-622, 2020
  • OTTE, M. S.; et al. Persisting olfactory dysfunction in patients after recovering from COVID-19. J Infect. 81. 3; e58, 2020
  • DUYAN, M.; et al. Delayed Parosmia Following SARS-CoV-2 Infection: a Rare Late Complication of COVID-19. SN Compr Clin Med. 27. 1-3, 2021
  • RAAD, N.; et al. Parosmia in patients with COVID-19 and olfactory dysfunction. Int Forum Allergy Rhinol. 11. 10; 1497-1500, 2021
  • ALTUNDAG, A.; et al. Modified olfactory training in patients with postinfectious olfactory loss. Laryngoscope. 125. 8; 1763-6, 2015
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.