Óvulo vaginal: o que é, para que serve e como usar

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
março 2022

Os óvulos vaginais são preparações sólidas, semelhantes a supositórios, que têm medicamentos na sua composição e que são destinados à administração por via intravaginal. Esses remédios se dissolvem nos fluidos vaginais e à temperatura de cerca de 37ºC dentro do canal vaginal, para serem absorvidos localmente, não tendo ação sistêmica, como os remédios tomados por via oral.

Existem vários tipos de medicamentos que são veiculados em óvulos vaginais, como é o caso de antibióticos, antifúngicos, probióticos ou hormônios, por exemplo, para o tratamento de candidíase, vaginoses ou até para aliviar os sintomas da menopausa.

É importante que o óvulo vaginal seja utilizado com indicação do ginecologista, de acordo com a condição a ser tratada e pelo tempo de tratamento orientado pelo médico.

Para que serve

Os óvulos vaginais servem para veicular medicamentos no canal vaginal, como antibióticos, anti-inflamatórios, hormônios ou probióticos, por exemplo.

Estes produtos são muito usados em casos de infecções vaginais, como candidíase vaginal ou vaginite, em casos de atrofia vaginal, reposição da flora vaginal e reposição hormonal, por exemplo.

Medicamentos em óvulos

Alguns exemplos de medicamentos que estão disponíveis em óvulos vaginais são:

Nome do medicamento

Indicações

Albocresil (policresuleno)

Infecções, inflamações e lesões dos tecidos vaginais causados por bactérias, trichomonas, fungos ou HPV

Fentizol (fenticonazol)

Candidíase vaginal

Gynotran (metronidazol + miconazol)

Vaginose bacteriana, candidíase vaginal e vaginite por Trichomonas

Gyno-Icaden (isoconazol)

Candidíase vaginal

Gino-canesten (clotrimazol)

Candidíase vaginal

Vagifem (estradiol hemi-hidratado)

Atrofia vaginal na pós menopausa

Isadin α Barcilus

Probiótico para a reposição da flora vaginal

Além destes exemplos, existem ainda as cápsulas vaginais, como é o caso do Utrogestan, com progesterona na composição que, assim como os óvulos, podem ser inseridas no canal vaginal, de forma a exercer o seu efeito localmente. Saiba mais sobre este medicamento.

Como usar corretamente

Antes de realizar a aplicação, é muito importante lavar muito bem as mãos. Os óvulos vaginais podem ser introduzidos na vagina com o dedo ou com a ajuda de um aplicador, que pode vir contido na embalagem de alguns medicamentos.

É importante que o óvulo vaginal não seja aplicado durante a menstruação, devendo-se também evitar o uso de absorventes internos, duchas vaginais ou espermicidas.

Além disso, é recomendado evitar o contato íntimo durante o uso do óvulo vaginal, pois a infecção pode ser transmitida ao parceiro, ou até reduzir a eficácia dos métodos anticoncepcionais de barreira à base de látex, como camisinha ou diafragma.

Quando aplicar?

Geralmente, é recomendado aplicar o óvulo, comprimido ou cápsula vaginal à noite, imediatamente antes de deitar, para que o medicamento permaneça no local a exercer a sua ação e evitar que saia da vagina antes do tempo.

Como inserir o óvulo?

A posição ideal para inserção do óvulo é deitada de costas, com as pernas flexionadas e separadas.

O óvulo deve ser introduzido profundamente na vagina, podendo ser feito de duas formas:

  • Uso com aplicador: para usar o aplicador, deve-se puxar totalmente o êmbolo do aplicador, colocar o óvulo na ponta do aplicador e, já na posição deitada, introduzir o aplicador no canal vaginal profundamente, empurrar o êmbolo totalmente para que o óvulo seja depositado no fundo do canal vaginal. Remover o aplicador, descartá-lo e lavar as mãos.
  • Uso sem aplicador: para aplicar o óvulo sem o auxílio do aplicador, deve-se introduzir o óvulo com o dedo profundamente no canal vaginal e lavar bem as mãos em seguida. Alguns óvulos vaginais, podem ser umedecidos com um pouco de água para facilitar a aplicação, devendo-se ter o cuidado de seguir as instruções do fabricante.

Antes de inserir, é importante não ter o óvulo em contato com as mãos por muito tempo, porque poderá derreter e tornar mais difícil a aplicação.

E se o óvulo sair?

Se o óvulo for inserido corretamente e de acordo com as indicações, não vai sair. Porém, no dia seguinte a pessoa pode notar que são eliminados alguns vestígios, o que é perfeitamente normal.

No entanto, se o óvulo ou comprimido sair inteiro no dia seguinte, pode indicar que não foi dissolvido nos fluidos da mucosa vaginal, podendo o tratamento não ter efeito esperado. Neste caso, deve-se entrar em contato com o médico, que pode indicar outro tipo de tratamento, como uso de cremes ou pomadas vaginais, por exemplo.

Para evitar que o óvulo ou o comprimido saiam inteiros, pode-se umedecê-los com um pouco de água antes da aplicação.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em março de 2022.

Bibliografia

  • ACHÉ LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOS S.A. Fentizol (fenticonazol) óvulo vaginal. 2016. Disponível em: <https://www.ache.com.br/wp-content/uploads/application/pdf/bula-paciente-fentizol-ovulo-vaginal.pdf>. Acesso em 03 mar 2022
  • BAYER. Gyno-icaden (isoconazol) óvulo vaginal. 2017. Disponível em: <https://img.drogasil.com.br/raiadrogasil_bula/GynoIcaden-Bayer.pdf>. Acesso em 03 mar 2022
Mostrar bibliografia completa
  • BESINS HEALTHCARE BRASIL COM. DIST. MED. LTDA. Vegifem (estradiol hemi-hidratado) comprimido vaginal. 2020. Disponível em: <http://200.199.142.163:8002/FOTOS_TRATADAS_SITE_14-03-2016/bulas/78267.pdf>. Acesso em 03 mar 2022
  • NYCOMED PHARMA LTDA. Albocresil óvulo vaginal. Disponível em: <https://www.saudedireta.com.br/catinc/drugs/bulas/albocresil.pdf>. Acesso em 03 mar 2022
  • BAYER. Gynotran ovulo vaginal. 2014. Disponível em: <http://200.199.142.163:8002/FOTOS_TRATADAS_SITE_14-03-2016/bulas/28499.pdf>. Acesso em 03 mar 2022
  • ACHÉ. Fentizol. 2016. Disponível em: <https://www.farmagora.com.br/BACKOFFICE/Uploads/Bula/Fentizol%20Ovulo.pdf>. Acesso em 05 mar 2020
  • CALVO. B. et. al.. Formas farmacéuticas de administración rectal y vaginal. 2015. Disponível em: <https://ocw.ehu.eus/pluginfile.php/10127/mod_resource/content/1/10122015_materiales_de_estudio/Tema_18.-_Formas_farmaceuticas_de_administracion_rectal_y_vaginal.pdf>.
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.

Tuasaude no Youtube

  • CAMISINHA FEMININA: como colocar e o que não fazer

    07:35 | 144026 visualizações
  • COMO COLOCAR A CAMISINHA CORRETAMENTE

    08:15 | 836269 visualizações
  • INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS | com Drauzio Varella

    14:11 | 148233 visualizações
  • Como CURAR NATURALMENTE a candidíase

    06:24 | 1846495 visualizações
  • HPV - o que é e como se trata

    02:57 | 824305 visualizações