Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Osteogênese imperfeita: Tipos, Diagnóstico e Tratamento

​A osteogênese imperfeita, também conhecida como a doença dos ossos de vidro, é uma doença genética rara que faz com que a pessoa apresente ossos deformados, curtos e mais frágeis desde o nascimento, estando suscetíveis a fraturas constantes.

Existem 4 tipos de osteogênese imperfeita, que incluem:

  • Tipo 1: é o mais comum e a mais leve forma da doença, provocando pouca ou nenhuma deformação dos ossos. No entanto, os ossos são frágeis e podem fraturar com facilidade;
  • Tipo 2: é o tipo mais grave da doença que faz com que o feto apresente fraturas dentro do útero da mãe, levando ao aborto na maioria dos casos;
  • Tipo 3: pessoas com este tipo, normalmente, não crescem o suficiente, apresentam deformações na coluna e o branco dos olhos pode apresentar cor azulada;
  • Tipo 4: é o tipo moderado da doença, no qual surgem deformações leves nos ossos, mas não surge mudança de cor da parte branca dos olhos.

Na maioria dos casos, a osteogênese imperfeita passa para os filhos, mas os sintomas e a gravidade da doença podem ser diferentes, uma vez que o tipo da doença pode alterar dos pais para os filhos.

A osteogênese imperfeita não tem cura, mas existem alguns tratamentos que ajudam a melhorar a qualidade de vida do paciente, reduzindo o número de fraturas ao longo da vida.

Osteogênese imperfeita: Tipos, Diagnóstico e Tratamento

O que causa a osteogênese imperfeita

A doença dos ossos de vidro surge devido a uma alteração genética no gene responsável por produzir colagênio do tipo 1, a principal proteína utilizada para criar ossos fortes.

Por ser uma alteração genética, a osteogênese imperfeita pode passar de pais para filhos, mas também pode surgir sem que existam outros casos na família, devido a mutações durante a gestação, por exemplo.

Possíveis sintomas

Além de causar alterações na formação dos ossos, pessoas que apresentam osteogênese imperfeita também podem ter outros sintomas como:

  • Articulações mais frouxas;
  • Dentes fracos;
  • Coloração azulada do branco dos olhos;
  • Curvatura anormal da coluna;
  • Perda de audição;
  • Problemas respiratórios frequentes.

Além disso, na criança com osteogênese imperfeita também podem ser diagnosticados defeitos cardíacos, que podem acabar por colocar a vida em risco.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da osteogênese imperfeita, normalmente, é feito durante a infância por um pediatra, através da realização de raio X, exame de sangue ou observação de deformações nos ossos.

Quais as opções de tratamento

O tratamento para osteogênese imperfeita deve ser orientado por um ortopedista e, normalmente, inclui o uso de hastes metálicas junto aos ossos para evitar que quebrem facilmente. Além disso, também podem ser utilizados remédios com bifosfonatos para ajudar a tornar os ossos mais fortes, no entanto, este tipo de tratamento deve ser constantemente avaliado pelo médico.

Quando surgem fraturas, o médico pode fazer a imobilização do osso com gesso ou optar pela cirurgia, especialmente no caso de fraturas múltiplas ou que demoram muito tempo para curar.

A fisioterapia para osteogênese imperfeita também pode ser utilizada em alguns casos para ajudar a fortalecer os ossos e os músculos que os suportam, diminuindo o risco de fraturas. Normalmente, a fisioterapia é indicada após a cirurgia para recuperar os movimentos da região afetada.

Como cuidar da criança com osteogênese imperfeita

Alguns cuidados para cuidar de crianças com osteogênese imperfeita são:

  • Não levantar a criança pelas axilas, apoiando o peso com uma mão embaixo do bumbum e a outra atrás do pescoço e dos ombros;
  • Não puxar a criança por um braço ou perna;
  • Selecionar uma cadeirinha de segurança com enchimento macio que permita tirar e colocar a criança com pouco esforço.

​​Algumas crianças com osteogênese imperfeita podem fazer alguns exercícios leves, como natação, sem correr o risco de fraturas, porém, só o devem fazer após orientação do médico e sob a vigilância de um professor de educação física ou de um fisioterapeuta.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem