Ômega 3, 6 e 9: para que servem e benefícios

Os ômega 3 e 6 são gorduras saudáveis presentes em peixes como salmão, sardinha ou atum e frutos secos como nozes, sementes de chia ou amêndoas, por exemplo. Essas gorduras não são produzidas pelo organismo, e por isso precisam ser consumidas para ajudar a fortalecer o sistema imunológico, prevenir doenças cardiovasculares e melhorar a capacidade de aprendizagem e memória.

Já o ômega 9 está presente em alimentos vegetais como óleo de abacate, nozes e azeite de oliva, mas não é essencial porque é produzido pelo organismo, a partir dos ômegas 3 e 6. No entanto, priorizar este tipo de gordura na dieta ajuda a reduzir os níveis de colesterol “ruim” no sangue, evitando doenças, como aterosclerose e infarto.

Além dos alimentos, os suplementos com os ômegas 3, 6 e 9 podem ser indicado quando se consome poucos alimentos fontes destes nutrientes, durante a gestação ou amamentação, ou para auxiliar no tratamento de problemas de saúde, como psoríase ou doenças cardiovasculares.

Veja com a nutricionista Tatiana Zanin os peixes mais ricos em ômega 3:

Benefícios dos ômegas

Fazer uma alimentação rica em ômegas 3, 6 e 9 garante o bom funcionamento do cérebro, do sistema nervoso central, a manutenção da saúde dos olhos, além de melhorar a circulação de sangue e evitar inflamações nos vasos sanguíneos, prevenindo doenças cardiovasculares. Cada tipo de ômega tem os seguintes benefícios:

  • Ômega 3: encontrados nos peixes, como o salmão, e sardinha, e nas sementes de linhaça e semente de chia, o ômega 3 tem propriedades anti-inflamatória e anticoagulante e, por isso, previne doenças, como derrame, infarto e câncer. Além disso, o ômega 3 também protege as células do sistema nervoso, ajudando a prevenir a depressão e o Alzheimer. Conheça todos os benefícios do ômega 3 para a saúde;
  • Ômega 6: o ômega 6 está presente nas gorduras vegetais como nozes, amêndoas ou amendoim e possui propriedades anti-inflamatórias, sendo muito importante para prevenir doenças como pressão alta, derrame e diabetes. O ômega 6 também ajuda a hidratar a pele, sendo usado para tratar doenças de pele, como dermatite e psoríase. Saiba onde encontrar e para que serve o ômega 6;
  • Ômega 9: presente em alimentos como azeite, óleo de abacate ou amêndoa, esta gordura é importante para a regulação do metabolismo de energia do corpo, ajudando a prevenir a obesidade. Além disso, o ômega 9 é um potente anti-inflamatório, diminuindo os níveis de colesterol “ruim”, LDL, e aumentando os níveis do colesterol “bom”, HDL, no sangue.

É importante lembrar que para se obter todos os benefícios com os ômega 3, 6 ou 9, é fundamental também manter uma dieta balanceada e praticar exercícios físicos regularmente.

Alimentos ricos em ômega 3, 6 e 9

Para aumentar a quantidade desses nutrientes no organismo, além da suplementação, ingerir mais alimentos fonte de ômega 3, 6 e 9, é fundamental. Saiba quais são os alimentos ricos em cada tipo de ômegas na tabela abaixo:

Ômega 3

Ômega 6

Ômega 9

Truta

Castanha de caju

Sementes de girassol

Óleo de linhaça

Amêndoas

Avelã

Sardinha

Sementes de abóbora

Macadâmia

Sementes de linhaça

Óleo de canola prensado a frio

Óleo de soja

Óleo de fígado de bacalhau

Óleo de milho prensado a frio

Azeite

Nozes

Nozes

Óleo de abacate

Sementes de chia

Óleo de linhaça

Amêndoa

Anchova

Óleo de soja

Nozes

Arenque

Óleo de girassol prensado a frio

Óleo de amêndoas

Atum

Sementes de girassol

Abacate

Peixe branco

Avelã

Óleo de coco

Quando o consumo de alimentos ricos em ômega 6, 3 e 9 é muito maior do que o recomendado, pode aumentar o risco de diabetes e doenças cardiovasculares.

Quando tomar suplemento

Os suplementos de ômega 3, 6 e 9 podem ser indicados durante a gestação, a amamentação, ou para o tratamento de questões específicas. No entanto, a dose recomendada varia de acordo com as necessidades nutricionais individuais, com o tipo de alimentação e com o estado de saúde atual. Por isso, esses suplementos só devem ser consumidos sob a orientação de um médico ou nutricionista.

Assista o vídeo a seguir sobre os benefícios do ômega 3 na gravidez e na infância:

Cuidados e contra-indicações

Alguns dos principais efeitos com o consumo de ômegas 3, 6 e 9 podem acontecer devido à ingestão superior à quantidade recomendada, podendo incluir dor de cabeça, dor abdominal, enjoo e diarreia. Além disso, estes suplementos podem apresentar um sabor forte, provocando suor e hálito com cheiro de peixe.

Os suplementos com ômega 6 não são recomendados para pessoas que têm convulsões ou doença obstrutiva pulmonar crônica.

Além disso, os suplementos com ômega 3, 6 e 9 podem interferir na ação de medicamentos, como anticoagulantes, quimioterápicos, ceftazidima, ciclosporina e fenotiazina, devendo, nestes casos, usar o suplemento somente sob avaliação de um médico.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Karla S. Leal, Nutricionista em Novembro de 2021. Revisão clínica por Tatiana Zanin, Nutricionista em Novembro de 2021.

Bibliografia

  • NIH OFFICE OF DIETARY SUPPLEMENTS. Omega-3 Fatty Acids: Fact Sheet for Health Professionals. Disponível em: <https://ods.od.nih.gov/factsheets/Omega3FattyAcids-HealthProfessional/#en29>. Acesso em 08 Nov 2021
  • OMEGA-6 FATTY ACIDS. Mount Sinai School of Medicine . Disponível em: <https://www.mountsinai.org/health-library/supplement/omega-6-fatty-acids>. Acesso em 08 Nov 2021
  • MEDLINE PLUS - U.S. NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE. Omega-6 Fatty Acids. Disponível em: <https://medlineplus.gov/druginfo/natural/496.html#Safety>. Acesso em 08 Nov 2021
  • TUTUNCHI, Helda et al. The Effects of Diets Enriched in Monounsaturated Oleic Acid on the Management and Prevention of Obesity: a Systematic Review of Human Intervention Studies. Advances in Nutrition. Vol.5. 4.ed; 864–877, 2020
  • UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE AGRICULTURAL RESEARCH SERVICE . USDA Food Composition Database. Disponível em: <https://ndb.nal.usda.gov/ndb/search/list?home=true>. Acesso em 08 Nov 2021
  • GAMMONE, Maria Alessandra; et al. Omega-3 Polyunsaturated Fatty Acids: Benefits and Endpoints in Sport. Nutrients. 11. 46; 1-16, 2019
Mais sobre este assunto: