Lábio leporino: o que é, causas e tratamento

O lábio leporino, também chamado de fissura labial, é uma malformação fetal em que o bebê nasce com uma divisão no lábio superior que pode se prolongar até o nariz, o que pode acontecer devido a fatores genéticos e ambientais, como consumo de bebidas alcoólicas durante a gravidez, deficiências nutricionais na gestação ou uso de alguns medicamentos nos primeiros 3 meses de gravidez.

O lábio leporino pode ser identificado ainda durante a gestação, por meio do exame de ultrassom, no entanto é mais comum o seu diagnóstico logo após o nascimento do bebê, podendo ser também verificada, em alguns casos, a presença de uma abertura no céu da boca, a fenda palatina, sendo essa situação conhecida como fenda labiopalatina. Conheça mais sobre a fenda palatina.

Uma vez que a presença da fissura no lábio pode causar dificuldade para o bebê se alimentar, é indicado que seja utilizada uma mamadeira com bico especial até que o bebê complete 3 meses, que é a idade recomendada para que seja feita a cirurgia para juntar o lábio.

Lábio leporino: o que é, causas e tratamento

Causas de lábio leporino

O lábio leporino é uma malformação congênita, ou seja, relacionada com alterações no desenvolvimento do bebê durante a gestação. No caso do lábio leporino, acontece devido ao não fechamento dos tecidos embrionários responsáveis por dar origem ao lábio, o que acontece entre a 4ª e 12ª semana de gestação, resultando na fissura labial, que pode ser uni ou bilateral e ser acompanhada, em alguns casos, pela abertura do céu da boca.

Essa situação é influenciada pela genética, de forma que o histórico familiar de lábio leporino pode aumentar a chance de um bebê nascer com essa alteração. Além disso, alguns fatores parecem aumentar o risco de lábio leporino, como é o tabagismo e o consumo de álcool na gravidez, deficiências nutricionais na gravidez e o uso de algum medicamento anticonvulsivante, para acne, artrite ou psoríase nos primeiros 3 meses de gravidez.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico de lábio leporino pode ser feito ainda durante a gestação por meio da realização do exame de ultrassom, em que o médico pode observar a presença de alterações no desenvolvimento do bebê. No entanto, é mais frequente que o diagnóstico seja feito após o nascimento, sendo verificada a presença de uma fenda no lábio superior, que pode estar presente em apenas um dos lados ou nos dois, e que pode se prolongar até o nariz.

Após o nascimento, além de verificar os lábios, o médico normalmente observa o céu da boca com o objetivo de verificar se há também uma fenda no céu da boca. Assim, após a identificação do lábio leporino ou fenda labiopalatina, é possível iniciar os cuidados necessários afim de prevenir alterações na alimentação e fala do bebê, além de comprometimento do nascimento dos dentes.

Tratamento para lábio leporino

O tratamento do lábio leporino tem como objetivo fechar a fenda labial e, assim, favorecer a alimentação do bebê, além de diminuir o risco de alteração na fala e no nascimento dos dentes. Assim, é recomendada a realização de cirurgia para corrigir o lábio, que deve ser feita entre os 3 e 6 meses de idade, desde que o bebê tenha ótimas condições de saúde.

Esse procedimento é considerado simples, porém é bastante delicado e, por isso, é preciso que seja feito sob anestesia geral para garantir que o bebê não se movimente muito. Entenda como é feita a cirurgia para lábio leporino.

Após a recuperação da cirurgia, é importante que a criança seja acompanhada pelo dentista, além do pediatra, para garantir que os dentes estão nascendo conforme o esperado. Além disso, em alguns casos, pode ser também indicada a realização de sessões de fonoaudiologia para estimular a fala.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • MONLLEÓ, ISABELLA L.; MENDES, LÍVIA G. A.; LOPES, VERA LÚCIA G. S. Manual de cuidados de saúde e alimentação da criança com fenda oral. 2014. Disponível em: <https://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/paganex/manual_fof_final.pdf>. Acesso em 15 Set 2021
  • SHIBUKAWA, Bianca M. C; RISSI, Gabrieli P.; HIGARASHI, Ieda H.; OLIVEIRA, Rosana R. Fatores associados à presença de fissura labial e/ou fenda palatina em recémnascidos brasileiros. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. Vol 19. 4 ed; 957-966, 2019
  • CDC. Facts about Cleft Lip and Cleft Palate. Disponível em: <https://www.cdc.gov/ncbddd/birthdefects/CleftLip.html?_ga=2.181113831.1117385243.1632148881-309292815.1630077515>. Acesso em 20 Set 2021
Mais sobre este assunto: