Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Gordura nas fezes: o que pode ser e o que fazer

A presença de gordura nas fezes, também conhecida como esteatorreia, acontece principalmente quando existem alterações que interferem digestão e/ou absorção de gordura no intestino, o que favorece a eliminação de gordura nas fezes, que pode ter coloração mais amarelada ou esbranquiçada devido à presença de gorduras.

Assim, caso surjam manchas esbranquiçadas nas fezes com aparência oleosa ou a fezes fiquem mais esbranquiçadas ou alaranjadas, ou o exame nas fezes apresente alterações, é recomendado consultar um clínico geral ou um gastroenterologista para fazer outros exames, como colonoscopia ou exames de intolerância, para identificar a causa específica e iniciar o tratamento adequado.

Gordura nas fezes: o que pode ser e o que fazer

As principais causas de gordura nas fezes são:

1. Doença celíaca

Na doença celíaca, a enzima responsável por degradar o glúten não é produzida ou é produzida em pequena quantidade. Assim, como o glúten está em grandes quantidades no sistema digestivo, o sistema imunológico é estimulado, o que leva ao desenvolvimento de lesões no intestino, podendo resultar na dificuldade de absorção de gordura pelo organismo e presença de gordura nas fezes.

Além da esteatorreia, é comum também haver inchaço abdominal, falta de apetite, diarreia e fezes mais esbranquiçada. Confira outros sintomas de doença celíaca.

O que fazer: É importante evitar alimentos que contenham glúten, como pão, massas e bebidas alcoólicas, pois assim é possível evitar o desenvolvimento dos sintomas. É importante que a alimentação seja feita sob orientação de um nutricionista, pois assim é possível evitar deficiências nutricionais.

2. Fibrose cística

A fibrose cística é também uma das causas de gordura nas fezes e acontece devido a alterações genéticas que levam à produção de secreções muito espessas e viscosas que podem ficar acumuladas em alguns órgãos e causar sintomas respiratórios, principalmente, e digestivos.

No caso dos sintomas digestivos da fibrose cística, além da esteatorreia, é possível também que as fezes fiquem mais volumosas e com cheiro mais forte e possa haver desnutrição, diarreia persistente ou prisão de ventre e dificuldade para ganhar peso. Saiba mais sobre os sintomas da fibrose cística.

O que fazer: Nesse caso é importante seguir as orientações do médico, que deve indicar o uso de medicamentos que ajudem a pessoa a respirar melhor e prevenir infecções, além de ser importante também ter uma alimentação saudável para evitar desnutrição e fazer sessões de fisioterapia respiratória.

3. Doença de Crohn

A doença de Crohn é uma alteração crônica do intestino caracterizada pela inflamação do revestimento intestinal, o que pode interferir na absorção de gordura pelo organismo e levar à esteatorreia, dor abdominal, diarreia, cansaço e perda de apetite e peso. Confira outros sintomas da doença de Crohn.

O que fazer: Para aliviar os sintomas da doença de Crohn, é importante que o tratamento seja orientado pelo gastroenterologista e nutricionista e tem como o objetivo aliviar os sintomas, podendo ser indicado o uso de medicamentos corticoides e/ou antibióticos e ter uma alimentação de fácil digestão e pobre em gorduras.

4. Pancreatite

A pancreatite é também uma causa frequente de gordura nas fezes porque devido à inflamação desse órgão, pode haver alteração na produção de enzimas que atuam no processo de digestão e absorção das gorduras, o que faz com que maior quantidade de gordura seja eliminada nas fezes, além de também haver dor na parte superior do abdômen, perda de peso não intencional, inchaço e sensibilidade na barriga, por exemplo.

O que fazer: Na suspeita de pancreatite, é importante que o médico seja consultado para que seja avaliada a gravidade da pancreatite e possa ser indicado tratamento para reduzir a inflamação do órgão e, assim, aliviar os sintomas. Assim, pode ser recomendado que a pessoa fique em repouso, medicamentos anti-inflamatórios e, em alguns casos, pode ser também indicada a reposição das enzimas digestivas. Veja mais detalhes do tratamento para pancreatite.

É importante também que em caso de pancreatite a pessoa siga uma alimentação leve e saudável para evitar que o órgão fique novamente inflamado e leve ao aparecimento dos sintomas. Confira no vídeo a seguir algumas dicas de alimentação para pancreatite:

5. Doença de Whipple

A doença de Whipple é causada por uma bactéria, a Tropheryma whipplei, que causa pequenas lesões no intestino, interferindo diretamente na absorção de vitaminas, minerais, água e gordura, levando ao desenvolvimento de alguns sinais e sintomas como presença de gordura nas fezes, diarreia, dor abdominal e perda de peso.

É importante que a doença de Whipple seja identificada assim que surgirem os primeiros sintomas, isso porque caso o tratamento não seja iniciado rapidamente, há possibilidade da bactéria atingir outros órgãos, incluindo o cérebro, e levar ao aparecimento de complicações.

O que fazer: Após confirmação do diagnóstico da doença de Whipple, é importante iniciar o tratamento com antibióticos de acordo com a orientação do médico, sendo inicialmente recomendado o uso de Ceftriaxona ou Penicilina, seguido de Sulfametoxazol-Trimetoprima, Cloranfenicol ou Doxiciclina, pois assim é possível que a bactéria seja eliminada totalmente. Saiba mais sobre o tratamento da doença de Whipple.

6. Giardíase

A giardíase é uma doença infecciosa causada pelo parasita Giardia lamblia, que também pode interferir no processo de digestão das gorduras e levar ao aparecimento de gordura nas fezes, além de deixá-las mais amareladas. Além disso, é comum que nos casos de giardíase a pessoa também apresente diarreia, mal estar geral e inchaço abdominal. Saiba reconhecer os sintomas de giardíase.

O que fazer: Na presença de sinais e sintomas de giardíase, é importante consultar o gastroenterologista para que seja indicada a realização de exame de fezes para confirmar a infecção e ser indicado o tratamento mais adequado, que envolve o uso de antimicrobianos, como o Metronidazol ou Tinidazol por 1 a 5 dias, ou de acordo com a recomendação.

7. Após cirurgias

Após a realização de algumas cirurgias gastrointestinais, como retirada do intestino delgado, de partes do estômago ou no pós-operatório, é comum também que haja alteração na absorção de gordura no organismo, resultando na esteatorreia. 

O que fazer: A presença de gordura nas fezes após cirurgias é considerado normal, no entanto caso seja persistente ou surjam outros sintomas associados, como presença de sangue nas fezes, febre ou dor, por exemplo, é importante ir ao hospital para que seja feita uma avaliação e possam ser evitadas complicações.

Gordura nas fezes: o que pode ser e o que fazer

Como saber identificar gordura nas fezes

Os sintomas de gordura nas fezes normalmente aparecem associados a fezes de grande volume, com mau cheiro, de aspecto gorduroso e que flutuam na água. Porém os sintomas também podem ser:

  • Cansaço extremo;
  • Diarreia excessiva ou de coloração laranja;
  • Perda brusca de peso;
  • Alongamento abdominal com cólicas;
  • Náuseas e vômitos.

Quando a pessoa apresenta alguns destes sintomas deve procurar um médico gastrenterologista para diagnosticar a causa do excesso de gordura nas fezes e iniciar o tratamento adequado.

Para identificar a presença de gordura nas fezes, é importante fazer um exame de fezes para identificar a quantidade de gordura e a causa da alteração. Assim, para fazer o exame de gorduras fecais deve-se comer alimentos ricos em gordura até 3 dias antes da análise e, no dia deve-se colher uma amostra em casa. A amostra deve ser colocada dentro do frasco fornecido pelo laboratório e guardada na geladeira até que seja levada para o laboratório.

Veja como recolher as fezes corretamente assistindo ao vídeo a seguir:

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • NHS. Acute pancreatitis. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/acute-pancreatitis/>. Acesso em 30 Abr 2020
  • NATIONAL INSTITUTE OF DIABETES AND DIGESTIVE AND KIDNEY DISEASES. Pancreatitis. Disponível em: <https://www.niddk.nih.gov/health-information/digestive-diseases/pancreatitis>. Acesso em 30 Abr 2020
  • Longo, DL et al.. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 19.ed. New York: McGraw-Hill, 2015.
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA . Doença de Crohn. 2009. Disponível em: <https://www.sbcp.org.br/pdfs/publico/crohn.pdf>. Acesso em 07 Out 2020
  • LOPES, Antonia M.; MOURA, Laís N. B.; MACHADO, Raylane S.; SILVA, Grazielle Roberta F. Qualidade de vida de pacientes com doença de Crohn. Revista Eletronica Trimestral de Enfermaria. 47 ed; 337-352, 2017
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE COLITE ULCERATIVA DE DOENÇA DE CROHN. Sobre a Doença de Crohn. Disponível em: <https://www.abcd.org.br/sobre-a-doenca-de-crohn/>. Acesso em 07 Out 2020
  • CROHN'S & COLITIS FOUNDATION. Signs and Symptoms of Crohn’s Disease. Disponível em: <https://www.crohnscolitisfoundation.org/what-is-crohns-disease/symptoms>. Acesso em 16 Dez 2020
  • NHS. Symptoms - Crohn's disease. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/crohns-disease/symptoms/>. Acesso em 16 Dez 2020
  • NATIONAL HEART, LUNG AND BLOOD INSTITUTE. Cystic Fibrosis. Disponível em: <https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/cystic-fibrosis>. Acesso em 03 Jan 2020
  • NHS. Cystic fibrosis: overview. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/cystic-fibrosis/>. Acesso em 03 Jan 2020
  • CYSTIC FIBROSIS FOUNDATION. About Cystic Fibrosis. Disponível em: <https://www.cff.org/What-is-CF/About-Cystic-Fibrosis/>. Acesso em 03 Jan 2020
Mais sobre este assunto:

Carregando
...