Fezes claras: o que pode ser (e o que fazer)

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
maio 2022

Fezes claras são uma alteração que nem sempre indica uma doença, principalmente se não existirem outros sintomas. No entanto, quando essa alteração está associada a outros sintomas pode indicar problemas de saúde mais sérios. Os termos médicos mais adequados para se referir a esta alteração são “hipocolia fecal”: quando as fezes apenas se tornam mais claras; ou “acolia fecal”: quando as fezes estão esbranquiçadas. 

Normalmente, as fezes apresentam cor marrom, como resultado de uma mistura entre a bile, substâncias produzidas no intestino e produtos da digestão. Dessa forma, fatores que levem a uma diminuição ou ausência de bile no intestino podem causar a perda da cor das fezes, resultando em fezes esbranquiçadas ou muito claras.

As fezes claras ou esbranquiçadas, principalmente quando associadas a sintomas como dor abdominal, cor amarelada da pele e dos olhos (icterícia) ou escurecimento da urina devem ser avaliadas por um clínico geral ou gastroenterologista.

1.   Coledocolitíase

A coledocolitíase é uma obstrução das vias biliares por uma pedra (cálculo) que pode ter se formado no seu interior ou dentro da própria vesícula biliar. Além de fezes mais claras, outros sintomas incluem pele e olhos amarelados (icterícia), coceira generalizada, dor abdominal, náusea, vômito e escurecimento da urina.

O que fazer: é importante consultar um clínico geral ou gastroenterologista, uma vez que é necessário fazer exames para confirmar o diagnóstico da coledocolitíase. O tratamento geralmente é feito por meio de cirurgia, com o objetivo de remover o cálculo e prevenir que a doença se complique.

2.   Uso de medicamentos

A hepatite medicamentosa é causada pelo uso de medicamentos, que podem prejudicar o funcionamento do fígado e, assim, afetar o processo de produção da bile, contribuindo para a alteração da cor das fezes. Os principais medicamentos que podem causar fezes claras são os antibióticos, embora seja um efeito colateral pouco comum. Além disso, suplementos dietéticos, fitoterápicos, anticonvulsivantes, anti-hipertensivos, analgésicos e outros medicamentos também podem causar esse tipo de alteração.

A hepatite medicamentosa nem sempre é fácil de identificar através de seus sintomas, mas algumas pessoas podem apresentar urina escura, náusea, vômito, dor abdominal, icterícia e descoloração das fezes, que podem surgir entre 5 dias e 3 meses após o início do medicamento. Veja mais causas, sintomas e o tratamento da hepatite medicamentosa.

O que fazer: é importante que um médico, preferencialmente aquele que prescreveu o medicamento, seja consultado, uma vez que se deve descartar outras causas antes de interromper o uso do medicamento. Quando confirmado, o tratamento passa por suspender o uso do remédio. 

3.   Hepatites virais

As hepatites virais, como a hepatite A, B, C, D ou E, são doenças infecciosas relativamente comuns que podem causar fezes claras, cor amarelada da pele e dos olhos (icterícia) e urina escura. 

Além destes, outros sintomas como fadiga, náuseas, perda do apetite, febre, dor abdominal, diarreia, dor articular e vermelhidão na pele também podem surgir. Confira os principais sintomas de hepatite.

O que fazer: é recomendado consultar um clínico geral ou gastroenterologista para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado. O tratamento varia de acordo com o tipo de hepatite viral e pode incluir apenas medidas simples como manter a hidratação e usar medicamentos antitérmicos e analgésicos comuns, até medidas mais específicas, como o uso de antivirais.

4.   Complicação de cirurgias

Algumas cirurgias envolvendo as vias biliares, como é o caso da remoção da vesícula biliar, por exemplo, podem causar obstruções no fluxo da bile. Quando isso acontece pode ocorrer o aparecimento de fezes claras, assim como outros sintomas como pele e olhos amarelados (icterícia) e coceira intensa.

O que fazer: idealmente, deve-se consultar o cirurgião responsável pela cirurgia, de forma a confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento o mais rápido possível. O tratamento pode incluir uma nova cirurgia para corrigir as vias biliares.

5.   Tumores nas vias biliares

Embora seja mais raro, o aparecimento de tumores nas vias biliares, na vesícula biliar ou em outros locais próximos, também pode causar alteração na cor das fezes. 

Muitas vezes, os tumores não causam nenhum sintoma inicialmente, mas com o tempo podem provocar, além de fezes esbranquiçadas, outros sintomas como dor abdominal, pele e olhos amarelados (icterícia),coceira, perda de peso e mal-estar.

O que fazer: caso exista suspeita de tumores é importante consultar um clínico geral ou gastroenterologista para fazer uma avaliação detalhada e pedir exames que ajudem a descartar ou confirmar o diagnóstico. O tratamento irá depender do tipo de tumor identificado, mas geralmente inclui a sua remoção por meio de cirurgia.

6.   Atresia de vias biliares

A atresia de vias biliares é uma causa importante de fezes esbranquiçadas ou muito claras em bebês, principalmente nos recém nascidos. O que ocorre é o fechamento progressivo de uma parte dessas vias devido a inflamação e fibrose. Dessa forma, os recém-nascidos afetados geralmente apresentam sintomas que se iniciam entre 2 e 5 semanas de vida e incluem fezes esbranquiçadas (acolia fecal) e icterícia prolongada.

O que fazer: é recomendado que um pediatra seja consultado assim que possível, porque quanto mais cedo o diagnóstico e a correção que permite restabelecer o fluxo normal da bile (geralmente antes dos 2 meses de idade), melhores são os resultados e menor é a chance de complicações.

7.   Cisto de colédoco

O cisto de colédoco é outra causa importante de fezes claras em bebês e corresponde a uma dilatação, presente desde o nascimento, das vias que transportam a bile. A maioria das crianças afetadas apresentam sintomas relacionados à dificuldade de drenagem da bile. Estes sintomas geralmente envolvem icterícia, fezes esbranquiçadas e distensão abdominal.

O que fazer: é indicado que um pediatra ou gastroenterologista pediátrico seja consultado, uma vez que o diagnóstico do cisto de colédoco requer a realização de exames de imagem, como a ultrassonografia abdominal. Seu tratamento, no entanto, é por meio de cirurgia, através da remoção dos cistos.

Exames que ajudam no diagnóstico

Os exames que ajudam a confirmar ou descartar a possível causa das fezes claras, variam conforme a suspeita, mas inicialmente podem incluir:

  • Exame de sangue para dosagem de enzimas hepáticas, fosfatase alcalina, gama glutamil transferase e bilirrubinas;
  • Testes no sangue para detecção de antígenos e anticorpos contra os vírus causadores de hepatite;
  • Ultrassonografia de fígado e vias biliares.

Além destes, o médico pode pedir outros exames mais precisos, como por exemplo tomografia computadorizada, colangiopancreatografia retrógrada endoscópica ou colangiopancreatografia por ressonância magnética. Alguns casos ainda podem necessitar de uma biópsia hepática ou outros testes, a fim de esclarecer o diagnóstico. Confira outros exames utilizados para avaliar as vias biliares.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em maio de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em maio de 2022.

Bibliografia

  • NATIONAL SOCIETY OD PEDIATRIC SURGERY OF THE REPUBLIC OF MOLDOVA. The patients with postoperative biliary strictures: evaluation of the surgical management and remote outcomes. 2018. Disponível em: <https://web.archive.org/web/20180410014329id_/http://www.sncprm.info.md/getArticle/2018-01-06_14-01-34_-art%204.pdf>. Acesso em 10 mai 2022
  • NIH. Clinical Course and Diagnosis of Drug Induced Liver Disease. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK548733/pdf/Bookshelf_NBK548733.pdf>. Acesso em 10 mai 2022
Mostrar bibliografia completa
  • CASTANEDA, Daniel et al. From hepatitis A to E: A critical review of viral hepatitis. World Journal of Gastroenterology. Vol.27, n.16. 1691-1715, 2021
  • KATAREY, Dev; VERMA, Sumita. Drug-induced liver injury. Clinical Medicine. Vol.16, n.6. 104-109, 2016
  • STATPERALS. Biliary Tract Cancer. 2020. Disponível em: <https://europepmc.org/article/nbk/nbk560550#abstract>. Acesso em 10 mai 2022
  • MOLVAR, Christopher; GLAENZER, Bryan. Choledocholithiasis: Evaluation, Treatment, and Outcomes. Seminars in Interventional Radiology. Vol.33, n.4. 268-276, 2016
  • LANE, Erin; MURRAY, Karen F.. Neonatal Cholestasis. Pediatric Clinics of North America. Vol.64, n.3. 621-639, 2017
  • GOMES, Andréia P. et al. Hepatites virais: abordagem clínica com ênfase nos vírus A e E*. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. Vol.10, n.2. 139-146, 2012
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.