O que o diabético deve fazer quando se machucar

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro
março 2020

Quando alguém com diabetes se machuca é muito importante dar atenção para a lesão, mesmo que esta pareça muito pequena ou simples, como no caso de cortes, arranhões, bolhas ou calos, pois existe um maior risco de a ferida não cicatrizar corretamente e surgir uma infecção grave.

Estes cuidados podem ser feitos em casa logo após acontecer a lesão ou assim que se descobre uma bolha ou calo escondido, por exemplo. Mas em todos os casos é muito importante ir ao dermatologista assim que possível para que a ferida seja avaliada e o tratamento adequado seja indicado.

Isto acontece porque a diabetes é uma doença crônica que provoca lesões nos nervos e enfraquece o sistema imune ao longo do tempo, tornando o processo de cicatrização mais difícil. Além disso, como o corpo não consegue utilizar o açúcar, este se acumula nos tecidos e facilita o desenvolvimento de bactérias nas feridas, aumentando o risco e a intensidade das infecções.

Primeiros socorros para feridas em diabéticos

É importante ter alguns cuidados caso surjam alterações na pele de pessoas diabéticas, como por exemplo:

  1. Lavar a região utilizando água morna e sabão com pH neutro;
  2. Evitar colocar produtos antissépticos na ferida, como álcool, iodopovidona ou peróxido de hidrogênio, pois podem lesionar os tecidos e atrasar a cicatrização;
  3. Colocar uma pomada antibiótica, receitada pelo médico, para tentar evitar o desenvolvimento de uma infecção;
  4. Cobrir o local com uma gaze esterilizada, substituindo-a todos os dias ou de acordo com a indicação do médico ou enfermeiro;
  5. Evitar colocar pressão sobre a ferida, dando preferência para roupas confortáveis ou sapatos largos, que não fiquem roçando sobre a ferida.

No caso de ter um calo, por exemplo, nunca se deve raspá-lo ou tentar retirá-lo em casa, pois pode provocar sangramento grave ou  facilitar o desenvolvimento de uma infecção grave no local. Assim, deve-se sempre consultar um podologista para fazer o tratamento adequado e evitar complicações que podem levar à amputação do pé.

O que fazer para evitar complicações graves

Devido ao elevado risco de a lesão infeccionar ou de situações mais simples como, cortes, bolhas ou calos agravarem para úlceras profundas na pele, é importante observar o local mais de uma vez por dia, procurando por sinais como vermelhidão intensa, inchaço excessivo da ferida, sangramento ou presença de pus, e piora da lesão ou não cicatrização após 1 semana.

Assim, caso haja o aparecimento de algum desses sinais, é importante voltar ao médico ou ir ao pronto-socorro para alterar o tratamento e iniciar o uso de antibióticos que podem ser ingeridos ou aplicados na ferida para facilitar a cicatrização e eliminar as bactérias.

Os casos mais comum de lesões graves surgem nos pés, pois geralmente a circulação para os pés, necessária para cicatrizar as feridas, vai piorando ao longo dos anos. Além disso, o uso de sapatos apertados facilitam o surgimento de calos e feridas, que podem aparecer em locais poucos visíveis e não ser notados, piorando ao longo do tempo. Para evitar este tipo de situações, veja como se deve cuidar do pé diabético.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Andreina De Almeida - Nutricionista, em março de 2020. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em março de 2020.
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.