Exame ASLO: o que é, para que serve e como é feito

Revisão clínica: Marcela Lemos
Biomédica
fevereiro 2022

O exame ASLO, também chamado de ASO, AEO ou da antiestreptolisina O, tem como objetivo identificar a presença de uma toxina liberada pela bactéria Streptococcus pyogenes, a estreptolisina O, que está normalmente associada a casos de faringite ou febre reumática e glomerulonefrite, nos casos mais graves.

O resultado da antiestreptolisina O pode ser alterado 1 a 3 semanas após a infecção pela bactéria, de forma que é um dos principais exames para o diagnóstico da infecção por Streptococcus pyogenes, principalmente quando existe dor de garganta frequente e que demora para ser solucionada. Conheça mais sobre a Streptococcus pyogenes.

Quando essa bactéria não é identificada e tratada corretamente, há a possibilidade de desenvolvimento de complicações e sintomas como falta de ar, dor no peito ou dor e inchaço na articulações, por exemplo, sendo fundamental consultar o clínico geral ou infectologista para que seja iniciado o tratamento mais adequado.

Para que serve

O exame ASLO serve para identificar a presença de uma toxina produzida pela bactéria Streptococcus pyogenes e, por isso, é normalmente indicado quando a pessoa apresenta sintomas recorrentes de faringite, como vermelhidão e inchaço na garganta, dificuldade para engolir, mal estar geral e febre, por exemplo, pois assim é possível identificar se essa bactéria está relacionada com a inflamação da faringe.

Além disso, esse exame pode ser solicitado quando a pessoa apresenta níveis de antiestreptolisina O elevado mesmo sem que existam sintomas de faringite, já que pode ser indicativo de que a bactéria conseguiu se espalhar pelo sangue e atingir outros órgãos, havendo maior risco da pessoa desenvolver glomerulonefrite, escarlatina ou febre reumática, por exemplo, em que a pessoa pode também apresentar falta de ar, dor e inchaço nas articulações e manchas vermelhas na pele. Saiba como identificar a febre reumática.

Como é feito

O exame ASLO deve ser feito em jejum de 4 a 8 horas, de acordo com a recomendação médica ou do laboratório e é feito a partir da coleta de uma amostra de sangue que é enviada ao laboratório para análise. É importante indicar, no momento do exame, se está fazendo uso de algum medicamento, como antibióticos, corticoides ou imunossupressores, já que podem interferir no resultado do exame.

Em alguns casos, quando existem sintomas envolvendo a garganta, pode ser também recomendado pelo médico a realização da coleta de uma amostra da garganta para identificar o agente infeccioso responsável por esse sintoma.

Caso seja confirmada a infecção por Streptococcus pyogenes, é realizado o antibiograma para verificar o antibiótico mais adequado para o tratamento. Entenda como é feito o antibiograma.

O que significa o resultado

Os valores normais de antiestreptolisina O podem variar de acordo com o laboratório e idade, porém, de forma geral é considerado normal:

  • Adultos: até 200 UI/mL;
  • Crianças: até 150 UI/mL.

No caso de um resultado positivo, ou seja, quando é identificada quantidade de antiestreptolisina O acima do que é considerado normal, o médico normalmente solicita a repetição do exame após 10 a 15 dias para verificar se os níveis desse anticorpo no sangue são constantes ou diminuem ao longo do tempo, verificando se a infecção é ativa ou não.

ASLO positivo

Apesar de resultados positivos serem característicos de infecção por Streptococcus pyogenes, nem todas as pessoas desenvolvem sintomas de febre reumática, glomerulonefrite ou amigdalite, por exemplo, no entanto devem ser acompanhadas pelo médico, realizando exames periódicos de sangue e check-up cardíaco. Veja quais são os exames solicitados para avaliar o coração.

Além disso, algumas situações podem levar ao aumento desse anticorpo sem que necessariamente esteja relacionada com a bactéria Streptococcus pyogenes, como hepatite viral, tuberculose e contaminação da amostra, sendo recomendado realizar outros exames para confirmar o diagnóstico.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Marcela Lemos - Biomédica, em fevereiro de 2022.

Bibliografia

  • GEERTS, I et al. The clinical-diagnostic role of antistreptolysin O antibodies. Acta Clin Belg. 66. 6; 410-415,, 2011
  • SEN, ES; RAMANAN, AV. How to use antistreptolysin O titre. Arch Dis Child Educ Pract Ed. 99. 6; 231-238, 2014
Mostrar bibliografia completa
  • GUTIÉRREZ, Clara et al. Valores referenciales de antiestreptolisina O y portadores asintomáticos de estreptococos β-hemolíticos en adolescentes y adultos del Municipio Francisco Linares Alcántara, Venezuela. Revista chilena de infectología. 32. 6; 689-694, 2015
  • BVS. ASLO positivo é diagnóstico de Febre Reumática?. Disponível em: <https://aps.bvs.br/aps/aslo-positivo-e-diagnostico-de-febre-reumatica-2/>. Acesso em 23 nov 2021
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.