Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que fazer para tirar espinha interna e por que acontece

Novembro 2020

A espinha interna, cientificamente chamada de acne nódulo-cística, é um tipo de acne que surge na camada mais interna da pele, é palpável, bastante dolorida e o seu surgimento está normalmente relacionado a alterações hormonais, principalmente devido à adolescência, estresse e período menstrual, por exemplo.

Apesar de ser bastante desconfortável, é importante não tentar espremer a espinha interna, isso porque como não tem abertura para a camada mais superficial da pele, não é possível eliminar o pus, além de aumentar o risco de piorar a inflamação e os sintomas.

Assim, em caso de espinha interna é recomendado fazer compressas com água quente ou aplicar vapor próximo ao local da espinha, pois dessa forma é possível favorecer o desaparecimento da inflamação e, consequentemente, alívio dos sintomas. No entanto, nos casos em que as espinhas internas são frequentes e não melhoram com as medidas caseiras, é importante consultar o dermatologista para que seja feita uma avaliação e possa ser indicado o uso de alguns medicamentos que ajudam a eliminar a espinha interna.

O que fazer para tirar espinha interna e por que acontece

Por que acontece

O aparecimento da espinha interna está diretamente relacionada com o desbalanço hormonal e, por isso, é mais comum de acontecer em adolescentes, já que há uma maior variação no nível de testosterona circulante tanto em meninos quanto em meninas.

Apesar de ser mais comum em adolescentes, essa espinha também pode aparecer em adultos, sendo principalmente influenciada por fatores psicológicos, como estresse e ansiedade, período pré-menstrual e alimentação pouco saudável. Além disso, a espinha interna pode também surgir como consequência da exposição prolongada ao sol ou devido ao uso de medicamentos corticoides ou de suplementos de vitamina B. 

O que fazer

O mais importante a fazer quando se tem uma espinha interna é evitar espremer o local, pois, além de não conseguir remover o pus, o ato de apertar a pele pode aumentar a inflamação e provocar o surgimento de manchas escuras na pele, que podem demorar ainda mais tempo para desaparecer.

Assim, uma boa técnica que se pode usar para tratar mais rápido a espinha interna consiste em iniciar o tratamento logo que surgem os primeiros sinais como dor, vermelhidão e inchaço na pele, sendo indicado para isso:

  1. Aplicar gelo sobre a região durante 5 minutos, protegendo com um pano;
  2. Afastar o gelo da pele por 10 minutos;
  3. Repetir o processo por, pelo menos, 1 hora por dia até a espinha desaparecer.

Outra forma de eliminar a espinha interna e aliviar os sintomas é aplicando vapor quente próximo ao local da espinha ou realizando compressa com água morna no local durante alguns minutos, isso porque essas técnicas ajudam a diminuir a inflamação e a quantidade de pus presente no local. Para que tenha o efeito desejado, é recomendado realizar a técnica várias vezes ao dia.

Além disso, para combater a espinha interna e evitar o aparecimento de outras, é importante manter a rotina de cuidados da pele, realizando uma limpeza diária para eliminar as impurezas e restos de maquiagem, por exemplo, além de também ser importante hidratar e proteger a pele por meio de uso de filtro solar diário.

A limpeza de pele realizada por um profissional capacitado também é uma forma de combater e prevenir as espinhas, uma vez que é feita uma limpeza mais profunda da pele. Veja como é feita a limpeza de pele profunda.

O que fazer para tirar espinha interna e por que acontece

Quando ir ao médico

É recomendado consultar o dermatologista quando as técnicas caseiras não funcionam, quando a dor se mantém por mais de 1 semana ou quando o aparecimento das espinhas internas é frequente. 

Dessa forma, o médico poderá fazer uma avaliação da pele e da espinha interna e indicar o tratamento mais adequado, que normalmente consiste no uso de antibióticos ou de isotretinoína, que é uma substância obtida a partir da vitamina A e que está relacionada com a diminuição da produção de sebo, o que ajuda a reduzir a inflamação e, assim, combater a espinha interna. Saiba mais sobre a isotretinoína.

Cuidados durante o tratamento da espinha interna

Alguns cuidados ajudam a acelerar o processo de tratamento da espinha interna e podem ser usados para completar o tratamento caseiro ou médico. Eles incluem:

  • Evitar espremer a espinha interna pois pode piorar a inflamação, aumentando a dor;
  • Lavar a região afetada com sabonete antisséptico, como Soapex ou Protex, 3 vezes por dia;
  • Aplicar um hidratante com fator de proteção solar, antes de sair de casa;
  • Passar um creme para acne, como Differin ou Acnase, antes de dormir;
  • Evitar o uso de maquiagem e outros produtos cosméticos sobre a região afetada.

Estes cuidados podem ser utilizados para tratar a espinha interna no rosto, no ouvido, na virilha, nas costas ou em qualquer outra parte do corpo. Além destes cuidados, deve-se fazer uma alimentação pobre em alimentos açucarados ou gordurosos, como chocolate, amendoim, leite, bolos ou sorvetes, pois aumentam a irritação das glândulas sebáceas responsáveis pelo surgimento da acne. Conheça os alimentos para diminuir as espinhas.

Assista ao vídeo e veja como a alimentação pode ajudar a evitar o surgimento de espinhas:

Bibliografia >

  • SARIC, Suzana; NOTAY, Manisha; SIVAMANI, Raja K. Green Tea and Other Tea Polyphenols: Effects on Sebum Production and Acne Vulgaris. Antioxidantes. Vol 06. 2 ed; 2017
  • UNIVALI. O uso da fitocosmética no combate às lesões de acne: um protocolo contendo ativo que interferem nos fatores patogênicos desta afecção. Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Jessika%20Dutra%20de%20Mira,%20Karen%20Rubria%20Francez.pdf>. Acesso em 13 Set 2019
  • NETO, Edilson M. R et al. Abordagem terapêutica da acne na clínica farmacêutica. Boletim Informativo Geum. Vol 06. 3 ed; 59-66, 2015
  • FIGUEIREDO, Américo; MASSA, Antônio; PICOTO, Antônio; SOARES, Antônio P. et al. Avaliação e tratamento do doente com acne – Parte I: Epidemiologia, etiopatogenia, clínica, classificação, impacto psicossocial, mitos e realidades, diagnóstico diferencial e estudos complementares. Rev Port Clin Geral. Vol 27. 59-65, 2011
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Acne. Disponível em: <https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/acne/23/>. Acesso em 05 Nov 2020
  • MONTAGNER, Suelen; COSTA, Adilson. Diretrizes modernas no tratamento da acne vulgar: da abordagem inicial à manutenção dos benefícios clínicos. Surg Cosmet Dermatol. Vol 2. 3 ed; 205-213, 2010
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem