Endorfina: o que é, para que serve e como aumentar

A endorfina é um hormônio produzido naturalmente pela hipófise no cérebro, e quando é liberado na circulação sanguínea age estimulando a sensação de prazer, bem estar, bom humor, motivação e felicidade. Além disso, a endorfina também age como um analgésico opioide, reduzindo a dor física e o estresse, sendo por isso, conhecida como “opioide endógeno”, ou seja, “opioide do próprio corpo”.

Os baixos níveis de endorfina no corpo podem causar irritação, tristeza ou irritabilidade, e podem aumentar o risco de desenvolver problemas de saúde como depressão, ansiedade, fibromialgia ou enxaqueca crônica, por exemplo. 

No entanto, existem algumas formas de estimular a produção de endorfinas, como praticar atividades físicas, ter contato íntimo, comer chocolate ou estar entre amigos, que são atividades que levam à liberação de endorfina no sangue, aumentando a sensação de bem estar e prazer.

Endorfina: o que é, para que serve e como aumentar

Para que serve

A endorfina é muito importante para diversas funções do organismo, por isso, é importante que os seus níveis se encontrem em concentrações saudáveis. As principais funções da endorfina são:

1. Melhorar o humor

A endorfina atua no cérebro regulando a ansiedade, aumentando a felicidade e melhorando o humor e, por isso, baixos níveis desse neurotransmissor podem causar ansiedade e levar à depressão.

2. Aumentar a auto-estima

A liberação de endorfina pelo corpo aumenta a sensação de bem estar, felicidade e prazer, o que ajuda a aumentar a autoconfiança, melhorando a auto-estima.

3. Reduzir a dor

A endorfina possui ação analgésica, semelhante aos remédios opioides como a morfina, sendo liberada naturalmente pelo corpo nos momentos de dor, como ao fazer esforços físicos extremos, quebrar um osso ou após cirurgias, por exemplo. 

Apesar de ter ação semelhante aos opioides, a endorfina não causa dependência ou vício como os remédios opioides.

4. Reduzir o estresse

Além da diminuição da sensação da dor, a endorfina também ajuda a reduzir o estresse pois age regulando a liberação de hormônios relacionados ao estresse.

Além disso, a endorfina aumenta a sensação de bem estar e prazer, o que ajuda a reduzir o estresse.  

5. Melhorar a memória e a atenção

A endorfina também ajuda a melhorar a memória e a atenção, pois quando é liberada aumenta a sensação de bem estar, o que facilita a atenção aos estímulos externos, além permitir que estímulos externos sejam percebidos de forma mais clara.

6. Fortalecer o sistema imunológico

A liberação de endorfina ajuda a fortalecer o sistema imunológico, por reduzir o estresse emocional. Isto porque em situações de estresse crônico ou depressão, o sistema imunológico pode ficar enfraquecido, diminuindo sua capacidade de combater microorganismos e aumentando o risco de doenças. 

7. Aumentar o desejo sexual

A endorfina influencia na sexualidade, pois induz a síntese e liberação de outros hormônios, como a ocitocina, por exemplo, também conhecida como o hormônio do amor, o que leva a um aumento do desejo pelo contato íntimo, além de facilitar o vínculo amoroso, por causar sensação de felicidade e bem estar. Conheça mais sobre a ocitocina.

Doenças relacionadas a endorfina baixa

Os baixos níveis de endorfina no corpo têm sido relacionados ao maior risco de desenvolvimento de algumas condições, como:

  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Fibromialgia;
  • Enxaqueca crônica;
  • Problemas de sono e vigília.

Além disso, a pessoa pode ainda sentir-se constantemente cansada, triste, irritada e ficar sem paciência facilmente, o que pode indicar que o corpo precisa de mais endorfina na corrente sanguínea.

Como aumentar a endorfina

Existem algumas formas de estimular a liberação de endorfina pelo corpo como ter contato íntimo, comer chocolate ou estar entre amigos. 

Além disso, as atividades físicas, como correr, andar de bicicleta, fazer caminhadas ou dançar, por exemplo, também ajudam a liberar endorfina, aumentando a sensação de prazer e bem estar. Confira outras formas de aumentar a endorfina

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • KHAJEHEI, M.; BEHROOZPOUR, E. Endorphins, oxytocin, sexuality and romantic relationships: An understudied area. World J Obstet Gynecol. 7. 2; 17-23, 2018
  • GRISEL, J. E.; et al. Influence of β-Endorphin on anxious behavior in mice: interaction with EtOH. Psychopharmacology. 200. 105–115, 2008
  • PILOZZI, A.; et al. Roles of β-Endorphin in Stress, Behavior, Neuroinflammation, and Brain Energy Metabolism. Int. J. Mol. Sci. 22. 1; 338, 2021
  • CHAUDHRY, S. R.; GOSSMAN, W. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Biochemistry, Endorphin. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK470306/>. Acesso em 22 Dez 2021
  • SPROUSE-BLUM, Adam S.; et al. Understanding Endorphins and Their Importance in Pain Management. Hawaii Med J. 69. 3; 70–71, 2010
  • AMIR, S.; et al. The role of endorphins in stress: evidence and speculations. Neurosci Biobehav Rev. 4. 1; 77-86, 1980
  • MISRA, U. K.; et al. Role of β endorphin in pain relief following high rate repetitive transcranial magnetic stimulation in migraine. Brain Stimul. 10. 3; 618-623, 2017
  • KIRKHAM, M.; JOWITT, M. Optimising endorphins. Pract Midwife. 15. 10; 33-5, 2012
Mais sobre este assunto: