Eletroforese: o que é, para que serve e como é feita

A eletroforese é uma técnica laboratorial realizada com o objetivo de separar moléculas de acordo com o seu tamanho e carga elétrica para que se possa ser realizado o diagnóstico de doenças, seja verificada a expressão de proteínas ou se possa identificar microrganismos.

A eletroforese é um procedimento simples e de baixo custo, sendo utilizado na rotina laboratorial e em projetos de investigação. De acordo com a finalidade da eletroforese, pode ser necessária a realização de outros testes e exames para que se possa chegar a um diagnóstico, por exemplo.

Eletroforese: o que é, para que serve e como é feita

Para que serve

A eletroforese pode ser realizada com diversas finalidades, tanto em projetos de investigação quanto no diagnóstico, já que se trata de uma técnica simples e de baixo custo. Dessa forma, a eletroforese pode ser realizada para:

  • Identificar vírus, fungos, bactérias e parasitas, sendo mais comum essa aplicação em projetos de investigação;
  • Teste de paternidade;
  • Verificar a expressão de proteínas;
  • Identificar mutações, sendo útil no diagnóstico de leucemias, por exemplo;
  • Analisar os tipos de hemoglobina circulantes, sendo útil no diagnóstico da anemia falciforme;
  • Avaliar a quantidade de proteínas presentes no sangue.

De acordo com a finalidade da eletroforese, pode ser necessária a realização de outros exames complementares para o médico possa concluir o diagnóstico.

Como é feita

A eletroforese é uma técnica laboratorial e que, para ser realizada, é necessário preparar um gel de agarose ou poliacrilamida, dependendo do objetivo da realização da técnica, solução tampão, cuba de eletroforese, marcador de peso molecular e uma substância capaz de permitir a visualização das amostras quando expostas à luz UV ou LED. Após o preparo e solidificação do gel, a técnica pode ser realizada da seguinte forma:

  1. Colocar cada amostra em um poço do gel, misturando uma pequena quantidade de marcador de peso molecular;
  2. Colocar em um dos poços um controle positivo, que é a substância que se sabe o que é, e em outro poço, o controle negativo, para garantir a validade da reação. Em ambos os poços, é necessário haver também o marcador de peso molecular;
  3. Colocar o gel na cuba de eletroforese, caso não esteja, com a solução tampão específica, e ligar o aparelho para que seja gerada corrente elétrica capaz de gerar de diferença potencial e separação das partículas de acordo com a sua carga e tamanho. O tempo da corrida eletroforética varia de acordo com o objetivo do procedimento, podendo durar até 1 hora;
  4. Visualizar o resultado da eletroforese por meio do transiluminador. Quando o gel é colocado sob luz UV ou LED, é possível visualizar o padrão de bandas: quanto maior a molécula, menor é a sua migração, ficando mais próximo do poço, enquanto que quanto mais leve for a molécula, maior é o potencial migratório.

Para que a reação seja validada, é preciso que sejam visualizadas as bandas do controle positivo e que no controle negativo não seja visualizado nada, pois caso contrário é indicativo de que houve contaminação, devendo todo o processo ser repetido.

Eletroforese: o que é, para que serve e como é feita

Tipos de eletroforese

A eletroforese pode ser realizada com diversas finalidades e, de acordo com o seu objetivo, pode ser utilizados vários tipos de gel, sendo os mais comuns o de poliacrilamida e o de agarose.

A eletroforese para identificar microrganismos é mais comum de ser realizada em laboratórios de investigação, no entanto, para fins diagnósticos, a eletroforese pode ser utilizada para identificar doenças hematológicas e doenças que evoluam com o aumento da quantidade de proteínas, sendo os principais tipos de eletroforese:

1. Eletroforese de hemoglobina

A eletroforese de hemoglobina é uma técnica laboratorial realizada para identificar os diferentes tipos de hemoglobina circulantes no sangue, sendo possível identificar a presença de doenças relacionadas à síntese de hemoglobina. O tipo de hemoglobina é identificado por meio da eletroforese em pH específico, idealmente entre 8,0 e 9,0, sendo verificado um padrão de bandas que pode ser comparado ao padrão normal, permitindo identificar a presença de hemoglobinas anormais.

Para que é feita: A eletroforese de hemoglobina é feita para investigar e diagnosticar doenças relacionadas à síntese de hemoglobina, como anemia falciforme e doença da hemoglobina C, além de ser útil na diferenciação das talassemias. Saiba como interpretar a eletroforese de hemoglobina.

2. Eletroforese de proteínas

A eletroforese de proteínas é um exame solicitado pelo médico para avaliar a quantidade de proteínas circulantes no sangue e, assim, identificar doenças. Esse exame é feito a partir de uma amostra de sangue, que é centrifugada para que se obtenha o plasma, que a parte do sangue constituída, dentre outras substâncias, por proteínas.

Após eletroforese, pode ser visualizado um padrão de bandas e, posteriormente, um gráfico em que é indicada a quantidade de cada fração de proteínas, sendo fundamental para o diagnóstico.

Para que é feita: A eletroforese de proteínas permite que o médico investigue a ocorrência de mieloma múltiplo, desidratação, cirrose, inflamações, doenças do fígado, pancreatite, lúpus e hipertensão de acordo com o padrão de bandas e o gráfico apresentado no laudo do exame.

Entenda como é feita e como entender o resultado da eletroforese de proteínas.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, CENTRO CIENTÍFICO CONHECER. Eletroforese: conceitos e aplicações. 2015. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop/2015c/agrarias/Eletroforese.pdf>. Acesso em 24 Set 2019
  • KASVI. O que é eletroforese e qual a sua importância?. Disponível em: <https://kasvi.com.br/o-que-e-eletroforese-e-qual-a-sua-importancia/>. Acesso em 24 Set 2019
Mais sobre este assunto: