Dramin B6: o que é, para que serve e como usar

Revisão clínica: Flávia Costa
Farmacêutica
abril 2022

O Dramin B6 é um antihistamínico associado à vitamina B6, indicado para prevenir e tratar os sintomas de enjoo, tontura e vômitos, pois age diretamente no centro do vômito no cérebro, além de regular neurotransmissores cerebrais, como GABA, serotonina e dopamina, que são substâncias responsáveis por transmitir os impulsos nervosos relacionados às náuseas e vômitos.

Esse remédio pode ser encontrado em farmácias ou drogarias, na forma de gotas ou comprimidos, e deve ser usado com indicação médica, nas doses e pelo tempo de tratamento estabelecido pelo médico.

O Dramin B6 também pode ser encontrado na forma de injeção, com o nome comercial Dramin B6 DL, usado somente em hospitais, e aplicado diretamente na veia pelo enfermeiro sob supervisão médica.

Para que serve

O Dramin B6 é indicado para prevenir e tratar náuseas e vômitos nas seguintes situações:

  • Gravidez;
  • Doença do movimentos, como náuseas de viagens, ajudando também a aliviar as tonturas;
  • Após tratamentos de radioterapia;
  • Pré e pós-operatório.

Além disso, também pode ser usado para prevenir e controlar transtornos vertiginosos e labirintite. 

Como usar

O Dramin B6 deve ser administrado imediatamente antes ou durante as refeições, e engolido com água. Caso a pessoa pretenda viajar, deve ingerir o medicamento pelo menos meia hora antes da viagem.

1. Dramin B6 comprimidos

Os comprimidos contém 50 mg de dimenidrinato e 10 mg de vitamina B6, também chamado de cloridrato de piridoxina.

As doses normalmente recomendadas do Dramin B6 para adultos ou crianças com mais de 12 anos são de 1 a 2 comprimidos, a cada 4 horas, conforme orientação médica., não devendo-se ultrapassar a dose de 400 mg de dimenidrinato por dia, o que corresponde a 8 comprimidos por dia, no máximo.

Em pessoas com insuficiência hepática, a dose deve ser reduzida.

2. Dramin B6 gotas

O Dramin B6 gotas contém 25 mg de dimenidrinato e 5 mg de vitamina B6 para cada mL da solução, e pode ser usada por adultos ou crianças com mais de 2 anos de idade. 

As doses normalmente recomendadas de Dramin B6 gotas variam com a idade e incluem:

Idade

Posologia

Dose diária máxima (24 horas)

Crianças de 2 a 6 anos

1 gota por cada kg de peso corporal, a cada 6 a 8 horas

60 gotas

Crianças de 6 a 12 anos

1 gota por cada kg de peso corporal, a cada 6 a 8 horas

120 gotas

Crianças com mais de 12 anos e adultos

1 gota por kg cada kg de peso corporal, a cada 4 a 6 horas

320 gotas

É importante que o Dramin B6 gotas, seja utilizado somente com indicação do pediatra, calculando a dose de acordo com a idade e orientando o tempo de tratamento.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer durante o tratamento com o Dramin B6 são sonolência, sedação e dor de cabeça, por isso, deve-se evitar dirigir veículos ou operar máquinas enquanto a pessoa tiver esses sintomas.

O Dramin dá sono?

Sim. Um dos efeitos colaterais mais comuns é a sonolência, por isso, é muito provável que a pessoa sinta sono durante algumas horas, depois de tomar o Dramin B6.

Quem não deve usar

O Dramin B6 não deve ser usado por pessoas com alergia aos componentes da fórmula e em pessoas com porfiria.

Além disso, os comprimidos não devem ser usados em crianças com menos de 12 anos e a solução oral em gotas não deve ser usada em menores de 2 anos.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em abril de 2022.

Bibliografia

  • TAKEDA PHARMA LTDA. Dramin B6 comprimidos e gotas. 2020. Disponível em: <https://docs.google.com/gview?url=https://uploads.consultaremedios.com.br/drug_leaflet/Bula-Dramin-B6-Paciente-Consulta-Remedios.pdf?1587757000&embedded=true>. Acesso em 14 abr 2022
  • TAKEDA. Dramin B6 DL injeção. Disponível em: <https://www.takeda.com/siteassets/pt-br/home/what-we-do/produtos/draminb6bl_nspc_0217_vp.pdf>. Acesso em 14 abr 2022
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.