Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

DIU de prata: o que é, como funciona e efeitos colaterais

novembro 2022

O DIU de prata é um método contraceptivo eficaz para evitar a gravidez, já que por ser composto por cobre e prata pode promover a alteração das características do útero da mulher e deixar o muco cervical mais espesso, interferindo na mobilidade do espermatozoide e prevenindo a fecundação.

O DIU de prata possui o formato de "Y", sendo mais fácil de ser inserido pelo ginecologista, e é indicado principalmente para mulheres que possuem o útero menor.

É importante que o tipo de DIU seja discutido com o ginecologista para que sejam avaliadas as vantagens e desvantagens de cada tipo e se há necessidade de fazer uso de um DIU hormonal, por exemplo. Veja mais sobre os tipos de DIU.

Imagem ilustrativa número 1

Como funciona

O DIU de prata libera continuamente cobre e prata no útero por um período de 5 anos. O cobre liberado atua diretamente nas paredes do útero, o endométrio, dificultando a implantação de um possível óvulo fecundado e o desenvolvimento de uma gravidez. Além disso, o cobre liberado é capaz de promover o aumento da espessura no muco cervical, dificultando a movimentação do espermatozoide, além de também promover uma ação inflamatória capaz de induzir a morte dos espermatozoides.

Ao mesmo tempo que há liberação do cobre, há liberação da prata, que atuam impedindo a oxidação do cobre no útero e, consequentemente, promovendo aumento do efeito contraceptivo do DIU.

Qual a diferença entre o DIU de cobre e o DIU de prata?

Tanto o DIU de cobre quanto o DIU de prata são dispositivos intrauterinos que não possuem hormônios. No entanto, o DIU de cobre é formado apenas de cobre, enquanto que o de prata contém cobre e prata. Além disso, por conter prata, o DIU de prata pode ter menos efeitos colaterais que o de cobre, porém só pode permanecer no útero por 5 anos, enquanto que o DIU de cobre pode permanecer por 10 anos. Conheça mais sobre o DIU de cobre.

O DIU de prata tem hormônio?

O DIU de prata é um tipo de dispositivo intrauterino não hormonal, ou seja, não contém hormônios em sua composição, diferentemente do DIU Mirena. Assim, o DIU de prata apresenta efeitos colaterais menos intensos que o hormonal e o seu efeito no corpo é devido à liberação de cobre e de prata.

Como colocar o DIU de prata

O DIU de prata deve ser colocado no consultório do ginecologista e é um procedimento simples e rápido, podendo durar até 20 minutos. Para isso, a mulher deve ficar em posição ginecológica, com as pernas afastadas, e o médico deve inserir o dispositivo até o útero, deixando um pequeno fio dentro da vagina para garantir que o DIU está colocado de forma correta.

O DIU de prata pode ser colocado em qualquer fase do período menstrual, no entanto é importante que sejam seguidas as orientações do ginecologista, que pode recomendar que a colocação seja feita durante o período menstrual, que é quando o útero está mais dilatado, facilitando a colocação.

Possíveis efeitos colaterais

O DIU de prata não está relacionado com muitos efeitos colaterais, no entanto nos primeiros meses após a colocação, é possível haver alteração do ciclo menstrual, leve desconforto abdominal e pequeno sangramento após a colocação do DIU.

Além disso, por conter prata em sua composição, não costuma ser notado aumento do fluxo menstrual e das cólicas após a colocação do DIU de prata, diferentemente do que acontece com o DIU de cobre.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • FEBRASGO. Manua de Contracepção. 2015. Disponível em: <https://central3.to.gov.br/arquivo/494569/>. Acesso em 25 nov 2022
  • VARELA, MARIA GIL. Contracepção. Disponível em: <http://www.fspog.com/fotos/editor2/cap_16.pdf>. Acesso em 25 nov 2022
Mostrar bibliografia completa
  • HOLANDA, Antônio A. R.; BARRETO, Carlos F. B.; HOLANDA, Julita C. P. et al. Controvérsias acerca do dispositivo intrauterino: uma revisão. FEMINA. Vol 41. 3 ed; 141-146, 2013
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.