Demência senil: o que é, sintomas e tratamento

A demência é caracterizada por uma perda progressiva das funções intelectuais, como alteração de memória, raciocínio e linguagem. No entanto, o termo "demência senil" não faz referência a nenhum tipo de diagnóstico, já que apesar de demência poder acontecer com maior frequência depois dos 65 anos, não é exclusiva dessa idade, podendo também acontecer em pessoas mais jovens.

Além disso, a diminuição de algumas funções cognitivas pode fazer parte do envelhecimento natural, apesar de isso não ser necessariamente uma regra, de forma que a demência não deve ser considerada uma doença ou um transtorno específico da terceira idade.

Apesar disso, é importante que o geriatra ou clínico geral seja consultado caso sejam notados sintomas de demência, pois assim é realizada uma avaliação médica e, caso seja necessário, seja iniciado o tratamento adequado de acordo com o tipo de demência e doença relacionada.

Demência senil: o que é, sintomas e tratamento

Principais sintomas

São vários os sintomas de demência, e dependem da causa da doença e podem até demorar anos para se manifestar. Os sintomas mais comuns são os seguintes:

  • Perda da memória, confusão e desorientação;
  • Dificuldade em compreender comunicação escrita ou verbal;
  • Dificuldade em tomar decisões;
  • Dificuldade em reconhecer familiares e amigos;
  • Esquecimento de fatos comuns, como por exemplo, o dia em que estão;
  • Alteração da personalidade e do senso crítico;
  • Agitação e caminhadas durante a noite;
  • Falta de apetite, perda de peso, incontinência urinária e fecal;
  • Perda da orientação em ambientes conhecidos;
  • Movimentos e fala repetitiva;
  • Dificuldade para dirigir, fazer compras sozinho, cozinhar e realizar os cuidados pessoais;

Todos estes sintomas levam a pessoa a uma dependência progressiva e podem causar em algumas pessoas depressão, ansiedade, insônia, irritabilidade, desconfiança, delírios e alucinações.

Possíveis causas

As causas que podem levar ao desenvolvimento de demência são:

1. Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é uma doença em que ocorre degeneração progressiva dos neurônios do cérebro e comprometimento das suas funções cognitivas, como a memória, atenção, linguagem, orientação, percepção, raciocínio e pensamento. Conheça os sinais de alerta para esta doença.

As causas ainda não estão conhecidas, mas estudos sugerem um fator hereditário, especialmente quando começa na meia idade.

2. Demência com origem vascular

Tem um início mais rápido, estando associado a múltiplos infartos cerebrais, geralmente acompanhados de pressão alta e derrames. O comprometimento cerebral é mais evidente na atenção complexa, por exemplo a velocidade de processamento e nas funções executivas frontais, tais como o movimento e da resposta emocional. Saiba o que causa o AVC e como evitar.

3. Demência causada por medicamentos

Existem medicamentos que, tomados com regularidade, podem aumentar o risco de desenvolver demência. Alguns exemplos de medicamentos que podem aumentar esse risco, se tomados com muita frequência são os anti-histamínicos, soníferos, antidepressivos, remédios usados em problemas de coração ou gastrointestinais e relaxantes musculares.

4. Outras causas

Existem outras doenças que podem levar ao desenvolvimento de demência, como por exemplo a demência com corpos de Lewy, Síndrome de Korsakoff, doença de Creutzfeldt-Jakob, Doença de Pick, Doença de Parkinson e tumores cerebrais.

Confira mais detalhes sobre a demência com corpos de Lewy, que é uma das causas mais comuns.

Como é o diagnóstico

O diagnóstico da doença se faz geralmente com hemograma, teste de função renal, hepática e tireoidiana, dosagem sérica de vitamina B12 e ácido fólico, sorologia para sífilis, glicemia de jejum, tomografia computadorizada de crânio ou ressonância magnética.

O médico deve realizar também uma história clínica completa, testes para avaliar a memória e o estado mental, avaliação do grau de atenção e concentração e das habilidades em resolver problemas e nível de comunicação.

O diagnóstico da demência é feito por exclusão de outras doenças que apresentam sintomas parecidos.

Tratamento para demência

O tratamento para a demência depende do tipo, já que a abordagem terapêutica pode variar, sendo indicado o uso de medicamentos, como inibidores de acetilcolinesterase, antidepressivos, estabilizadores do humor ou neurolépticos, além de exercícios de fisioterapia, terapia ocupacional e orientação para a família e cuidadores, por exemplo.

É importante que a pessoa com demência tenha acompanhamento médico constante e tenha apoio em casa, já que dessa forma é possível garantir uma melhor qualidade de vida e o tratamento pode ser realizado mais facilmente.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • CUSTODIO, Nilton et al. Evolución histórica del concepto y criterios actuales para el diagnóstico de demencia.. Rev Neuropsiquiatr. 81. 4; :235-250, 2018
  • CRUZ, AJ. No diga ''demencia senil''. El médico de Atención Primaria ante la demencia. SEMERGEN. 33. 6; 279-281, 2007
  • A MENTE É MARAVILHOSA. O que é e quais são as funções do lobo frontal do nosso cérebro?. Disponível em: <https://amenteemaravilhosa.com.br/lobo-frontal-cerebro/>.
  • American Psychiatric Association. Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. 5.ed. Portugal: Climepsi, 2013.
Mais sobre este assunto: