Criptococose: o que é, sintomas e tratamento

A criptococose, popularmente conhecida como doença do pombo, é uma doença infecciosa causada pelo fungo Cryptococcus neoformans, que pode ser encontrado principalmente nas fezes dos pombos, mas também em frutas, solos, cereais e árvores, por exemplo.

A infecção pelo Cryptococcus neoformans é considerada oportunista, isso porque desenvolve-se mais facilmente em pessoas que possuem alterações no sistema imunológico, acontecendo com mais frequência em pessoas com AIDS.

Apesar da infecção acontecer através da inalação do fungo e o sítio primário de infecção ser o pulmão, o fungo normalmente provoca alterações no sistema nervoso, levando ao desenvolvimento de meningite por Cryptococcus neoformans que se não for tratada devidamente pode levar ao óbito. Assim, para prevenir complicações, é importante seguir o tratamento recomendado pelo infectologista, que indica o uso de antifúngicos.

Criptococose: o que é, sintomas e tratamento

Principais sintomas

A contaminação pelo Cryptococcus neoformans acontece por meio da inalação de esporos ou leveduras do fungo presente nas árvores ou nas fezes do pombo, por exemplo. Esse fungo aloja-se nos pulmões e causa sintomas respiratórios. No entanto, de acordo com o sistema imune da pessoa, é possível que o fungo entre na corrente sanguínea e se dirija para outros locais do corpo, resultando em sintomas sistêmicos, como por exemplo:

  • Nódulos pulmonares;
  • Dor no peito;
  • Rigidez na nuca;
  • Suores noturnos;
  • Confusão mental;
  • Meningite;
  • Dor de cabeça;
  • Febre baixa;
  • Fraqueza;
  • Alterações visuais.

É importante que o diagnóstico da criptococose seja feito assim que surgirem os primeiros sintomas, pois dessa forma é possível iniciar o tratamento rapidamente para evitar maior comprometimento do sistema nervoso, coma e óbito.

Assim, o diagnóstico dessa infecção deve ser feito pelo infectologista por meio da avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa e estado geral de saúde, além de exame microbiológico para identificar o fungo. A radiografia do tórax também pode ser útil para o diagnóstico da doença, uma vez que permite observar danos pulmonares, nódulos ou massa única que caracterizam a criptococose.

Como é feito o tratamento

O tratamento da criptococose varia de acordo com o grau da doença apresentado pela pessoa, podendo ser recomendado pelo médico o uso de medicamentos antifúngicos, como a Anfotericina B ou Fluconazol, por exemplo, por cerca de 6 a 10 semanas.

No caso de ser verificado que a pessoa possui uma infecção sistêmica, ou seja, quando é possível identificar o fungo no sangue, o tratamento deve ser realizado em internamento para que os sintomas possam ser controlados e, assim, possam ser prevenidas complicações.

Prevenção da criptococose

A prevenção da criptococose diz respeito principalmente ao controle dos pombos, já que é o principal transmissor da doença. Assim, é importante evitar o contato com os pombos, se tiver necessidade de trabalhar com aves, utilizar máscaras e luvas, evitar alimentar os pombos e utilizar água e cloro para lavar as fezes dos pombos.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • BARER, Michael R.. Medical Microbiology: A guide to microbial infections - pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 599-600.
  • GENTIL, Fernanda A.; DIAS, Dayane T.; PACHECO, Daniele F. et al. Criptococose: relato de c aso. Acta Biomedica Brasiliensia. Vol 7. 2 ed; 2016
  • ZHAO, Youbao; LIN, Jianfeng; FAN, Yumeg; LIN, Xiarong. Life Cycle of Cryptococcus neoformans. Annual Review of Microbiology. Vol 73. 17-42, 2019
  • CASADEVALL, Arturo; COELHO, Carolina; ALANIO, Alexandre. Mechanisms of C. neoformans-Mediated Host Damage. Front. Immunol. Vol 9. 2018
Mais sobre este assunto: