Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Entenda a relação entre o estresse e o cortisol

O cortisol é popularmente conhecido como hormônio do estresse, uma vez que nesses momentos há maior produção desse hormônio. Além de poder estar aumentado em situações de estresse, o cortisol também pode aumentar durante a prática de atividades físicas e como consequência de doenças endócrinas, como a Síndrome de Cushing.

Alterações nos níveis de cortisol podem influenciar vários processos do organismo e deixar o sistema imunológico mais enfraquecido, principalmente. Isso porque, dentre outras funções, o cortisol é responsável por controlar o estresse tanto fisiológico quanto psicológico, e por reduzir inflamações.

O cortisol é um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais responsável pela regulação de vários processos que acontecem no corpo. A produção e liberação desse hormônio na corrente sanguínea acontece de forma regular e seguindo o ciclo circadiano, havendo maior produção no período da manhã ao acordar.

Saiba mais sobre as funções do cortisol.

Entenda a relação entre o estresse e o cortisol

Consequências do cortisol alto

O cortisol alto é muito comum em pessoas que sofrem de estresse crônico, pois o organismo está constantemente produzindo o hormônio para deixar o corpo pronto para resolver as situações estressantes, que acabam não sendo resolvidas. Durante estes períodos, as glândulas suprarrenais produzem também adrenalina e noradrenalina que, juntamente com o cortisol, provocam algumas alterações no organismo, sendo as principais:

1. Aumento da frequência cardíaca

Com o aumento da quantidade de cortisol no sangue e, consequentemente, de adrenalina e noradrenalina, o coração passa a bombear mais sangue, aumentando a quantidade de oxigênio nos músculos. Além disso, como consequência do aumento do cortisol, pode acontecer o estreitamento dos vasos sanguíneos, obrigando o coração a trabalhar mais, aumentando a pressão arterial e favorecendo o aparecimento de doenças cardíacas.

2. Aumento dos níveis de açúcar no sangue

Isso acontece porque níveis aumentados de cortisol podem diminuir, a médio e longo prazo, a quantidade de insulina produzida pelo pâncreas, não havendo regulação de açúcar no sangue e, dessa forma, favorecendo a diabetes.

Por outro lado, como aumenta a quantidade de açúcar no sangue, níveis mais altos de cortisol podem aumentar a quantidade de energia disponível no corpo, já que evita que o açúcar seja armazenado e possa logo ser utilizado pelos músculos.

3. Aumento da gordura abdominal

A diminuição da produção de insulina, a longo prazo, também pode levar ao acúmulo excessivo de gordura na região abdominal.

4. Maior facilidade a se ter doenças

Como o cortisol também está relacionado com o bom funcionamento do sistema imunológico, alterações na sua concentração no sangue podem deixar o sistema imunológico mais fragilizado, aumentando a probabilidade da pessoa ter doenças, como resfriado, gripe ou outros tipos de infecção.


Bibliografia

  • ROSA, Thais G. Influência dos agentes estressores no aumento dos níveis de cortisol plasmático. Trabalho de Conclusão de Curso, 2016. Universidade de Rio Verde (UniRV) .
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem