Corrente russa: o que é, para que serve e como funciona

Revisão clínica: Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
abril 2022

A corrente russa é um aparelho que gera uma corrente elétrica capaz de estimular uma contração dos músculos promovendo um aumento da força e aumento do volume muscular, sendo muito utilizado na fisioterapia no tratamento de pessoas que não conseguem contrair o músculo de forma efetiva, como no caso das pessoas que tiveram AVC ou que são paraplégicos, por exemplo.

Como esse aparelho promove o aumento da força muscular, a corrente russa também tem sido utilizada por atletas para melhorar a performance e para fins estéticos com o objetivo de fortalecer os músculos abdominais, por exemplo. No entanto essa utilização ainda é discutida e os efeitos alcançados apenas pela corrente russa são considerados inferiores aos alcançados através da atividade física.

Para que serve a corrente russa

A corrente russa é utilizada principalmente na fisioterapia no processo de reabilitação de pessoas que não conseguem contrair os músculos corretamente, mas também pode ser indicada para fins estéticos. Assim, as principais indicações da corrente russa são:

  • Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • Atrofia muscular;
  • Paraplegia;
  • Fortalecimento do músculo abdominal, glúteos e pernas;
  • Combate da flacidez abdominal;
  • Melhora da performance, força e resistência muscular, em caso de atletas.

O número de sessões depende da situação muscular de cada pessoa, podendo ser realizadas sessões diárias com duração de 10 a 15 minutos. Além disso, a intensidade da corrente aplicada pode variar de acordo com o objetivo do tratamento. No caso dos atletas e das pessoas que realizam sessões de corrente russa para fins estéticos, é orientado que a pessoa continue a praticar atividade física regularmente e a corrente seja aplicada no músculo que necessita de uma contração muscular mais forte.

Como funciona

O aparelho de corrente russa é composto de várias pequenas almofadinhas, que são os eletrodos, que devem ser posicionados no meio do músculo da região que está sendo tratada, mas sempre respeitando princípios, como não colocar ao mesmo tempo em músculos agonistas ou antagonistas, devendo por isso, ser posicionada por um fisioterapeuta ou preparador físico. 

O aparelho irá promover um estímulo semelhante ao que o cérebro envia para os músculos, o que gera uma contração involuntária do músculo, mas para que possa tirar melhor proveito desse equipamento, sempre que este estímulo elétrico acontecer, o indivíduo deve contrair o músculo ao mesmo tempo.

Corrente russa funciona para emagrecer?

A corrente russa vem sendo usado na estética para melhorar a aparência da barriga, pernas e glúteos, no entanto, ela não é tão eficaz quanto a prática do exercício físico, porque as contrações realizadas pelo equipamento não são exatamente iguais as que o corpo consegue fazer. Assim, esse equipamento nunca deverá substituir a prática do exercício físico. 

Acredita-se que 10 minutos de corrente russa na barriga corresponda a mais de 400 abdominais tradicionais, mas para que a corrente russa seja realmente eficaz é importante contrair o abdômen ao mesmo tempo, porque assim todas as fibras do músculo reto abdominal podem ser trabalhadas. O mesmo não acontece se a pessoa usar o equipamento num centro de estética, de forma totalmente passiva. 

A verdade é que a corrente russa consegue recrutar mais fibras musculares durante seu uso, desde que a pessoa realize uma contração muscular ao mesmo tempo em que acontece o estímulo elétrico. Dessa forma, seria mais sensato usar a corrente russa numa academia de ginástica ou num centro de reabilitação, por exemplo.

Resultados da corrente russa

Como resultados da corrente russa, pode-se esperar um aumento do volume muscular, diminuição da flacidez, melhora da circulação sanguínea, melhora da drenagem linfática, maior facilidade ao realizar movimentos e maior destreza ao realizar movimentos delicados. No entanto estes resultados são mais vistos quando a pessoa apresenta inicialmente fraqueza muscular causada por um derrame, ou segue um programa de exercícios físicos que deve ser realizado ao mesmo tempo de uso do equipamento. 

Quando se trata de uma pessoa saudável, que apenas é sedentária e não pratica nenhum tipo de atividade física, quando a contração voluntária não acontece, pode-se notar um pequeno aumento da força e do tônus muscular, havendo pouquíssimo aumento no volume muscular, e por isso a corrente russa nunca poderá substituir a prática de exercícios como a musculação.

Quando não é indicada

Apesar de ser um excelente tratamento para fortalecer os músculos, a corrente russa não deve ser usada nas seguintes situações:

  • Em pessoas que possuem marcapasso ou doença cardíaca, para não alterar os batimentos cardíacos;
  • Em pessoas que sofrem com epilepsia, porque pode desencadear uma crise epiléptica;
  • Em caso de doença mental, porque a pessoa pode retirar os eletrodos do lugar;
  • Em caso de hipertensão arterial de difícil controle, porque a pressão pode ficar muito alterada; 
  • Durante a gravidez, não deve ser posicionado sobre o abdômen;
  • Não deve ser aplicado nas pernas com grandes varizes.

Além disso, a corrente russa não deve ser aplicada durante um episódio de flebite ou de trombose venosa profunda, ou em caso de lesão muscular, nos ligamentos, tendões ou em caso de fratura no local em que seria aplicada a corrente.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em abril de 2022. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em abril de 2022.

Bibliografia

  • COSTA, ANNE CAROLINE R.; SALEME, ALINE P F.; AMMA, PRISCILA C. C. ET AL. O uso da corrente russa na recuperação da flacidez do músculo reto abdominal no puerpério. 2019. Disponível em: <https://revistas.unipacto.com.br/storage/publicacoes/2019/uso_da_corrente_russa_na_recuperacao_da_flacidez_do_musculo_reto_abdom_326.pdf>. Acesso em 20 abr 2022
  • LIMA, Evelyne Patrícia F.; RODRIGUES, Geruza B. O. A estimulação russa no fortalecimento da musculatura abdominal. ABCD Arq Bras Cir Dig. Vol 25. 2 ed; 125-128, 2012
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.